30 de November de 2021

NOTICIAS

Haiti sem acordo político e assolado por crise humanitária

Haiti sem acordo político e assolado por crise humanitária

Porto Príncipe, 31 ago (Prensa Latina) Quase dois meses após o magnicídio no Haiti, a classe política ainda não chegou a um acordo, enquanto a crise cresce com milhares de pessoas que hoje dormem nas ruas após o terremoto.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Pelo menos quatro grupos propõem soluções para a liderança do país, depois que em 7 de julho um comando armado assassinou o presidente Jovenel Moïse em sua residência e atirou em sua esposa Martine Étienne.

Antes do terremoto de 14 de agosto, que matou 2.020 pessoas e forçou que dezenas de milhares fossem para abrigos improvisados, o governo de Ariel Henry propôs um documento estabelecendo um roteiro de 29 pontos.

O texto também mantém o neurocirurgião à frente do governo, sendo que, o mesmo propõe combater a corrupção, fortalecer o judiciário e realizar eleições.

Na véspera, ele se reuniu com representantes de 200 entidades para analisar o acordo e discutir a governança no atual período.

‘Vamos trabalhar juntos para encontrar um acordo político válido, uma forma de criar condições para que possamos realizar eleições locais, legislativas e presidenciais’, dizia a manchete logo após a reunião.

Paralelamente, a Comissão para a busca de uma solução haitiana para a crise divulgou um projeto de consenso ao qual as organizações sociopolíticas devem aderir.

A conferência deste grupo, organizada no hotel Montana desta capital, foi frustrada por ativistas que anteriormente se comprometeram a colocar o atual presidente do Senado, Joseph Lambert, à frente do país.

Segundo as pessoas, não há outro acordo a ser assinado, já que o parlamentar é o agente reconhecido pelo Senado.

Para aumentar a confusão, a plataforma Nou ap mache pou lavi (Marchamos pela vida), em conjunto com o influente Setor Democrático e Popular (SDP) e outras associações, discutem possíveis soluções para a crise sem aderir aos tratados acima mencionados.

‘O SDP continua lutando por um acordo político inclusivo baseado nas demandas do povo haitiano’, disse seu porta-voz, advogado André Michel.

Tudo isso ocorre em meio à deterioração do clima social, ao aumento dos sequestros e às medidas a serem adotadas para enfrentar a crise humanitária gerada pelo terremoto que afetou mais de 650 mil pessoas, segundo dados oficiais.

Apesar das promessas de união do primeiro-ministro que chegou ao poder, após uma briga com seu antecessor Claude Joseph, as esperanças de um consenso se dissiparam e as ameaças de intensos protestos que poderiam desestabilizar ainda mais a pequena nação, afirmam especialistas.

npg/ane/cm

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.