6 de December de 2021

NOTICIAS

Mulheres e o direito ao aborto nos Estados Unidos

Mulheres e o direito ao aborto nos Estados Unidos

Havana, 9 out (Prensa Latina) As defensoras dos direitos das mulheres nos Estados Unidos enfrentam o olhar patriarcal de membros do Partido Republicano e seus esforços para penalizar e restringir o acesso ao aborto no país.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

A polêmica começou depois que a lei aprovada no Texas entrou em vigor, que proíbe a maioria das interrupções da gravidez quando a atividade cardíaca é detectada no feto.

Isso pode acontecer antes mesmo de muitos saberem que estão grávidas.

Promovida pelo governador do referido estado, o republicano Greg Abbott, a norma permite que qualquer pessoa processe qualquer pessoa que realize um aborto voluntário ou ajude de alguma forma para que seja realizado.

É ultrajante e ofensivo tentar colocar o Estado, e mesmo qualquer cidadão, entre uma mulher e seu médico, frisou o analista Charles M. Blow.

Após as eleições de novembro de 2020, os democratas recuperaram a Casa Branca e o controle do Senado, mas os republicanos fortaleceram seu poder nas Casas estaduais.

Desde então, estes últimos lançaram uma ofensiva legislativa que poderia reverter direitos sociais que pareciam consolidados, disse Amanda Mars, correspondente do jornal El País nos Estados Unidos.

Com a entrada em vigor da ‘Lei do Batimento cardíaco’ no Texas, os pedidos de aborto foram reduzidos à sua expressão máxima, enquanto as clínicas para esse procedimento lutam pela sua sobrevivência.

Os texanos com gravidez indesejada são forçados a viajar longas distâncias para uma interrupção.

No mês passado, centros médicos em estados vizinhos relataram um crescente acúmulo de pacientes, uma situação que está se tornando cada vez mais difícil de administrar, de acordo com Jennifer Reince, da clínica Trust Women Oklahoma City.

Lá, mais de 60% das 219 consultas nas duas semanas seguintes são de mulheres do Texas.

Uma das pacientes é uma menor que engravidou após um parente abusar dela, o médico esclareceu e especificou que a nova lei não abre exceções em casos de estupro ou incesto.

O que acontece no Texas não é isolado. Um total de 19 estados empurraram as restrições ao aborto este ano, de acordo com uma contagem do Instituto Guttmacher. Por exemplo, o Arkansas endossou uma lei que proíbe praticamente qualquer tipo de interrupção, exceto se for necessário para salvar a vida da mãe em uma emergência médica.

A controvérsia cresce à medida que o Congresso debate o caso histórico Roe v Wade – no qual a Suprema Corte descriminalizou o aborto em 1973 – como um meio de proteger as mulheres dos ataques republicanos.

Para Blow, a capacidade de criar uma vida e trazê-la ao mundo é um poder, um presente; Mas levar uma gravidez até o fim simplesmente não é adequado para muitas mulheres. Em que ponto da gravidez eles estão no controle? Quando a possibilidade de escolha é eliminada? Por que eles deveriam ter vergonha dessa decisão? Perguntou-se o analista.

Quando uma mulher sabe que está grávida, ela precisa se sentir livre para tomar decisões sobre seu corpo, sua saúde e seu futuro, e isso não deve estar sujeito à aprovação da comunidade. A luta continua, ele concluiu.

(Retirado do Orb)/ ml

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.