19 de May de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Cuba: Morte heróica de Guiteras, revolucionário e anti-imperialista

Cuba, Antonio Guiteras, asesinato, aniversario

Cuba: Morte heróica de Guiteras, revolucionário e anti-imperialista

Havana (Prensa Latina) Com a morte violenta do jovem líder revolucionário Antonio Guiteras Holmes em 8 de maio de 1935 em Morrillo, Matanzas, a história cubana registra um dos acontecimentos mais repudiados da primeira ditadura de Fulgencio Batista.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Por Marta Denis Valle

Historiador, jornalista e colaborador da Prensa Latina

Antonio Guiteras Holmes (1906-1935) foi uma das personalidades extraordinárias nos acontecimentos políticos latino-americanos do século XX e, curiosamente, foi o primeiro a intervir numa empresa estadunidense em Cuba.

Descendente de uma notável família patrícia de Matanzas, embora natural da Filadélfia, Estados Unidos, Guiteras revelou-se tão ou mais cubano do que os membros de sua geração e desde muito jovem se manifestou contra a situação neocolonial da República Cubana e a Emenda Platt.

Filho do cubano Calixto Guiteras Gener e da estadunidense Marie Theresse Holmes Walsh, Guiteras nasceu em 22 de novembro de 1906 na 23 Douland Terrace Street, em Bala Cynwyd, subúrbio da Filadélfia, Estados Unidos.

Levava o nome de seu avô paterno, membro da trilogia dos irmãos Guiteras Font (Antonio, Eusébio e Pedro José), patriotas e educadores exemplares do famoso Colégio La Empresa de Matanzas, que tiveram que deixar o país perseguido pelo colonialismo pelas autoridades quando da explosão da Revolução de 1868.

Como se tivesse nascido naquela época, Tony Guiteras começou sua vida cubana aos sete anos de idade, em 1913, quando seu pai voltou definitivamente a Cuba para se estabelecer primeiro em Matanzas e depois em Pinar del Río.

Em poucos meses em seus relacionamentos com parentes e vizinhos, aprendeu a falar espanhol corretamente, sem sotaque como qualquer compatriota.

Teve como heróis um irmão de seu pai, o jovem lutador da independência José Ramón Guiteras Gener (1853-1870), baleado pelos espanhóis, e o lutador irlandês John Walsh, irmão de sua avó materna.

A primeira coisa que fez quando criança em Cuba foi sentir-se cubano como a Fonte Guiteras e depois ser o revolucionário mais radical da geração de 30.

OS JOVENS GUITERAS

Guiado pelos pais, adquiriu uma bagagem cultural acima da média (amava poesia, música, artes, esportes e pesquisa); ele também era fluente em quatro idiomas (inglês, francês, italiano e espanhol) e se destacava em matemática, física e química. Bacharel em Ciências e Letras, Agrimensor e Avaliador de Terras aos 17 anos, foi Doutor em Farmácia aos 21 e, embora sonhasse em ser escritor ou cadete militar, dedicou-se às lutas políticas e sociais.

Muito jovem, Guiteras participou das lutas estudantis, desde o ensino médio, admirava Julio Antonio Mella e apoiava o movimento pela reforma universitária.

Durante seus estudos na Universidade de Havana (22 de setembro de 1924-25 de agosto de 1927) combateu a corrupção do governo de Alfredo Zayas (1921-1925) e a política repressiva de Gerardo Machado (1925-1933).

Em 1927 integrou o Diretório Estudante Universitário, como delegado da Escola de Farmácia, e organizou delegações em Pinar del Río contra a extensão de poderes de Machado.

Depois de formado, seu trabalho como vendedor de farmácia em todo o país facilitou a realização de várias atividades conspiratórias e ações revolucionárias anteriores à sua participação no levante de agosto de 1931, em Oriente, após o qual ficou preso até dezembro de aquele ano.

A partir de então, dedicou-se à unificação dos grupos orientais independentes em uma única organização, a União Revolucionária, que fundou em meados de 1932 com o objetivo de uma insurreição geral.

Suas forças atacaram e tomaram a cidade de San Luis em 29 de abril de 1933, e realizaram outras ações até a queda de Machado.

TRABALHO RECORDADO

Tony Guiteras constituiu a alma do chamado Governo dos Cem Dias ao dedicar todos os seus esforços para conferir um caráter progressista e revolucionário a essa gestão governamental, após a queda da ditadura de Gerardo Machado.

