27 de May de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

China pede para ver objetivamente sua política zero Covid-19

China, Covid-19, política, cero, caso

China pede para ver objetivamente sua política zero Covid-19

Beijing, 11 de mai (Prensa Latona) A China exortou hoje a comunidade internacional a ter uma visão objetiva e racional de sua estratégia de tolerância zero contra a Covid-19, em vez de fazer comentários irresponsáveis sobre ela.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Zhao Lijian, porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, defendeu em conferência de imprensa a implementação desta política, assegurando que não visa a ausência de infeções, mas sim controlar as fontes contagiosas o mais rapidamente possível e ao menor custo social.

Sublinhou que o objetivo é “proteger a vida e a saúde das pessoas, bem como manter a ordem da vida na sua máxima extensão”.

A China, acrescentou, espera que se saiba mais sobre os fatos e que não sejam feitos mais comentários irresponsáveis sobre o assunto.

Zhao respondeu assim às recentes declarações do diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, que considerou a estratégia anti-Covid-19 do gigante asiático “insustentável”.

Segundo o chefe da agência internacional, ele discutiu com especialistas chineses a necessidade de mudar o foco de sua política de saúde diante do amplo conhecimento sobre como o coronavírus SARS-CoV-2 se comporta, evolui e pode ser tratado, o que causa a doença patológica.

Enquanto isso, Mike Ryan, diretor de Emergências da OMS, exortou todos os países a garantir um equilíbrio nas medidas de controle, o impacto na sociedade e na economia e o respeito aos direitos humanos e individuais.

A estratégia chinesa envolve a aplicação massiva de testes de PCR, confinamentos em comunidades e até cidades inteiras e quarentenas centralizadas diante do surgimento de casos de Covid-19.

Um estudo publicado há algumas horas na revista Nature Medicine indicava que, se essa abordagem for abandonada e optar por viver com o coronavírus, a nação oriental poderá enfrentar 1,55 milhão de mortes pela doença e a demanda máxima em terapia intensiva seria de 15. 6 vezes maior do que a capacidade existente

De acordo com essa pesquisa, o nível atual de imunidade na China é insuficiente para evitar um surto causado pela variante ômícron do SARS-CoV-2.

Ele também pediu a priorização do acesso de pessoas vulneráveis a vacinas e terapias antivirais, bem como a manutenção da implementação de intervenções não farmacêuticas para evitar sobrecarregar o sistema de saúde.

Em geral, a China acumulou 15.493 mortes e 1.487.000 casos confirmados em seu continente, Hong Kong, Macau e Taiwan desde o surgimento da patologia e do coronavírus que a causa em dezembro de 2019.

Além disso, possui 79.926 pacientes assintomáticos em observação médica.

mem/ymr / fav

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.