1 de March de 2024
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Angola pede paz para o povo palestino

20231130_121305-768x576

Angola pede paz para o povo palestino

Luanda, 30 nov (Prensa Latina) Crianças, mulheres e homens de Angola uniram hoje suas vozes em um chamado à paz para o povo da Palestina e ao fim do genocídio cometido pelo governo israelense nos territórios ocupados.

Em um evento organizado pela Liga Angolana de Amizade e Solidariedade com os Povos (Laasp) e que contou com a presença dos embaixadores da Palestina, Jubrael Shomali, da Venezuela, Marlon José Labrador, e de Cuba, Oscar León, diferentes oradores pediram que as armas fossem silenciadas.

O representante da nação árabe agradeceu ao povo angolano por sua solidariedade e pelo gesto de Laasp, por ocasião do Dia Internacional de Solidariedade com a Palestina, celebrado em 29 de novembro.

Ele lembrou os laços históricos de amizade que os unem e deu exemplos do que significou essa nova escalada israelense na Faixa de Gaza, onde, desde 7 de outubro, 15 mil pessoas morreram, seis mil delas crianças, e mais de 40 mil ficaram feridas.

Shomali observou que a agressão atingiu escolas, hospitais e postos de saúde, bem como cerca de 400.000 casas, sob as quais se presume que milhares de palestinos estejam enterrados.

Armas proibidas, como o fósforo branco, foram usadas, disse ela, e afirmou que, apesar de tudo, ainda há esperança de que a Palestina vença, porque é uma causa justa.

A presidente do Laasp, na qualidade de vice-presidente do Conselho Mundial da Paz para a região da África, considerou a atrocidade causada pelos bombardeios e pelo cerco que proíbe a entrada de alimentos, medicamentos e o fornecimento de água e energia para a Faixa de Gaza como uma tragédia humanitária.

É um momento de solidariedade inequívoca e de pôr fim ao sofrimento do povo palestino, ao qual não podemos ser indiferentes, disse ele, acrescentando que se trata de um povo que corre o risco de ser exterminado diante de nossos olhos.

O embaixador venezuelano, por sua vez, lembrou que seu país sempre apoiou a causa palestina e a defesa de seus direitos, a começar pelo mais importante de todos, o direito à vida.

Ele enfatizou que não é possível falar de guerra nesse caso, pois não se trata de um confronto entre duas instituições beligerantes, mas que tudo o que aconteceu depois de 7 de outubro na Faixa de Gaza é genocídio, um crime que viola a Carta da ONU e o direito internacional.

O embaixador cubano também transmitiu o repúdio enérgico de seu país aos eventos recentes, mas também disse que levantaria sua voz pelos milhões de palestinos que, em 75 anos, foram vítimas da violação de seus direitos humanos.

Ele acrescentou que a ilha tem apoiado historicamente essa causa e continuará a exigir uma solução abrangente, justa e duradoura para o conflito.

Para que isso aconteça, é essencial que o direito inalienável do povo palestino à autodeterminação e à construção de seu próprio Estado independente e soberano dentro das fronteiras pré-1967, com Jerusalém Oriental como sua capital, bem como o direito de retorno dos refugiados, disse ele.

mem/kmg/mb

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.

EDICIONES