27 de May de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Colón, a velha saga de uma província panamenha abandonada (+ Fotos)

Panamá, Colón, saga, provincia, abandonada

Colón, a velha saga de uma província panamenha abandonada (+ Fotos)

Cidade do Panamá (Prensa Latina) O histórico abandono do governo panamenho da província oriental de Colón e seus alarmantes indicadores de desigualdade contrastam com as contribuições do território para a economia nacional, dizem os líderes sociais.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Por Mario Hubert Garrido

Correspondente da Prensa Latina no Panamá

“Todos os governos prometem coisas e não cumprem, e aí fica complicado, porque há oportunismo por parte dos atores políticos e eles aproveitam a situação social e começa o caos”, disse Diógenes Galván, líder comunitário e ex-candidato independente para prefeito de Colombo em 2019.

Outros como Edgardo Voitier, da Coalizão Unidos por Colombo (CUCO), afirmaram que a situação atual os levou a voltar às ruas em greve geral, agora por tempo indeterminado, depois de realizar uma reunião em 12 de maio com o presidente da República, Laurentino Cortizo, mas sem as respostas concretas esperadas.

Como lidar com o alto custo de vida, a disparada dos preços dos combustíveis e um terminal de transporte que nunca chega não recebeu nenhuma reação do governo, disse Voitier.

Para Orlando García, outro líder do setor de transportes, o encontro com o presidente da escola Abel Bravo foi “uma zombaria”, já que não foram dadas respostas às questões mais importantes da lista de demandas.

O presidente prometeu aos dirigentes do CUCO e da Frente Ampla Colonense que atenderá às solicitações feitas e os convidou para uma nova reunião na próxima semana, sem definir onde.

Referiu que dentro de 15 dias será dada a ordem de proceder ao reinício da construção do novo hospital Manuel Amador Guerrero, uma das principais reivindicações dos colonos.

Além disso, prometeu estender o programa de 1.700 empregos por meio da Diretoria de Assistência Social e implantar o programa Aprender Fazendo, em conjunto com a Câmara de Comércio, a Associação de Usuários da Zona Franca de Colón e os portos de contêineres.

Cortizo informou sobre o andamento de alguns projetos como Recuperando mi Barrio, a construção e melhorias de arenas esportivas. Sobre este último ponto, o diretor do Pandeportes, Héctor Brands, anunciou que estão sendo investidos 56 milhões de dólares no estádio Mariano Bula, cuja obra deve estar concluída até o final de 2023.

Também abordaram questões como abastecimento de água, educação, terminal de ônibus e regulação do preço do combustível, mas sem respostas concretas.

Após dias de fechamento de avenidas, manifestações e confrontos violentos entre a população de Colón e a Polícia, a expectativa se concentrava na visita do presidente e na resposta que ele daria aos antigos compromissos assumidos em 2021.

Por outro lado, várias organizações sindicais do Panamá condenaram as políticas neoliberais do governo na capital e expressaram sua solidariedade com a causa dos colonos.

Durante uma grande manifestação perto da Universidade do Panamá, o coordenador da Frente Nacional de Defesa dos Direitos Econômicos e Sociais (Frenadeso), Jorge Guzmán, disse à Prensa Latina que esta é apenas a primeira manifestação do povo honesto e trabalhador. que sofre as consequências da gestão corrupta da economia.

PROMESSAS PARA 2021

Em 5 de novembro de 2021, uma revolta social semelhante também fez Cortizo viajar para Colón e se comprometer com o desenvolvimento da província.

“Sinto-me obrigado, como poucos, a cumprir com o povo de Colón, para garantir que durante o nosso governo sejam realizadas e concluídas obras que tenham um impacto transcendental na vida da província”, afirmou então.

Entre a lista de promessas constava a reconstrução da histórica casa Wilcox e a ordem de proceder à restauração da escola Abel Bravo, onde seria construído um “centro cultural integral”, projetos no valor de 27,2 milhões de dólares.

Ele anunciou o reinício da construção do hospital Manuel Amador Guerrero (US$ 174 milhões) e do estádio de beisebol Roberto Mariano Bula (US$ 18,6 milhões). No entanto, de acordo com os líderes comunitários, as obras estão caminhando lentamente, e muitas delas estão atoladas em disputas judiciais e problemas orçamentários.

Enquanto isso, na província o desemprego está aumentando dia a dia, agora oscila entre 20 e 30% e a população se sente sufocada pelo alto custo do combustível e seu impacto na cesta básica e outros bens, conforme explicou à Prensa Latina Felipe Cabeza, vice-coordenador da Frente Ampla Colonense (FAC).

 colon-la-vieja-saga-de-una-provincia-panamena-abandonada

Por outro lado, a reativação económica, segundo a Câmara de Comércio daquela província, não decola e a prova é que 28% dos negócios fecharam após a pandemia de Covid-19.

