15 de August de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Tereré e poncho de 60 linhas, saberes tradicionais paraguaios

Tereré e poncho de 60 linhas, saberes tradicionais paraguaios

Assunção, 15 mai (Prensa Latina) Os paraguaios mantêm vivos os saberes e costumes tradicionais, como provar o tereré, bebida refrescante em alta demanda a qualquer hora do dia, ou vestir um poncho de 60 linhas, tecido no estilo dos ancestrais.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Por Lourdes Perez Navarro

Jornalista da Redação Sul Americana da Prensa Latina

Ideal para consumir tanto no verão quanto no inverno, o tereré tem suas raízes na América pré-colombiana e os historiadores tendem a considerar essa palavra de origem guarani, e é onomatopeica por estar relacionada ao som dos três últimos goles que são feitos na sucção do líquido.

É tradicionalmente preparado em uma jarra ou garrafa térmica, onde se mistura água fria com pohã ñana -erva medicinal, em guarani- previamente triturada em um almofariz.

Em seguida, essa mistura é servida em um recipiente no qual o mate foi previamente introduzido e é absorvido com uma bombilla de cana ou metal, processo realizado de acordo com um ritual íntimo regido por uma série de códigos pré-estabelecidos.

Por exemplo, em uma família o pai quase nunca prepara o tereré; geralmente o filho mais novo ou a mãe é solicitado a fazê-lo, de quem ele aprende o conhecimento e as habilidades necessárias para fazê-lo. O mais novo é sempre aquele que serve os mais velhos.

Em grupo, o mate deve correr sempre da direita para a esquerda, de forma equitativa e quando alguém já não quer ser servido na rodada, basta dizer: “obrigado”.

O primeiro gole é para São Tomás, padroeiro da erva-mate. Para isso, é preciso preparar o primeiro tereré com água quase até a borda da guampa e esperar alguns minutos, até que a erva seca absorva quase todo o líquido, umedecendo-se, e assim se interpreta que o venerável já batizou a bebida.

Na opinião dos nutricionistas, cada erva pohã ñana traz benefícios à saúde relacionados à sabedoria popular, passada de geração em geração, e também vem de diversos cantos do país.

Entre as ervas mais conhecidas estão o taropé, a perdudilla, hinojo, ajenjo, cedrón, menta, zarzaparrilla, cola de caballo, currito, agrial, batatilla, escobilla, verbena, açafrão, gengibre e a Folha de limão.

Existe uma variante do tereré de suco, uma infusão que combina ervas medicinais com bebidas de frutas, de preferência cítricas, e é muito popular no sul do Paraguai e grande parte da Argentina e do Brasil.

O tereré faz parte da vida e da idiossincrasia dos paraguaios que, segundo estimativas, consomem cerca de seis quilos por pessoa por ano. Promove a coesão social, uma vez que o contexto espacial e temporal da partilha desta bebida fomenta a inclusão, a amizade, o diálogo, o respeito e a solidariedade.

Esse costume está tão arraigado na nação sul-americana que a Lei 4.261 de 2011 declarou o tereré Patrimônio Cultural e Bebida Nacional do Paraguai e instituiu o último sábado de fevereiro de cada ano como seu Dia Nacional, com o objetivo de proteger e fortalecer a identidade.

Em todo o país celebram este dia com uma festa, espetáculos de mestres artesãos, feiras, concursos de pintura, danças e atividades folclóricas, entre outros.

Além disso, em dezembro de 2020, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) nomeou Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade as “Práticas e Saberes Tradicionais do Tereré na Cultura de Pohã Ñana, bebida ancestral Guarani no Paraguai”.

OBRA TÊXTIL DE GRANDE BELEZA E COMPLEXIDADE

As autoridades paraguaias oficializaram, no dia 18 de abril, a candidatura da técnica do poncho de 60 linhas como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade perante a UNESCO.

A Embaixadora Nancy Ovelar de Gorostiaga, delegada permanente do Paraguai junto à UNESCO, fez a entrega oficial da candidatura. A apresentação aconteceu na sede da entidade durante encontro com o diretor e secretário da convenção para a salvaguarda do patrimônio cultural imaterial, Tim Curtis.

A proposta, por iniciativa do Instituto Paraguaio de Artesanato e da Secretaria Nacional de Cultura, entre outras instituições, visa promover esse trabalho artesanal em seu reconhecimento nacional e internacional.

Esta obra têxtil de grande beleza e complexidade criativa enfatiza a importância do papel da mulher paraguaia como pilar fundamental na preservação dos componentes da cultura, já que historicamente ela se encarrega de sua transmissão oral e prática às gerações seguintes.

No Paraguai dezenas de famílias se dedicam a tecer este tradicional poncho paraguaio, principalmente na cidade de Piribebuy, localizada a 73 quilômetros de Assunção.

Recebeu seu nome em memória dos 60 soldados que durante a Guerra contra a Tríplice Aliança (1864-1870) foram mortos e enterrados em uma vala comum com ponchos pretos e brancos em Piribebuy.

A Escola Salvaguarda está localizada nesta cidade, onde uma dezena de artesãs faz ponchos usando técnicas ancestrais herdadas de mães para filhas, que ainda hoje são procuradas na América do Sul. arb/lpn/hb

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.