17 de June de 2024
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Hawara: A limpeza étnica continua

Hawara-500x294

Hawara: A limpeza étnica continua

Cairo (Prensa Latina) Hawara se juntou à longa lista de cidades palestinas alvo de pogroms realizados por colonos judeus, que, mais uma vez, ficaram impunes.

Por Roberto Castellanos

Correspondente chefe no Egito

A morte de dois israelenses nas mãos de um palestino serviu de pretexto para dezenas de extremistas que invadiram o vilarejo e outras cidades vizinhas, localizadas na província de Nablus, no norte, ações que provocaram inúmeros protestos internacionais.

De acordo com Ghassan Daghlas, que supervisiona as atividades de assentamento no norte da Cisjordânia, mais de cem veículos e cerca de 40 casas foram incendiados.

De sua parte, o Crescente Vermelho Palestino relatou mais de cem feridos durante a onda de violência e uma fatalidade. Após o ataque, a polícia prendeu 10 colonos, mas eles foram liberados posteriormente por “falta de provas”.

Tanto as autoridades quanto o exército israelense sabiam dos planos de atacar Hawara, mas o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu está interessado em apaziguar os círculos mais extremistas que compõem seu gabinete e, portanto, permite que eles “façam o que quiserem”, denunciou o escritor e analista Nihad Abu Ghosh.

O que aconteceu no final de fevereiro não foi causado por um grupo revoltado, tratam-se de milícias que têm estrutura e orçamento próprios, explicou.

Para o pesquisador do Instituto de Estudos Palestinos, Razi Nabulsi, a estratégia de Tel Aviv é recorrer à violência e aos crimes contra os colonos sob a capa de “operações retaliatórias”.

“Hawara deve ser deletado hoje”, escreveu David Ben Zion, um dos líderes dos colonos, no Twitter antes do ataque, embora tenha deletado suas palavras depois de muitas críticas. No entanto, os ministros de extrema-direita Bezalel Smotrich e Itamar Ben Gvir gostaram desse tuíte.

Mais tarde, quando questionado sobre o assunto, Smotrich também defendeu a destruição da aldeia, palavras que provocaram uma enxurrada de críticas internacionais, que, por sua vez, obrigaram o governante a recuar.

“Não foi a palavra certa, me expressei mal”, disse o chefe da Fazenda, conhecido por sua visão racista e antiárabe. Zvika Fogel, deputado do partido de extrema direita Poder Judaico, também defendeu a nova agressão.

“Paramos de nos opor ao castigo coletivo (…) Tiramos as luvas. Um terrorista veio de Hawara. Um Hawara fechado e queimado: é isso que eu quero ver. É a única maneira de conseguir a dissuasão”, disse Fogel, conhecido por seu apoio à anexação dos territórios palestinos.

Diante dessa situação, o primeiro-ministro palestino, Mohammad Shtayyeh, culpou o governo de Netanyahu pelo ataque.

Do outro lado da fronteira, numerosos políticos israelenses, incluindo deputados, também acusaram Netanyahu e seus parceiros ultranacionalistas no poder, especialmente o chefe do Poder Judáico, Itamar Ben Gvir.

A AGRESSÃO CONTINUA

Os colonos agiram no espírito do atual governo fascista, denunciou a legisladora árabe-israelense Aida Touma-Sliman, enquanto seu colega de plenário Ayman Odeh, líder do partido esquerdista Hadash, alertou que “este pogrom só levará a mais derramamento de sangue”.

Apesar de muitas críticas, nos dias seguintes os colonos continuaram seus ataques em várias áreas da Cisjordânia ocupada, incluindo as províncias de Tulkarem e Jenin.

Em um relatório recente, o Centro de Informação Israelita para os Direitos Humanos nos Territórios Ocupados (B€ÖTselem) denunciou a violência dos colonos contra os palestinos como mais um método que Tel Aviv usa para controlar a terra na Cisjordânia.

Eles realizam uma variedade de atos que incluem ataques físicos, lançamento de pedras, ameaças e assédio, danos a árvores e plantações, vandalismo de carros, bloqueios de estradas e até disparos de munição real, criticou.

A organização enfatizou que “como resultado, os palestinos têm medo de ir para seus lotes de terra, que o Estado então toma e usa para seus próprios fins”.

As autoridades israelitas, incluindo as forças de segurança e o sistema de aplicação da lei, estão plenamente conscientes desta realidade, mas permitem e apoiam tal violência e depois usufruem do resultado, sublinhou.

De fato, o jornal Israel Hayom revelou que o Exército estava ciente dos planos de atacar Hawara.

Enquanto isso, o jornal Haaretz informou que os órgãos de segurança trocaram acusações e críticas aos oficiais das Forças Armadas que não fecharam as ruas antes da chegada iminente dos radicais.

Por sua vez, numa tentativa de justificar-se, o Exército culpou o departamento judeu do Serviço Geral de Segurança (Shin Bet) por não o ter alertado da situação.

Os primeiros ataques organizados por colonos datam de abril de 1968, quando um grupo liderado pelo rabino extremista Moshe Levinger ocupou o Immortal River Hotel no centro de Hebron, propriedade da família Qawasmeh.

O apoio financeiro, político e de segurança do governo foi o catalisador para a ascensão de muitos grupos radicais nos assentamentos, realizando inúmeros ataques e assassinatos.

Entre eles, destaca-se o massacre de Hebron em 25 de fevereiro de 1994, quando Baruch Goldstein assassinou 29 fiéis palestinos que rezavam na Mesquita de Ibrahim, atirando indiscriminadamente contra os presentes.

Estatísticas não oficiais indicam que pelo menos 44 palestinos foram mortos desde 2015 por colonos. Somente em 2022, foram registrados 1.187 ataques dessas pessoas.

arb/rob/hb

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.

EDICIONES