1 de March de 2024
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Congressista dos EUA: o caminho para a paz não leva à guerra

Congressista dos EUA: o caminho para a paz não leva à guerra

Washington, 1 fev (Prensa Latina) O caminho para a paz e a segurança hoje não leva à guerra, afirmou a democrata Barbara Lee, membro da Câmara de Representantes dos Estados Unidos, advertindo que é preciso mudar de rumo.

Para Lee, “a guerra em Gaza criou uma tempestade no Oriente Médio” desde 7 de outubro. Rejeitando “os apelos de alguns em Washington” para que Israel continue a agressão na faixa costeira, o representante da Califórnia insistiu que “o caminho para a paz e a segurança em toda a região depende do fim das hostilidades em Gaza, da libertação de todos os reféns e do retorno à diplomacia”.

“Peço esforços redobrados para conseguir uma rápida redução das tensões por meio de um cessar-fogo permanente e um forte envolvimento regional que inclua organizações humanitárias internacionais”, disse ele em sua declaração.

A declaração foi publicada em seu site oficial após a morte de três militares norte-americanos durante um ataque de drones no fim de semana em uma base do Pentágono no nordeste da Jordânia, e no texto Lee se opôs à ideia de que o presidente Joe Biden deveria buscar retaliação em resposta, pois “ele deveria ir ao Congresso”.

A congressista também enviou suas condolências às famílias dos soldados mortos. “Ninguém merece o telefonema que essas famílias receberam no último fim de semana”, disse ela.

Lee sempre foi uma voz dissidente em relação às guerras. Em 2001, na época dos ataques terroristas às Torres Gêmeas em Nova York e ao Pentágono em Washington, o Congresso rapidamente e quase por unanimidade concedeu ao então presidente George W. Bush a autoridade para “usar toda a força apropriada e necessária”.

O objetivo era punir “países, organizações e indivíduos que ajudaram” no pior ataque em solo americano de sua história, que deixou quase três mil mortos. Foi o início do que mais tarde ficou conhecido como a “Guerra ao Terror”.

Lee foi a única que votou contra seus colegas de ambos os partidos na Câmara dos Deputados e os senadores que aprovaram a chamada “Declaração Conjunta de Autorização para o Uso de Força Militar”, o sinal verde para a invasão do Afeganistão em outubro de 2001, país que, segundo Washington, abrigava os líderes da organização terrorista Al Qaeda.

No entanto, o líder do grupo, Osama bin Laden, que foi responsabilizado pelos ataques de 11 de setembro de 2001, nunca apareceu em solo afegão até uma década depois (2011), quando foi morto em uma operação especial dos EUA no Paquistão na era do presidente Barack Obama.

Em 14 de setembro de 2001, quando a congressista defendeu seu voto, ela disse no plenário da Câmara que estava “convencida de que a ação militar não evitará novos ataques terroristas contra os Estados Unidos”.

jf/dfm/mb

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.

EDICIONES