2 de July de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Guantánamo: prisão e ocupação ilegal dos EUA em Cuba

Guantánamo: prisão e ocupação ilegal dos EUA em Cuba

Havana,  (Havana) Os Estados Unidos têm hoje mais de 800 bases navais no mundo e, até o restabelecimento das relações com Cuba, Guantánamo era o único em um país com o qual não mantinham relações diplomáticas.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Autoridades, ex-militares de alto escalão e acadêmicos norte-americanos referem-se à inoperância dessa instalação com uma área de 117,6 quilômetros quadrados, porque a ilha não representa perigo para sua segurança nacional e o país caribenho nunca orquestrou um plano contra o território norte-americano.

‘Ao contrário, o governo cubano em todos os anos de revolução demonstrou, em inúmeras ocasiões, sua disposição de cooperar em diversos temas, daí a existência de 23 convênios’, explicou à Prensa Latina o historiador, pesquisador e professor Hassan Pérez Casabona.

Os acordos bilaterais persistem, afirmou, apesar das aberrações do ex-presidente Donald Trump, como as 243 medidas aplicadas contra Cuba, 55 delas em fase de pandemia e ainda em vigor no governo de Joe Biden.

O também doutor em Ciências Históricas pela Universidade de Havana lembrou que o país qualifica a presença da base como inadmissível, embora não empunhe essa questão como obstáculo para o avanço nas negociações com os Estados Unidos.

O capítulo escuro da prisão

O processo de restituição de relações iniciado em 17 de dezembro de 2014 gerou algumas expectativas, apesar de se tratar apenas de uma mudança nas nuances e instrumentos e não nos propósitos estratégicos em si, como expressou o próprio ex-presidente Barack Obama durante sua visita a Cuba em 2016.

Mesmo nesse cenário, ficou claro que a questão da base naval não estava em discussão, só transpareceu nessa fase, incluída como promessa de campanha e não cumprida durante sua gestão, o fechamento do presídio, instituído em 2002 após os acontecimentos de 11 de setembro de 2001.

‘Essa prisão militar faz parte dos episódios mais sombrios da história dos Estados Unidos quando o então presidente George W. Bush disse: sem problemas, para definir o limbo legal e as torturas aplicadas aos prisioneiros levados para aquele lugar arbitrariamente’, disse enfatizou o acadêmico.

Pérez Casabona destacou que os Estados Unidos violaram os instrumentos internacionais de combate a esses castigos físicos e psicológicos e as humilhações ali cometidas são comparáveis às piores versões dos campos de concentração durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

O governo George Bush considerou que, como os detidos não se encontravam em seu espaço geográfico, careciam da proteção conferida por mecanismos, entre eles, a Constituição dos Estados Unidos e, portanto, essa condição de ‘combatente inimigo’ os privava de proteções legais.

‘Segundo a opinião pública internacional, este site está inoperante, em primeiro lugar, por razões humanitárias relacionadas com a prisão e, do ponto de vista militar, simboliza uma referência do colonialismo e a visão distorcida de conceber Cuba como um quintal’, argumento.

É possível remover a base naval?

Em teoria sim, mas existe vontade política do governo dos Estados Unidos? Pérez Casabona lembrou que desde 1903, data de instalação da base, nenhum dos 24 presidentes que passaram pela Casa Branca incluiu em sua política o retorno incondicional daquele território a Cuba.

Além disso, há muitos anos o que ele chama de negócio da contra-revolução: ‘setores, especialmente no sul da Flórida, com certos poderes e representação no Congresso, subservientes à verdadeira classe política e contrários à reaproximação entre as duas nações’.

O restabelecimento das relações teve como condicionantes a retirada da ilha da lista de países patrocinadores do terrorismo, decisão imposta pelo ex-presidente Ronald Reagan em 1982, e o avanço de acordos para acabar com o bloqueio econômico, comercial e financeiro.

‘Trump mais uma vez nos colocou nessa lista unilateral e as últimas declarações de Biden, após os atos de desestabilização social de 11 e 12 de julho, denotam falta de vontade em cumprir suas promessas ao eleitorado quanto a uma possível proximidade com Havana’, frisou.

O que isso representa para os Estados Unidos?

Desde a sua constituição no início do século XX, Pérez Casabona destacou que as tropas norte-americanas presentes na base converteram, até 1959, os arredores de Caimanera e Boquerón em espaços de prostituição, drogas, contrabando, vícios e jogos proibidos.

As aventuras dos Estados Unidos nas nações caribenhas e latino-americanas tiveram a cumplicidade das tropas localizadas em Guantánamo, por exemplo, a invasão da Nicarágua em 1912; para a República Dominicana em várias ocasiões, a primeira em 1916; para o Panamá em 1989 e para o Haiti em 1994.

Para o historiador e acadêmico Elier Ramírez, a base sempre foi fonte de tensão e, por exemplo, durante o mandato de Lyndon B. Johnson (1963-1969), foi um ponto crítico com o assassinato de soldados cubanos e o confisco de fundos acumulados com a aposentadoria de centenas de trabalhadores.

‘Durante a chamada crise da água, em fevereiro de 1964, Cuba cortou a água da base em face do sequestro de quatro barcos pesqueiros. Documentos desclassificados do mandato do ex-presidente Jimmy Carter mostram como o governo do norte se esquivou desse assunto da agenda política bilateral. ‘, apontou.

Desde 1959, Cuba denuncia os disparos contra membros da Brigada de Fronteira, criada em 1961 – até 1989 foram 780 tiros de fuzil vindos da base -, provocações, ofensas verbais e a criação de cenários para mostrar uma possível intervenção.

msm / dgh /ml

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.