Com um histórico de ações armadas na região leste, foi chamado a participar dessa equipe heterogênea após o fracasso da mediação intervencionista dos Estados Unidos após a queda da ditadura machadiana.

Teve atuação fundamental neste gabinete (10 de setembro de 1933 a 15 de janeiro de 1934), jamais reconhecido por Washington e derrubado por um golpe contrarrevolucionário.

Exerceu a pasta do Interior, Guerra e Marinha e, temporariamente, das Obras Públicas e Comunicações.

Dentro deste governo provisório houve lutas constantes entre a facção de direita e conservadora, a facção nacional reformista e o grupo revolucionário de Guiteras.

Promoveu e ditou leis de interesse de amplos setores que até saíram apenas com sua assinatura, contra a vontade do presidente Ramón Grau San Martín e do chefe do Exército Fulgencio Batista.

Ordenou a redução dos preços das necessidades básicas e da eletricidade; a jornada de oito horas e um salário-mínimo; a proibição de pagamento de salários, vencimentos e ordenados por fichas ou vales, e o reconhecimento do direito e dever de sindicalização.

Também a criação da secretaria do trabalho e de um sistema de seguros e aposentadorias.

Outras medidas foram a dissolução dos partidos políticos ligados ao ditador, o confisco das propriedades de Machado e seus colaboradores, o expurgo de órgãos estatais e a criação de juizados especiais para julgar os crimes cometidos pelos machadistas.

A autonomia universitária e a distribuição da terra e os projetos de colonização favoreceram estudantes e camponeses, respectivamente. Ganhou o ódio de seus inimigos devido à intervenção de entidades norte-americanas como a chamada Companhia Cubana de Eletricidade, junto com as usinas de açúcar Delicias e Chaparra.

A intervenção de entidades norte-americanas constituiu uma das medidas mais importantes.

Guiteras teve a coragem de expulsar o embaixador dos Estados Unidos Benjamin Summer Welles de seu escritório na fortaleza militar de Columbia, quando tentou oferecer a Batista o desembarque de fuzileiros navais para proteger os contra-revolucionários detidos.

TRAIÇÃO E ASSASSINATO

Em 8 de maio de 1935, foi assassinado pelas forças repressivas de Fulgencio Batista em Morrillo, Matanzas, quando se preparava para se mudar para o México e retornar a Cuba com uma expedição para iniciar a luta armada na então província de Oriente.

Ao seu lado caiu o revolucionário venezuelano Carlos Aponte Hernández (1900-1935), coronel das forças do patriota nicaraguense Augusto César Sandino.

Após o triunfo da contrarrevolução, em janeiro de 1934, Guiteras e seus partidários criaram o Bloco Septembrista, o grupo insurrecional TNT e a organização Cuba Jovem para preparar uma insurreição popular contra a ditadura de Batista.

“Um breve estudo da situação político-econômica em Cuba nos levou a concluir que um movimento que não fosse anti-imperialista em Cuba não era uma revolução”, afirmou em seu artigo Septembrismo, publicado na revista Bohemia em 1º de abril. de 1934.

Os objetivos e tarefas de uma revolução de libertação nacional, agrária e democrática, de caráter anti-imperialista, foram expressos no programa Cuba Jovem, cuja realização na primeira etapa daria lugar a uma fase superior.

Guiteras foi traído pelo capitão Carmelo González Arias, chefe da terceira companhia de fuzileiros navais, estacionado em Peñas Altas, Matanzas, que anteriormente comunicou o plano de saída ao exército e à marinha, fingindo proteger o local onde os revolucionários seriam apanhados pelos iate Amália.

Sua luz brilha em todos os lugares que levam seu nome completo ou sobrenome, seja uma escola, uma termelétrica, uma usina de açúcar (as antigas Delicias) ou um bairro da capital.

O Monumento Nacional e Museu Memorial Morrillo, a poucos metros da foz do Rio Canímar, abriu as suas portas em 8 de maio de 1975, após a restauração do antigo forte construído em 1720.

Da mesma forma, sua presença também está na memória da Centúria Guiteras de internacionalistas cubanos que lutaram em defesa da República Espanhola e de uma coluna guerrilheira do Exército Rebelde (1958).

arb/MDV/ls

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.