PROTESTOS NAS RUAS

Por quase uma semana, Colón foi palco de fechamentos de ruas, passeatas, comércios como fechado e também atos de vandalismo em contêineres da Ferrovia que obrigou a encerrar suas operações.

As escolas suspenderam as aulas e houve grandes perdas econômicas na província, que abriga três grandes portos e é a segunda maior zona franca do mundo depois de Hong Kong.

Para muitos colonenses, o governo cria o que eles chamam de mesas de negociação, chovem os compromissos que depois não cumprem e é por isso que essas manifestações acontecem.

Cabeza indicou que a lista de demandas inclui a conclusão de um terminal de transporte e melhorias na infraestrutura educacional e habitacional, além de trechos rodoviários. Também exigimos a redução dos altos preços dos combustíveis e alimentos básicos, e abordamos as altas taxas de desemprego com novos projetos, disse ele.

A greve geral começou na última segunda-feira, 9 de maio, e durante os três primeiros dias, Colón foi palco de bloqueios de estradas e confrontos violentos entre manifestantes e unidades da Polícia Nacional, com saldo de feridos, alguns deles graves, e dezenas de prisões.

 colon-la-vieja-saga-de-una-provincia-panamena-abandonada

Da mesma forma, houve atos de vandalismo que líderes de Colon como Voitier rejeitaram e afirmaram estar longe do espírito de protesto genuíno.

PARTIDOS POLÍTICOS EM CAMPANHA

Para Guzmán, da Frenadeso, algo mais perigoso é a infiltração nos protestos de alguns deputados como Jairo Salazar, do governista Partido Revolucionário Democrático (PRD), em sua campanha eleitoral antes do IX Congresso Ordinário, em 15 de maio.

O líder social comentou à Prensa Latina que os responsáveis pela deterioração de Colón agora se posicionam como líderes das manifestações, mas incitam a violência, nada mais alheio ao espírito justo das reivindicações sociais.

Os protestos são comandados por vários grupos. De um lado está CUCO, cujo chefe é Voitier, homem que durante anos promoveu marchas em reivindicações sociais. A eles se juntaram associações profissionais, educadores, aposentados e desempregados, entre outros.

Mas também a fração chefiada pelo deputado Salazar, da bancada do PRD na Assembleia Nacional (parlamento), que foi visto a incitar a atirar cocktails Molotov e outros elementos para se defender da “repressão” da Polícia Nacional. Para o advogado criminalista Rosendo Rivera, o papel desempenhado pelo deputado em meio a esses acontecimentos poderia se constituir “em defesa do crime e da sedição”, e lembrou que incitou a violência em meio aos duros confrontos.

O componente político também pode estar gravitando nas revoltas de Colombo, acrescentou o advogado em declarações ao jornal La Prensa.

Sobre o assunto, o presidente da Câmara de Comércio, Indústrias e Agricultura de Colón, Michael Chen, lembrou que em 15 de maio haverá eleições para um grande partido político (PRD) e infelizmente eles usam essas causas para deixar bem claros seus objetivos.

IMPACTO ECONÔMICO

Os dias de protesto na cidade caribenha marcam a atividade econômica do país. Segundo empresários como Chen, a situação atual está minando a confiança do sistema logístico, da indústria do turismo e do comércio, e eles enfrentam perdas milionárias.

O fechamento de ruas e avenidas causou a paralisação dos três portos daquele setor, a ferrovia e a Zona Franca de Colón (ZLC).

Só na ZLC, calcula-se a perda entre 10 e 20 milhões de dólares em receitas por cada dia de encerramento, que não foi contabilizado devido à suspensão das operações, sem somar as cargas e contentores que não puderam ser movimentados pela ferrovia.

O comércio colonense também foi afetado no centro da cidade, pois para evitar atos de vandalismo e saques, os comerciantes começaram a blindar suas vitrines e os clientes não vinham por medo de serem pegos no meio das brigas.

Opinião semelhante é de Thomas Kenna, presidente da Panama Canal Railway, que opera a ferrovia de carga e passageiros e foi forçada a suspender as operações desde 10 de maio passado.

Diferentes associações empresariais, como a Câmara Marítima do Panamá e o Conselho Empresarial de Logística, pediram ao governo que encontre mecanismos para evitar esses fechamentos, que têm sérias consequências para o país como centro logístico e de transbordo de cargas da região.

A província de Colón contribui significativamente com o Produto Interno Bruto panamenho, pois além das operações da vertente atlântica do canal interoceânico, possui três portos, a segunda maior zona franca do mundo e a maior mina de cobre a céu aberto no Panamá, mas a América Central apresenta indicadores preocupantes de desemprego e pobreza.

arb/ga/ml

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.