10 de August de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Assim viveu a PLPanamá a invasão gringa de 1989

Diomedes-Bermudez

Assim viveu a PLPanamá a invasão gringa de 1989

Havana, 15 jun (Prensa Latina) “Somos objetivos, mas não imparciais, porque todos sabem de que lado estamos”, é a frase que acompanha o panamenho Diomedes Bermúdez há quase 50 anos, que em 1974 se juntou ao coletivo Prensa Latina (PL) no Panamá.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Por Núbia Piqueras Grosso. Fotos: Osvaldo Rodríguez Martínez

Ex-correspondentes da Prensa Latina no Panamá

Desde então, muitos foram os acontecimentos políticos que marcaram os trabalhos desta agência na nação ístmica, entre os quais os tratados Torrijos-Carter (1977), as negociações do grupo de Contadora durante a crise na América Central (década de 1980) e a invasão norte-americana do Panamá (1989).

Sobre este último, lembrou que no dia 19 de dezembro, horas antes da incursão militar, estava no escritório e Eduardo Cordero, que era o correspondente suplente, lhe disse que a 82ª Divisão do Exército dos EUA já estava no país, mas não havia ainda sinais de que haviam tomado o território nacional.

“Naquele dia fui tranquilamente para minha casa (La Chorrera, a principal cidade da província ocidental do Panamá Oeste); no entanto, às 12 da noite eles me acordam e informam que estão bombardeando o quartel central”, disse Bermúdez durante uma reunião realizada há três anos na capital panamenha por ocasião do 60º aniversário da Prensa Latina.

“Quando o turno de trabalho terminou à noite, peguei o ônibus que fazia a rota Panamá-La Chorrera, no qual viajavam todos os funcionários que trabalhavam em restaurantes e hotéis, além de trabalhadores independentes”.

“Durante a invasão, quando aquele ônibus passou pela Zona do Canal, foi bombardeado e muitas pessoas morreram. Por sorte, naqueles dias eu terminei meu turno à tarde e por isso não estava naquele ônibus, senão não estaria fazendo esse relato agora”, disse ele tristemente.

“Naquela época (1989) meu filho tinha seis anos, mas só consegui calçar um tênis, uma calça jeans e um suéter preto, comecei e me armei, esperando um confronto com os gringos, o que não aconteceu em meu caso e apenas só oito dias após o ataque, em 28 de dezembro, consegui entrar na capital”, lembrou.

“Durante esses dias comíamos arroz, figo da Índia e picadinho no escritório, e Loquillo (Antonio Gómez, um cinegrafista cubano que transmitiu imagens da invasão dos Estados Unidos à nação ístmica para a televisão cubana) era o cozinheiro”, disse este homem que guarda lembranças indeléveis de seu tempo na PLPanamá.

A direção da agência e meus colegas (Omar) Sepúlveda, Elena (Acuña) e (Mario) Mainadé me enviaram de Havana quando minha primeira esposa morreu há mais de 30 anos.

“Naquela época Raymundo López (correspondente-chefe) me apoiou muito e estava ao meu lado, algo que aprecio e não esqueço”, expressou entusiasmado.

Mas as vivências desse homem humilde, cujo caráter hiperativo não lhe permitiu terminar o curso de jornalismo, são marcadas por sentimentos, amizade, dever e o sentido da notícia.

“Em 31 de outubro de 1989, os gringos entraram no centro de La Chorrera graças às manobras militares que estavam realizando na época em todo o país. Nesse dia fui buscar meu filho na escola e os aviões A-7 foram passando baixo pela cidade, a ponto de a torre da igreja estremecer”.

“Na entrada da cidade estavam os veículos blindados LABB-25 fabricados pelo Canadá para o Corpo de Fuzileiros Navais, que foram usados pelo Exército dos EUA durante a invasão”.

“O despacho que relata esses acontecimentos, baseado em minha narração, foi escrito por Raymundo López e guardo-o em minha casa em uma caixa emoldurada como uma relíquia”, narrou, referindo-se ao “ambiente pesado” que marcou os meses anteriores ao a incursão militar, quando os “soldados gringos” entraram em Chorrera com 13 veículos blindados e bombardearam o quartel-general da Força de Defesa com dois foguetes do avião A-37.

