25 de January de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

O fenômeno midiático e sua ação política na Bolívia

O fenômeno midiático e sua ação política na Bolívia

La Paz, 29 mai (Prensa Latina) Diferentes personalidades na Bolívia denunciam o papel da mídia na ruptura do fio democrático em 2019 e a conspiração hoje de uma maioria alinhada com a oligarquia empresarial.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

A vanguarda do golpe foi a imprensa: analistas, colunistas, jornalistas em geral, formaram ‘um exército inteiro’ que varreu a possibilidade de defender o governo em termos de disputa, de debate, disse o ex-ministro da Presidência, Juan Ramón Quintana.

O sociólogo Eduardo Paz considerou centrais as ações jornalísticas na preparação e execução do golpe, dando especial atenção às notícias, comentários e reportagens de políticos, porta-vozes e agentes do imperialismo como Luis Almagro, secretário-geral da Organização dos Estados Americanos.

Um ano antes, lembrou o professor, eles ‘anteciparam’ a fraude eleitoral e descreveram o Presidente Evo Morales (2006-2019), que ganhou três eleições com mais de 58% dos votos, como um ditador, e se tornou porta-voz da polícia e do motim militar.

Além disso, observou o pesquisador, eles foram o apoio ideológico e comunicacional do regime de facto liderado por Jeanine Áñez e dos interesses que ele representava: os do domínio geopolítico dos EUA, proprietários de terras e agroindustriais do leste, os grandes bancos, fundos de pensão, corporações transnacionais, entre outros.

O mesmo povo, disse Paz, que criticou as mobilizações populares de protesto da Central Obrera Boliviana, o Pacto de Unidade e o Movimento ao Socialismo (MAS) contra o regime de Añez e suas tentativas de prolongar seu mandato.

Novo mapa de atores na Bolívia, uma pesquisa publicada pela fundação alemã Friedrich Ebert, dedicou um capítulo à mídia nacional, onde reafirmou o alinhamento destes com ‘um novo bloco de poder’, aludindo ao executivo de transição, segundo a cientista política Susana Bejerano, autora do texto com o jornalista Fernando Molina.

‘Eles deixaram de ser a ponte entre a sociedade e o que está acontecendo; eles estão começando a ser um ator político que emite sentenças sobre o que acontece’, explicou o analista com respeito à cobertura dos jornais Página Siete, Los Tiempos e El Deber.

Alguns deles, estando muito em sintonia com as classes médias da oposição que exigiam Morales, desempenharam um papel de classe, acrescentou Bejerano.

A MÍDIA NOVAMENTE?

Mais de um ano após o golpe de Estado que obrigou Evo Morales a renunciar, o consórcio de mídia da oligarquia empresarial, auxiliada por redes de Internet, está desenvolvendo uma campanha de complôs contra as mais altas autoridades do país, disse Paz, professora da Universidade Mayor de San Andrés.

Juntamente com a oposição neoliberal conservadora, eles estão tentando enfraquecer e condicionar as políticas do presidente boliviano Luis Arce que visam superar as crises sanitárias e econômicas e impedir estratégias para consolidar o processo nacional-popular, disse ele.

Eles não apenas especulam sobre diferenças e divisões na administração atual, mas, disse ele, eles também difundem versões e interpretações tendenciosas de discursos e declarações de suas autoridades.

Além disso, destacou, eles ampliam as declarações dos líderes de opinião, políticos, jornalistas e analistas que defendem o golpe antidemocrático no final de 2019 e enfatizam que os funcionários do MAS aprofundam as dificuldades do povo boliviano.

O representante do Comitê Cívico da cidade de El Alto, Gregorio Mamani, pediu ao Ministério Público uma investigação dos ex-chefes de Comunicação Roxana Lizárraga e Isabel Fernández, por ataques a jornalistas, fechamento de veículos de comunicação e pela morte do repórter argentino Sebastián Moro em 11 de novembro de 2019.

O deputado do MAS Juanito Angulo argumentou a este respeito que durante o ano da administração de Áñez a polícia e as máfias simpatizantes do regime perseguiram e detiveram muitos jornalistas apenas por informar a comunidade, o que deve ser investigado e os responsáveis punidos, exigiu ele.

A rede conspiratória de 2019 está intacta e poderia agir novamente de forma semelhante ao que aconteceu em 1980, advertiu o advogado Aldo Michel, uma testemunha acusadora no julgamento do ex-presidente de facto Luis García Meza.

msm/avs/znc/vmc

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.