17 de January de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Biden e imigração, mais do mesmo?

Biden e imigração, mais do mesmo?

Por Adriana Robreño
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Havana, 30 out (Prensa Latina) Como a chegada dos centro-americanos à fronteira sul dos Estados Unidos continua hoje, os especialistas consideram que a política de imigração do presidente Joe Biden é tão xenofóbica quanto a das administrações anteriores.

Para Antonio Aja, chefe do programa Casa de las Américas sobre latinos nos Estados Unidos, a estratégia do atual executivo democrata é uma continuação de outras como as de Bill Clinton (1993-2001), Barack Obama (2009-2017) e Donald Trump (2017-2021).

Antes da chegada de Biden à Casa Branca, as caravanas começaram a chegar aos Estados Unidos e desde então a posição da pessoa que agora ocupa a Sala Oval tem sido a de rejeitar a chegada de imigrantes, comentou Aja em declarações à Prensa Latina.

A vice-presidente Kamala Harris reafirmou esta posição durante sua visita a alguns dos países de origem na região em junho, quando disse categoricamente “Não venha”.

Mesmo assim, o número de pessoas detidas na fronteira com o México continua a crescer, atingindo um recorde de 1,7 milhões de migrantes no ano passado, o maior número registrado desde 2000, incluindo 145.000 menores desacompanhados.

Embora o presidente esteja tomando medidas para refrear as fortes críticas de sua administração por não tomar medidas enérgicas contra a expulsão de migrantes na fronteira, as deportações e a discriminação persistem.

A única diferença entre este governo estadunidense e o anterior é que ele assumiu uma postura diferente em relação às crianças e famílias, o que Trump não fez, mas a longo prazo é uma posição xenófoba e anti-imigrante, disse o diretor do Centro de Estudos Demográficos da Universidade de Havana.

Entretanto, o analista destacou a suspensão da construção do muro na fronteira com o México, uma obsessão do Trump, embora ele tenha apontado que não é uma ideia original dele, porque as barreiras existiram de uma forma ou de outra tanto na administração democrática como na republicana.

É mais do mesmo, com alguns ajustes relacionados principalmente com a relação migratória entre os Estados Unidos e o México, cujo presidente, Andrés Manuel López Obrador, salienta que a solução do problema envolve desenvolvimento e investimento nas nações de origem, ressaltou o especialista.

O pacto migratório promovido pela ONU não está sendo cumprido no caso da América Central porque os Estados Unidos não fornecem ajuda para o desenvolvimento regional, advertiu a Aja.

Ele indicou que a posição de Washington de fornecer fundos a essas nações não funcionará se não for levada a sério o suficiente.

Ele também mencionou como a corrupção e a ingovernabilidade nos estados da região também são fatores que incentivam a emigração porque complicam o cenário econômico e social.

Ele também enfatizou a dependência das economias centro-americanas das remessas enviadas por seus cidadãos no país norte-americano, que não somam grandes somas individualmente porque provêm dos salários dos trabalhadores que vendem sua mão-de-obra.

Portanto, é uma grande falácia dizer que os imigrantes são um fardo público, quando na realidade eles estão em necessidade, disse o especialista.

Os latinos nos Estados Unidos são a maior minoria com uma população de 50 milhões de habitantes que, como aponta Aja, têm grande visibilidade demográfica e enorme invisibilidade econômica e política.

Eles são supostamente culpados como um fardo, mas os números do censo de 2020 indicam que mesmo muitos dos 11 milhões de indocumentados contribuem para a economia, principalmente nos setores de serviços e agricultura.

Do ponto de vista demográfico, um território envelhecido como os Estados Unidos se beneficia dos que chegam de outros países para aumentar sua população e sua força de trabalho.

Apesar de ser um país de imigração, a ideologia predominante nos Estados Unidos é xenófoba, racista e rejeita qualquer pessoa que não venha de onde supostamente se origina a população anglófona branca, e este ponto é reproduzido de geração em geração, apontou o pesquisador.

Além do fato de que cada país tem o direito de aceitar quem quiser, os estadunidenses veem os imigrantes como algo necessário, mas de forma seletiva e discriminatória, destinados a ocupar um lugar específico no estrato social, disse Aja à Prensa Latina.

msm/avr/vmc

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.