18 de April de 2024
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Presidente do Panamá pede sanidade diante dos protestos sociais

Presidente do Panamá pede sanidade diante dos protestos sociais

Cidade do Panamá, 24 out (Prensa Latina) O presidente do Panamá, Laurentino Cortizo, pediu hoje à sanidade e à expressão das diferenças na democracia e com respeito, em meio aos crescentes protestos populares que rejeitam um controverso contrato de mineração.

Numa mensagem de rádio e televisão à nação, o presidente também apelou ao respeito pelas leis e instituições, pela propriedade privada e pública e pela livre circulação.

No seu discurso, o chefe de Estado indicou que não tolerará vandalismo, apelos à anarquia ou a prática de qualquer crime. “Estes atos serão processados. Como já reiterei em diversas ocasiões, ninguém está acima da lei”, frisou.

Cortizo defendeu os benefícios oferecidos pelo pacto firmado com modificações com a empresa Minera Panamá, subsidiária da transnacional canadense First Quantum Minerals (FQM).

Neste sentido, afirmou que o país está em processo de recuperação, mas o encerramento de ruas afeta a economia, impede as pessoas de chegarem ao emprego, perturba a tranquilidade da população, perdem-se consultas médicas, o atendimento aos pacientes está em risco, indicou.

“Confio no bom senso, na prudência e na tolerância dos panamenhos”, insistiu, depois de explicar que o novo contrato permite salvaguardar os 9.387 empregos diretos da mina, com uma folha salarial anual de 357 milhões de dólares, o que se traduz numa contribuição anual para o Social Fundo de Segurança de 161 milhões de dólares.

Da mesma forma, com este acordo, disse, pode-se garantir o pagamento anual mínimo ao Estado de 375 milhões de dólares, e desta forma permitir que nenhum reformado ou pensionista receba um salário inferior a 350 dólares por mês.

“Hoje anuncio ao país que a partir de 20 de novembro deste ano esse aumento será uma realidade para 120.315 reformados”, sublinhou.

Afirmou ainda que anualmente são destinados 190 milhões de dólares para os próximos 20 anos ao programa Deficiência, Velhice e Morte.

Segundo Cortizo, quando o Governo tomou posse em 2019, a Minera Panamá, SA já operava no país, explorando e exportando cobre e seus minerais associados.

Relatou que diante de uma decisão de inconstitucionalidade desse pacto pelo Supremo Tribunal de Justiça (2017), sua gestão optou por negociar com a mineradora.

“Tomamos a decisão certa, não a mais fácil”, disse ele ao se referir às negociações com a FQM.

Para o presidente, após dois anos de negociações, o atual contrato com a Minera Panamá garante “termos e condições muito melhores para o país”, que incluíram propostas e sugestões de uma consulta cidadã.

O Chefe do Executivo sublinhou que o contrato aprovado regulamenta uma operação mineira que existe há anos. No entanto, grupos e organizações sociais insistem que a Lei 406 seja revogada, que seja declarada uma moratória sobre a actividade extractiva e num referendo nacional a população decida com o seu voto se quer ou não um país mineiro.

Há mais de uma semana que estes grupos têm protestado nas ruas, alguns resultando em feridos devido ao uso de spray de pimenta e chumbinhos pela Polícia para dispersar o encerramento das estradas.

rgh/ga/ls

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.

EDICIONES