26 de May de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Bienal de Havana conclui após unir estética da cultura universal

Bienal de Havana conclui após unir estética da cultura universal

Havana, 30 abr (Prensa Latina) A 14ª Bienal de Havana encerra hoje seu último ciclo, depois de reunir aqui durante cinco meses as mais diversas estéticas da cultura universal para promover o desenvolvimento das expressões visuais.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

O mais importante evento de artes contemporâneas da ilha decorreu a partir de 12 de novembro de 2021 sob o lema Futuro e Contemporâneo e com a participação de mais de 300 artistas de todos os continentes.

O evento ocorreu apesar das campanhas midiáticas orquestradas para boicotar sua celebração, que mobilizou a comunidade internacional e reuniu mais de mil assinaturas de artistas e intelectuais de 45 países na declaração Sim à Bienal de Havana.

O texto tornou-se uma resposta contundente de artistas plásticos, galeristas, escritores, pensadores e cientistas políticos de todo o mundo que aspiravam a se reencontrar na capital cubana após o isolamento social imposto pela Covid-19.

Podemos assegurar que a decisão de celebrar a Bienal atendeu aos anseios de criadores e amigos, ao imperativo de estabilizar sua periodicidade semestral e à vocação universalista e de cultura aberta que caracteriza a ilha, disse seu diretor Nelson Ramirez de Arellano.

Ramirez de Arellano insistiu que o evento está longe de qualquer atitude colonial, violência e injustiça em qualquer parte do mundo e argumentou que o pedido de seu cancelamento obscurece o desejo legítimo daqueles que buscam socializar suas obras e debater.

Após a primeira experiência, intitulada Preâmbulo, os organizadores destacaram seu poder de convocação que conseguiu reunir personalidades de diversas áreas de pensamento e conhecimento em escala internacional.

A presidente do Conselho Nacional de Artes Plásticas, Norma Rodríguez Derivet, confirmou que, embora as condições obriguem a ser realizado em grande parte virtualmente, tornou-se um evento valioso e de grande alcance.

A exposição coletiva Caminhos que não levam a Roma Colonialidade, descolonização e contemporaneidade”, no Centro de Arte Contemporânea Wilfredo Lam, explorou aspectos que se expandiram para novas concepções associadas, sobretudo, às relações de poder.

O segundo ciclo de Havana da Bienal privilegiou a criação artística criada por artistas novos e consagrados do país em exposições como De Volta à Terra, Imaginários Visuais Femininos, Dissonâncias, Ilhas, Atrás do Muro e No Fim das Contas.

Deste período destaca-se o megaprojeto Manifiesto, da artista Alexis Leyva Machado, mais conhecido como Kcho, que inclui 10 esculturas de grande formato em aço corten feitas em Espanha em 2017 e 2018.

Kcho assegurou que a obra dialoga com questões que o motivam relacionadas à identidade e à emigração, as mudanças do ser humano ao sair de seu lugar de origem, o valor das memórias.

O Regresso ao Futuro foi o último ciclo do evento e abriu com uma exposição homónima na Estação Cultural de Linea e 18 que relacionou trabalhos de 37 artistas dispostos a “estourar caminhos percorridos para procurar respostas no passado os muitos conflitos de hoje”.

Segundo Rodríguez Derivet, o evento sempre quis ser um laboratório vivo, para além de museus e galerias, e nesta edição demonstrou seu poder de convocação e venceu os obstáculos e campanhas que buscavam boicotá-lo.

car/yrv/ml

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.