29 de June de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

A vida eterna de José Martí

A vida eterna de José Martí

Havana, 18 mai (Prensa Latina) A inesperada morte em combate de José Martí (1853-1895) ocorreu de frente para o sol como dizia em seus versos, com a alma preparada para a eternidade, feliz por aquelas semanas em solo cubano.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Martha Denis Valle

Historiadora, jornalista e colaboradora da Prensa Latina

Em 1871 declarou-se convicto: “Quando se morre nos braços da pátria agradecida, a morte acaba, a prisão se rompe; enfim, com a morte, começa a vida!”

Deportado na Espanha, Martí publicou em Madri em 1872 sua homenagem poética a “Meus irmãos mortos em 27 de novembro”, com seus sinceros pensamentos.

Sua chegada à pátria, ele anotou alegremente em seu diário de campanha, como se fosse um poema:

“A lua aparece, vermelha, sob uma nuvem. Chegamos a uma praia de calhau, La Playita (ao pé do Cajobabo). Fico no barco o último esvaziando-o. Salto. Felicidade grande. Viramos o barco e o jarro de água. Bebemos Málaga. Acima por pedras, espinhos e lamaçais. Ouvimos barulho e nos preparamos, perto de uma talanquera. Evitando o lugar, chegamos a uma casa. Dormíamos perto, no solo.

Morreu aos 42 anos, em 19 de maio de 1895, no combate de Dos Ríos, Oriente, menos de dois meses após seu retorno.

Era meio-dia de 19 de maio de 1895, no acampamento de Vuelta Grande, quando o general em chefe do Exército libertador Máximo Gómez y Martí se encontrou com o major-general Bartolomé Masó e, à uma da tarde, os três falaram com a tropa de mais de 300 cavaleiros.

Duas horas depois, escreveu Gómez em seu Diário de Campanha, lutamos desesperadamente a uma légua do acampamento, em Dos Ríos, com uma coluna.

Quando estávamos prestes a enfrentar o inimigo, mandei que Martí ficasse para trás; mas ele não quis obedecer à minha ordem e, não podendo fazer outra coisa senão marchar para arrastar o povo, não pude mais cuidar dele.

O jovem Ángel de la Guardia Bello, que cavalgava ao seu lado, narrou que “… na frente estavam o general Gómez e Francisco Borrero, atrás de nós em uma fila de quatro ao fundo: meu irmão Dominador, general Masó, Martí e eu … ”

“Assim trotamos pouco mais de meia légua, mas quando o cavalo de Martí e o meu desviaram de um buraco, nós dois nos separamos da formação do corpo principal da força em uma linha diagonal… A 50 metros de distância, apresentamos, sem saber, um alvo magnífico, os espanhóis nos surpreendendo com uma descarga fechada vinda do maniguazo, que atingiu o corpo de Martí, e meu cavalo recebeu três golpes, caindo moribundo em cima de mim”.

Uma dor infinita sentiu o generalíssimo porque lhe era impossível recolher o corpo devido à superioridade numérica e tática dos espanhóis.

Martí recebeu três feridas: na mandíbula, no peito e na coxa. Inicialmente conduzido e sepultado em Remanganaguas, foi identificado e levado para Santiago de Cuba onde, depois de exposto, foi sepultado em 27 de maio de 1895, no cemitério de Santa Ifigênia (nicho número 134 da galeria sul).

Meio século depois, em resposta à demanda popular por um túmulo digno para Martí, foi aprovada uma lei e foi convocado um concurso nacional ao qual foram submetidos vários projetos.

Desde 30 de junho de 1951, seus restos mortais cobertos pela bandeira cubana estão no mausoléu projetado pelo escultor Mario Santí e pelo arquiteto Jaime Benavent.

LEGADO MARTIANO

Entre os papéis que deixou no campo figura a carta inacabada a seu amigo mexicano Manuel Mercado, seu testamento político, no qual revela diretamente seu propósito de impedir a tempo, com a independência de Cuba, a expansão dos Estados Unidos através da Antilhas e que cairia com essa força mais em nossas terras da América.

Tudo o que fiz até hoje e farei é para isso, “para evitar que Cuba abra o caminho que deve ser bloqueado, e com nosso sangue estamos bloqueando, a anexação dos povos de nossa América, o Norte revoltado e brutal que os despreza”.

Antes de sair de Montecristi, despediu-se da mãe e do filho:

Minha mãe:

Hoje, 25 de março, na véspera de uma longa viagem, estou pensando em você, estou constantemente pensando em você, você está ferida, na raiva do seu amor, no sacrifício da minha vida; e por que eu nasci de você com uma vida que ama o sacrifício? Palavras, não posso. O dever de um homem é onde é mais útil. Mas sempre comigo, na minha crescente e necessária agonia, a memória de minha mãe.

Tenho motivos para ir mais feliz e mais seguro do que você pode imaginar. A verdade e a ternura não são inúteis. Não sofra. José Martí.

Filho: Hoje à noite vou para Cuba: vou embora sem você, quando você deveria estar ao meu lado. Quando eu saio, penso em você. Se eu desaparecer no caminho, você receberá com esta carta o chaveiro que seu pai usou em vida. Adeus. Seja justo. Seu José Martí (1 de abril de 1895)

Em carta a Gonzalo de Quesada, em 1º de abril de 1895, ele diz: Se eu não voltar, e você insistir em juntar meus papéis, faça-me os volumes como pensávamos: I-Norte-americanos. II. -Norte americanos. III. – Hispano-americanos. IV. -Cenas americanas. V.-Livros sobre a América. VI -Letras, Educação e Pintura.

“Sobre Cuba, o que não escrevi? E nenhuma página me parece digna: só o que vamos fazer me parece digno. Mas também não encontrará uma palavra sem uma ideia pura e a mesma ansiedade e desejo de bem. Em um grupo você pode colocar os homens: e em outro, aqueles discursos tentativos e relativos dos primeiros anos de construção, que só são válidos se você os acertar na realidade e ver com que sacrifício de literatura eles se ajustaram a ela. Você já sabe que servir é a minha melhor forma de falar”.

Tão jovem quanto seu pai quando se consagrou a Cuba, José Francisco (1878-1945), o amado Ismaelillo de Martí, ao saber de sua morte, abandonou seus estudos em Havana e viajou para os Estados Unidos com a decisão de seguir em seus passos.

De lá conseguiu retornar, aos 18 anos, em uma expedição mambisa que desembarcou em Banes, Oriente, em 21 de março de 1897; ele fez campanha com Baconao, o cavalo presente do general José Maceo que Martí montou quando morreu.

Ele teve uma atuação corajosa na tomada de Las Tunas, onde assumiu o comando de um canhão quando seu artilheiro, o capitão Juan Miguel Portuondo, morreu; lutou em Guisa e em outras batalhas e no cerco de Santiago de Cuba; Foi promovido a tenente em 30 de agosto de 1897 e a capitão em 15 de julho de 1898.

rmh /mdv/cm

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.