8 de August de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Cinco coincidências na guerra suja contra Cuba

Politica-EEUU-Cuba

Cinco coincidências na guerra suja contra Cuba

Havana, 5 ago (Prensa Latina) Na escalada da guerra de quarta geração dos Estados Unidos contra Cuba, dois eventos, separados por quase três décadas, mostram semelhanças: 5 de agosto de 1994 e 11 de julho de 2021.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Coincidências? Embora tenham respondido a contextos diferentes, ambos os momentos apresentam semelhanças em suas origens que evidenciam a aplicação dos manuais de golpes suaves cujas estratégias também foram aplicadas em contextos além das fronteiras da ilha caribenha.

No verão de 1994, houve tumultos em torno do mítico calçadão de Havana como resultado da pressão econômica sobre a maior das Antilhas e uma operação de desinformação orquestrada em Miami.

Em 11 de julho de 2021, em várias cidades do país, houve atos de vandalismo e violência incentivados do outro lado do Estreito da Flórida, cujos estrategistas aproveitaram o cenário gerado pela Covid-19 e o aperto do bloqueio dos EUA para promover uma campanha de mídia social pedindo revolta popular.

1-Pressão econômica

1994: Com a queda do campo socialista, elementos ultraconservadores da política norte-americana promoveram novas medidas coercitivas para sufocar a economia cubana. Em 1992, o Congresso dos Estados Unidos aprovou a Lei Torricelli, que institucionalizou o bloqueio econômico, comercial e financeiro contra Havana e sua natureza extraterritorial.

2021: Depois que o republicano Donald Trump chegou ao poder em 2017, mais de 200 medidas coercitivas unilaterais foram implementadas com o objetivo de cortar o acesso a financiamento, mercados e combustíveis. Os Títulos III e IV da Lei Helms-Burton de 1996 entraram em vigor pela primeira vez para permitir a instauração de ações judiciais nos tribunais norte-americanos contra empresas e pessoas de terceiros países que realizavam negócios em propriedades nacionalizadas em Cuba na década de 1960.

2- Suporte para grupos internos para subversão

1994 e 2021: Com milhões de dólares em financiamento para grupos contrarrevolucionários, construiu-se uma oposição fictícia, apoiada por empresas transnacionais de comunicação, mas sem nenhum reconhecimento popular.

Esses setores recebem dinheiro por meio de ONGs e prêmios internacionais, tentam se inserir nos diversos grupos sociais do país, aceitando demandas reais para usá-los em favor de seus interesses, e até solicitam a intervenção militar dos EUA na ilha.

3- Operação de desinformação

1994: Em torno do mal chamado rádio e televisão Martí, desenvolve-se uma campanha de desinformação que convoca o protesto popular e a desobediência por meio de notícias falsas.

A principal linha de argumentação da estratégia comunicativa é apresentar uma imagem de um país parado, em ruínas e ignorar as conquistas sociais para provocar desânimo e ódio.

2021: Os objetivos de comunicação mantêm-se mas são aplicados de forma mais ampla e eficiente através da utilização das redes sociais.

Investigações do governo cubano e da mídia independente e especialistas confirmaram que nas semanas anteriores ao evento houve uma operação nas plataformas de mídia social em torno do selo SOSCuba.

Como parte desse fato, foram articulados meios convencionais, sites e perfis digitais, com inúmeras contas automatizadas localizadas fora do país, e o uso de ferramentas tecnológicas avançadas.

As grandes empresas transnacionais de comunicação contribuíram para construir uma narrativa que descontextualizasse os acontecimentos e não mencionasse o envolvimento do governo dos Estados Unidos nas causas dos acontecimentos.

4- Descumprimento de acordos migratórios

1994: O governo dos Estados Unidos usou a emigração como ferramenta política. Limitou a emissão de vistos em sua sede diplomática em Havana e fortaleceu mecanismos como a Lei de Ajuste Cubano e uma campanha de comunicação para estimular a emigração irregular.

2021: Usando como pretexto os incidentes de saúde relatados por seus diplomatas em Havana, o governo dos Estados Unidos paralisou os serviços consulares de sua sede na ilha desde 2017 e manteve ativa a Lei de Ajuste, ao mesmo tempo em que não cumpriu os compromissos com Cuba para a emissão de vistos.

5- Violência

1994: Documentos da CIA desclassificados de agosto de 1993 mostraram que uma estratégia para promover distúrbios públicos e apostar em um erro das autoridades cubanas ao lidar com eles.

Segundo esses documentos, possíveis “erros de cálculo” por parte das autoridades cubanas provocariam o caos interno e colocariam em risco a sobrevivência da Revolução.

2021: As plataformas de mídia social foram inundadas com mensagens de ódio para justificar a violência dos manifestantes. O objetivo era transferir para o plano real a violência simbólica do mundo virtual com o objetivo de provocar um confronto com as forças da ordem.

Essas e outras estratégias aplicadas pelos laboratórios de inteligência dos Estados Unidos contra a Revolução Cubana também foram implementadas em outros lugares como Venezuela, Nicarágua e a onda de protestos conhecida como Primavera Árabe.

mem/jfs/ls

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.