29 de June de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

China e Rússia se opõem a novas sanções contra a RPDC na ONU

China e Rússia se opõem a novas sanções contra a RPDC na ONU

Nações Unidas, 27 mai (Prensa Latina) China e Rússia se opuseram à aplicação de mais sanções contra a República Popular Democrática da Coreia (RPDC) na ONU, enquanto os países ocidentais continuam pressionando hoje para estabelecer tais medidas.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Ontem à noite, Beijing e Moscou vetaram no Conselho de Segurança da ONU um projeto de resolução apresentado pelos Estados Unidos para estabelecer medidas restritivas adicionais para a nação asiática.

De acordo com o representante da China nas Nações Unidas, Zhang Jun, sanções adicionais não ajudariam a responder à situação atual e apenas criariam mais confronto ou tensão.

As medidas punitivas adicionais complicariam as chances de avançar nas questões de desnuclearização e seriam uma punição para a população norte-coreana em um momento complicado pelo surto de Covid-19 naquele país, ressaltou.

Enquanto isso, o representante permanente da Rússia na ONU, Vasili Nebenzia, assegurou que a “linha dura” do governo dos EUA destruiu completamente o progresso positivo feito nos anos anteriores com a RPDC.

Como salientou o diplomata russo, reforçar a pressão com sanções sobre Pyongyang não é apenas inútil, mas também extremamente perigoso do ponto de vista humanitário.

Em resposta aos últimos testes de mísseis da RPDC, os Estados Unidos propuseram um dia antes do Conselho de Segurança um projeto de resolução para endurecer as sanções aos navios que desempenham um papel no programa nuclear daquele país asiático.

Além disso, o documento foi apresentado poucas horas depois que o presidente dos EUA, Joe Biden, concluiu sua viagem à Coreia do Sul e Japão para discutir questões de segurança e comércio regional com os líderes desses países.

Washington anunciou há dois meses que tentaria reforçar as sanções contra a RPDC e tentou sem sucesso convencer a China e a Rússia a fazê-lo.

As delegações chinesa e russa consideram que as sanções não são a resposta adequada e culpam os Estados Unidos pela situação atual.

Beijing e Moscou estão empenhadas em diminuir as sanções para reconhecer os gestos de reaproximação que a RPDC fez nos últimos anos, em que chegou a negociar com o governo dos EUA quando liderado por Donald Trump (2017-2021).

Embora a RPDC tenha abandonado seus testes de armas por um tempo, retomou-os devido à falta de progresso no diálogo com os Estados Unidos, que não obteve resultados concretos e agora permanece congelado.

Da mesma forma, Pyongyang qualifica sua estratégia de dissuasão nuclear como um direito à legítima defesa.

Depois de impor sanções pela primeira vez em 2006, após a RPDC realizar seu primeiro teste atômico, o Conselho de Segurança progressivamente endureceu as punições até 2017, quando aprovou o pacote mais recente.

Essas medidas incluíam limitações ao acesso a produtos petrolíferos e proibições às exportações de vários setores.

rgh/ifb/ls

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.