18 de April de 2024
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Ex-tesoureiro do Alabama defende relações normais entre USA e Cuba

ex-tesoureiro-do-alabama-defende-relacoes-normais-entre-usa-e-cuba

Ex-tesoureiro do Alabama defende relações normais entre USA e Cuba

Montgomery, Estados Unidos, 29 fev (Prensa Latina) O ex-tesoureiro do Alabama, John McMillan, destacou as oportunidades que os agricultores estadunidenses teriam em Cuba e a possibilidade de trocas em ambas as direções se hoje existissem relações normais entre os dois países.

Durante uma conversa exclusiva com Prensa Latina em Montgomery, capital do estado do Alabama, McMillan, lembrou que um dos pontos altos de suas duas visitas a Cuba foi ir a zonas rurais “onde conhecemos alguns dos produtores de tabaco e vimos como se fabricavam charutos”.

Eles visitaram cooperativas agrícolas onde “aprendemos mais sobre como elas funcionam”. Além disso, eles viram “onde haveria oportunidades para os agricultores dos EUA” e interesses agrícolas que, no futuro, se tornariam ” uma troca ativa que poderia ir para os dois lados”.

O atual diretor da Comissão de Cannabis Medicinal do Alabama observou que o sentimento de amizade entre os povos de Cuba e dos Estados Unidos é palpável.

“A pessoa comum, o fazendeiro no Alabama ou as pessoas na mercearia de varejo no Alabama sentem que gostariam de trocar e construir relacionamentos pessoais, que é até a maneira mais simples de descrever isso”, disse ele.

Quando estivemos lá, tivemos a impressão de que eles realmente gostavam desse tipo de relacionamento e das perguntas e respostas pessoais e de falar sobre como cultivam isso ou aquilo, disse ele.

Eu participei, explicou ele, de uma exposição agrícola em que “passamos a tarde inteira em um grande rodeio e eu adoro cavalos e gado e já convivi com eles em minha vida e vimos alguns dos mais belos lá”.

No entanto, esses vínculos são prejudicados pela persistência do bloqueio imposto há mais de 60 anos pelo governo dos EUA, que limita até mesmo a liberdade de seus cidadãos viajarem para Cuba.

Perguntado pelo repórter sobre o atual ciclo eleitoral no país, ele disse que ainda há muitas incertezas para fazer previsões sobre o resultado das eleições deste ano, mas que, em sua opinião, “elas serão decididas pela economia”.

Estamos a poucos meses de entrar no centro da campanha eleitoral, disse McMillan, prevendo que “o presidente (Joe) Biden provavelmente será o candidato do Partido Democrata, e parece que o ex-presidente (Donald) Trump será definitivamente o candidato do Partido Republicano”.

Ele enfatizou que há diferentes questões que farão parte da corrida presidencial, mas que, no final, a economia é a principal referência para os eleitores na hora da votação.

“Na verdade, ainda temos problemas econômicos e, se prestarmos atenção às pesquisas e ao que vemos na televisão, a questão da imigração talvez seja o maior problema que temos no momento”, enfatizou McMillan.

No entanto, estamos atentos para ver as mudanças que ocorrerão na economia e na inflação, porque em “toda eleição o foco acaba sendo essas questões”, acrescentou. Acho”, disse ele, “que se a inflação permanecer relativamente alta e custar mais para as famílias comerem e terem energia, especialmente gasolina para carros, porque somos muito dependentes de carros nos Estados Unidos, isso determinará quem vencerá a eleição.

Mas a opinião pública não significa nada “porque nossas eleições são decididas pelo Colégio Eleitoral (formado por 538 eleitores de todos os estados da União)” e o voto popular não significa muito, principalmente quando as disputas são acirradas, explicou.

Acontece que o presidente e o vice-presidente dos Estados Unidos não são eleitos diretamente pelos cidadãos, mas pelos “eleitores” do Colégio Eleitoral. Um processo complexo que alguns críticos consideram injusto e antidemocrático.

Por exemplo, em 2016, os números mostraram que a então candidata democrata, Hillary Clinton, obteve um número maior de votos do que Trump, seu rival republicano, que foi anunciado vencedor da disputa pela Casa Branca porque obteve 304 votos do Colégio Eleitoral: 34 a mais do que os 270 necessários para ganhar a presidência.

ro/dfm

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.

EDICIONES