13 de August de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Vacinação anti-Covid-19 em Cuba: feito de humanismo e solidariedade

Vacinação anti-Covid-19 em Cuba: feito de humanismo e solidariedade

Havana, 26 jun (Prensa Latina) Enquanto Cuba tem mais de 90% de sua população vacinada contra o Covid-19, quase um bilhão de pessoas em países de baixa renda continuam privadas de proteção contra o SARS-CoV-2.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

De acordo com declarações recentes do diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom, apenas 57 nações do mundo conseguiram imunizar 70% de sua população, a maioria de alta renda.

“Em alguns países, vemos vontade insuficiente para implementar a imunização. Isso foi afetado pela falta de compromisso político para o acesso equitativo às vacinas”, disse ele.

Da mesma forma, chamou os territórios que atingiram 70% a apoiar os mais atrasados e pediu que mantenham a vigilância e estejam preparados para reintroduzir e ajustar as medidas sanitárias e sociais conforme necessário.

“Mais de dois anos após a mais grave crise sanitária em um século, a OMS foi informada de mais de seis milhões de mortes por Covid-19, mas nossas novas estimativas de excesso de mortalidade são maiores: quase 15 milhões”, disse.

Por sua vez, a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) pediu para imunizar os grupos de risco ainda desprotegidos nos países da área.

A agência reconheceu que muitas pessoas permanecem vulneráveis ao SARS-CoV-2, já que apenas 14 das 51 nações e territórios das Américas atingiram até agora a meta de inocular 70% de seus cidadãos contra o vírus.

Em alguns estados, a cobertura vacinal é especialmente baixa entre indivíduos em risco de doenças graves, como idosos, gestantes e pessoas com doenças pré-existentes, disse a entidade.

“Cada país está tão protegido quanto o mais vulnerável de sua população. É hora de tomar nota desses números e agir”, alertou recentemente a diretora da OPAS, Carissa Etienne.

“Devemos usar o que aprendemos com emergências passadas para moldar um futuro em que nossos sistemas de saúde e nossas lideranças estejam mais bem preparados para enfrentar o próximo desafio. Quanto mais bem preparados estiverem nossos sistemas de saúde, menos vidas perderemos e mais fortes e mais resilientes serão nossas sociedades”, observou.

Por outro lado, em Cuba, 9.972.106 pessoas têm o esquema vacinal completo e 7.379.262, mais de 66% dos cidadãos, têm uma dose de reforço.

O país está passando, além disso, pelo segundo reforço para maiores de 50 anos que envolve, segundo estimativas do Ministério da Saúde Pública, mais de quatro milhões de indivíduos.

Além deste segmento, as autoridades de saúde revelaram que os grupos de risco serão atualizados com a imunização.

A população infantil com mais de dois anos também tem três doses do calendário vacinal da ilha e, neste grupo, os adolescentes entre os 12 e os 18 anos recebem o primeiro reforço.

Não satisfeita com isso, a ilha está realizando os ensaios clínicos essenciais para imunizar crianças de até dois anos de idade.

Quando no final de março passado o líder da OMS destacou a necessidade de estimular a produção local de vacinas, fundamentalmente em países de baixa e média renda, Cuba já tinha três (Abdala, Soberana 02 e Soberana Plus) e outras duas ainda em estudos (Mambisa e Soberana 01).

Na ocasião, o diretor expressou que na luta contra o vírus, o patrimônio não pode ser deixado à mercê das forças do mercado, da boa vontade dos doadores ou das correntes geopolíticas em mudança.

Nessa luta a que aludiu o governante, onde é preciso muita solidariedade, a maior das Antilhas é também um exemplo após a entrega dos seus produtos a outros estados.

O apoio, por meio de doações de imunógenos, chegou a países tão distantes quanto a Síria, a República Árabe Democrática de Sarahui ou a Argélia.

Apesar de ser um território de baixa renda, a realidade em relação ao acesso às vacinas para Cuba é diferente.

Enquanto quase um bilhão de pessoas aguardam uma dose que os proteja contra a Covid-19, a ilha fez história com uma campanha de imunização que, à semelhança do desafio implementado na nação, se distingue por ser massiva e gratuita.

mem/alb/ifs/hb

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.