Durante seu trabalho na PLPanamá também pôde conhecer algumas das personalidades mais notáveis de nossa América, entre elas o poeta nacional de Cuba, Nicolás Guillén, que certa vez visitava com muita cerimônia o escritório da Prensa Latina, já que não era muito comum falar, apontou.

Lembrou que uma noite Pedro Silvio, um de seus colegas, ligou para dizer que Gabriel García Márquez estava hospedado no hotel Holiday Inn e que ele deveria ligar para cumprimentá-lo em nome da agência.

“No tempo do general Omar Torrijos, muita gente importante passou pelo Panamá, era uma colméia de gente, assim como a Prensa Latina. Todos os revolucionários da América e muitas personalidades foram recebidos aqui, incluindo Carlos Mejía Godoy (músico e cantor nicaraguense compositor), sempre com sua calça preta e camisola vermelha”, disse ele.

“Um dia até atendi uma ligação cuja interlocutora se identificou como Blanca Segovia Sandino, filha do general Augusto César Sandino”, disse Bermúdez, que quase sempre tinha a missão de atender visitantes durante seu turno de trabalho entre 13h e 21h horário local.

“Naquela etapa conheci muitos jornalistas panamenhos como Jairo Posada, que mantinha relações muito boas com a agência, e outros cubanos como Nelson Notario Castro e Luis Báez, a quem transcrevi suas entrevistas”, disse.

No entanto, um dos tesouros mais preciosos foi a chegada da mala, que continha publicações cubanas como Granma, Juventud Rebelde, Verde Olivo e Bohemia, afirmou.

“Leio quase 300 telegramas por dia, dos quais sempre aprendi uma lição”, disse Bermúdez, que citou como momento memorável o dia em que Cuba e Panamá restabeleceram relações diplomáticas, em 20 de agosto de 1974. “Naquela tarde, quando cheguei no escritório , houve um grande alvoroço”, disse ele.

UMA ESCOLA DE VIDA E JORNALISMO

“Depois de terminar o ensino médio entrei no escritório da Prensa Latina em 1974, que ficava no antigo prédio José Esteban. Lá aprendi a fazer café e a redação jornalística”, disse Bermúdez, que às vezes enviava despachos, inclusive de rádio, que foram publicados nos meios de mídia de países da região, como México e Cuba.

“Quando as empresas jornalísticas norte-americanas já estavam no satélite, ainda recebíamos e transmitíamos através de ondas de rádio, portanto, quando o tempo estava ruim, tudo era uma grande odisseia e era necessário mudar constantemente a frequência para melhorar o sinal para que os despachos chegassem aos clientes. Depois veio o cabo submarino”.

“Lembro que quando entrei no escritório original da sucursal, sempre havia um carro Volkswagen no térreo do prédio, mas graças a Deus nunca aconteceu nada conosco”.

“Depois os turnos de trabalho eram baseados em horários rotativos. Mais tarde nos mudamos para o sexto andar do edifício Bacará, localizado na Avenida Chile e Calle 41, que pertencia à administração dos cassinos nacionais, portanto, a entrada era sempre vigiada por um policial”.

“No quinto andar ficava a administração da entidade, que era presidida por Hugo Torrijos, irmão do general Omar Torrijos .

“Nós nos mudamos para este prédio porque havia muita segurança e melhores condições de trabalho. Depois nos mudamos para outro, localizado atrás do Café Durán, perto do Colégio de La Salle. Raymundo López e Mario Mainadé moravam aqui. Depois nos mudamos para a Avenida Brasil, onde Francisco Urizarri atuou como gerente do escritório”.

Bermúdez destacou ainda que o imóvel onde morava o correspondente da PL e os serviços estavam em seu nome, pois sendo panamenho, o depósito e o pagamento à companhia elétrica eram menores. Com o tempo, tudo foi acertado em nome da agência, disse.

“Não tenho dinheiro, apenas bons amigos e experiências que ninguém me tira, pois dificilmente voltarão a ter, e devo tudo isso ao fato de ter trabalhado na Prensa Latina e compartilhado com muitos colegas valiosos”, disse.

arb/npg/cm

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.