5 de December de 2021

NOTICIAS

OMS está preocupada com o surgimento de cepas Covid-19 mais perigosas

OMS está preocupada com o surgimento de cepas Covid-19 mais perigosas

Genebra, 21 jul (Prensa Latina) A Organização Mundial da Saúde (OMS) expressou hoje sua preocupação com o possível aparecimento de novas cepas de Covid-19, que poderiam superar o efeito das vacinas utilizadas no mundo.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Tedros Adhanom Ghebreyesus, chefe da OMS, disse que se tal situação ocorresse, o mundo voltaria à estaca zero quando o vírus SARS-CoV-2 aparecesse no final de 2019.

Conforme a transmissão aumenta, surgirão mais variantes com potencial para serem ainda mais perigosas do que a mutação Delta, que teve origem na Índia, disse ele.

Então haverá a probabilidade de uma delas escapar das vacinas atualmente projetadas e utilizadas, disse ele em um discurso na 138ª sessão do Comitê Olímpico Internacional.

Denunciou hoje a falta de compromisso político real com o processo de vacinação Covid-19.

Embora as ferramentas existam para tornar realidade o sonho de um retorno à normalidade, muitos governos e empresas estão dificultando a sua realização, disse ele.

Setenta e cinco por cento das vacinas foram administradas em apenas 10 países e essa é a razão de não termos acabado com a pandemia, disse o funcionário da OMS.

Não há imunizadores para o HIV, não há cura para o mal de Alzheimer, não há teste simples para todas as formas de tuberculose, mas para a Covid-19 temos meios de preveni-lo, detectá-lo e tratá-lo, para que possamos escolher acabar com a pandemia, disse ele.

Adhanom Ghebreyesus enfatizou que os governos devem proteger suas populações, combinando medidas sociais e de saúde pública apropriadas e coerentes.

A OMS pede a vacinação em massa contra o coronavírus SARS-CoV-2, pelo menos 10% da população de cada país a ser imunizada até setembro de 2021, 40% até o final deste ano e 70% até meados de 2022.

Lamentou novamente a incapacidade global de compartilhar vacinas, testes e tratamentos, incluindo oxigênio.

Enquanto nos países ricos se fala de vacinação de reforço com uma terceira dose, nas nações de baixa renda apenas um por cento da população recebeu pelo menos uma, disse ele.

mem/joe/bm

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.