29 de June de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Itália e gás russo

Itália e gás russo

Roma (Prensa Latina) A crise na Ucrânia aumentou a preocupação na Itália com a dependência do gás natural importado, particularmente da Rússia, para atender a 96 por cento da demanda nacional de cerca de 76 bilhões de metros cúbicos até 2021.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Por Frank González

Correspondente da Prensa Latina na Itália

Com o início do conflito armado, a busca de alternativas ao gás russo, que representou cerca de 40% do total em 2021, ganhou impulso por parte do governo chefiado pelo Primeiro Ministro Mario Draghi, que abordou o assunto em 1º de março em discursos ao Senado e à Câmara dos Deputados.

Observando que na época não havia sinais de interrupção no fornecimento de gás, o chefe executivo referiu-se à necessidade de prever qualquer eventualidade “diante do risco de retaliação” por parte da Rússia, ou de um “endurecimento das sanções” contra o país.

Draghi disse que as opções disponíveis incluíam principalmente a compra de gás de outros fornecedores, como a Argélia ou o Azerbaijão; maior utilização de terminais de gás liquefeito; e possíveis aumentos temporários na produção termoelétrica a partir de carvão ou petróleo.

Se necessário, disse ele, seria apropriado adotar maior flexibilidade com relação ao consumo de gás, particularmente nos setores industrial e termoelétrico, e alertou que a diversificação das fontes de fornecimento de energia é um objetivo, independentemente do que aconteça com o fornecimento de gás russo.

A este respeito, ele priorizou o aumento da produção de energia renovável e enfatizou que o gás continuaria a ser um meio útil para enfrentar a transição energética.

Em seus esforços para reduzir a dependência do mercado russo, o governo italiano bateu às portas de vários países, incluindo a Argélia, com o qual concordou em acrescentar nove bilhões de metros cúbicos aos 22,6 bilhões de metros cúbicos atualmente recebidos através do gasoduto Transmed.

Os primeiros três bilhões de metros cúbicos começarão a chegar este ano, subindo para seis bilhões de metros cúbicos em 2023 e os nove bilhões de metros cúbicos acordados em 2024.

Outro acordo com o Azerbaijão irá alegadamente acrescentar cerca de dois bilhões de metros cúbicos aos 7,6 bilhões de metros cúbicos por ano que Baku envia para a Itália através do gasoduto Trans Adriático.

Enquanto isso, outros acordos incluem o fornecimento de gás liquefeito de nações como Argélia, Qatar, Angola e Congo para atingir 12,7 bilhões de metros cúbicos até a segunda metade de 2024.

DEPENDÊNCIA DE GÁS

A Itália depende do gás para atender 39% da demanda doméstica de energia, com o petróleo contribuindo com 35%, as energias renováveis com 19% e o carvão com 5%, enquanto a eletricidade importada responde por apenas 2%.

A progressiva redução da dependência dos combustíveis fósseis, incluindo o gás natural, é um dos eixos do Plano Nacional Integrado de Energia e Clima aprovado pelo governo italiano em dezembro de 2019, de acordo com as diretrizes regionais sobre o assunto.

A redução de pelo menos 55% das emissões de gases poluentes até 2030 em comparação com 1990 e a meta de carbono zero são aspectos centrais da estratégia, como parte da qual a Itália pretende cobrir até 30% de suas necessidades energéticas com fontes renováveis.

Para atingir este objetivo, 55% da geração de eletricidade, 33,9% no setor térmico e 22% no setor de transportes precisarão ser cobertos por fontes renováveis de energia. De acordo com estatísticas do Ministério de Transição Ecológica citado pelo Qualenergia.it, a Itália registrou um consumo de gás em 2021 7,2% maior que em 2020, um ano afetado pelas restrições impostas para lidar com a pandemia, e 2,4 mais que em 2019.

Outro componente do consumo energético do país é o gás liquefeito, processado em três estações de regaseificação, que contribuiu com 9,8 bilhões de metros cúbicos no mesmo período, o equivalente a 13,5% do total, em comparação com 19,2 em 2020.

FONTES TRADICIONAIS

Rússia e Argélia, com 40% e 31%, respectivamente, foram os principais fornecedores de gás natural da Itália até 2021, seguidos pelo Azerbaijão, 10%; Qatar, 9%; Líbia, 4%; Estados Unidos e Nigéria, 1% cada um; e outros cinco países, 4%, de acordo com dados oficiais.

A Rússia é também o maior fornecedor de carvão, com 52%, e o terceiro maior fornecedor de petróleo, com 12%, em um contexto no qual a nação europeia depende da importação de combustíveis fósseis para atender cerca de 75% de suas necessidades energéticas.

O gás natural importado chega à Itália através de cinco gasodutos, incluindo o Trans Austria Gas (TAG), a última seção do fluxo da Rússia para a cidade de Tarvisio na região de Friuli-Venezia Giulia, e o Transitgas, a seção suíça do fluxo do norte da Europa.

Além disso, o Trans Adriático (TAP), que vai da fronteira greco-turca até Melendugno na região da Apúlia, o Greenstream da Líbia até a cidade siciliana de Gela e o Transmed da Argélia via Tunísia até Mazara del Vallo na Sicília.

Do ponto de vista econômico e ambiental, o gás russo foi, e ainda é, uma boa opção para a Itália e a Europa em geral, onde o fornecimento representou cerca de 45% do total das importações em 2021, de acordo com várias fontes.

Entretanto, os interesses geopolíticos parecem ser suficientes para que os países da região explorem outros horizontes, como a Itália, cujo Ministro de Transição Ecológica, Roberto Cingolani, assegurou, em entrevista ao jornal La Repubblica, que no segundo semestre de 2024 “poderemos fazer sem importar gás russo”.

arb/fgg/bm

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.