25 de May de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Cecilia Valdés e suas múltiplas interpretações da arte em Cuba

Cecilia Valdés e suas múltiplas interpretações da arte em Cuba

Por Danay Galletti Hernandez
Havana, 30 abr (Prensa Latina) Clássicos da literatura cubana como Cecilia Valdés ou Loma del Ángel, romance romântico e costumbrista do escritor Cirilo Villaverde, hoje admitem muitas interpretações de várias formas de arte.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Exclusivamente para a Prensa Latina, o vencedor do Prêmio Nacional de Literatura de 2003, Reynaldo González, catalogou a obra como a grande obra do século XIX da nação caribenha, a maior conquista da época em prosa e um tema essencial na cultura crioula.

“O romance de Villaverde permitiu a contribuição de uma interpretação sobre a crueldade da escravidão e o desconforto e impossibilidade do amor romântico. É transcendente, embora seja um fenômeno já superado. É daí que vêm nossas origens”, disse.

O também Prêmio Nacional de Jornalismo Cultural 2007 mencionou seu ensaio histórico Contradanzas y latigazos, publicado em 1983, no qual não refletia o amor de um casal, mas um contexto cruel, e recomendou a investigação crítica realizada junto com Cira Romero sobre Cecilia Valdés.

“Trabalhamos nele com uma paixão literária que reconstruiu o século XIX com uma glosa, numerosas notas de rodapé e rigorosamente documentadas. É uma ode ao próprio livro e também ao triste passado de Cuba, anterior ao início das guerras de independência, ” disse o autor das histórias Mel em flocos.

O criador do romance Siempre la muerte, su paso breve, reconheceu como o período colonial foi marcado pela ingratidão e pela dor, desencadeando a inquestionável necessidade das lutas pela liberdade e autonomia da metrópole espanhola, desde meados do século XIX.

Cecilia Valdés ou Loma del Ángel, interessada por cinema, balé e música, expressou a criadora da história testemunhal A Festa do Tubarão, e provoca análises contínuas por sua forma de contar, não só pelas emoções, mas também pela inteligência.

Na narração de Villaverde aparecem personagens reais da época, integrantes do tecido social e da anedota, e simbolizam a sabedoria e a idiossincrasia, na opinião do criador de outros títulos como Lezama Lima, a ingênua culpada; A mulher impenetrável e o choro é um prazer.

“A história não é uma história simples e simples. Se retirarmos sua complexidade ela não transcende, deve ser tratada com meticulosidade e raciocínio. Meus ensaios partem de uma investigação profunda que não me permite dar muito espaço à imaginação, o protagonista são os dados”, disse ele.

Cuba é presença regular na obra de González, exercício de reafirmação entre autor e leitor, retrato do pulso da vida e revisão da memória coletiva: “fomos a noiva ingrata da Espanha e a noiva impossível dos Estados Unidos”, concluiu o escritor.

car/dgh/ml

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.