17 de May de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Terapias contra o câncer, física nuclear, obrigado Curie pelo rádio

Marie-Curie-300x200

Terapias contra o câncer, física nuclear, obrigado Curie pelo rádio

Havana, 20 abr (Prensa Latina) Aprender que Ra é rádio na tabela periódica de número atômico 88 é fácil, mas por trás dessas letras estão hoje 120 anos de história e um dos sobrenomes mais famosos da ciência: Curie.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Em 20 de abril de 1902, marido e esposa Pierre e Marie Curie conseguiram isolar sais de rádio radioativos do mineral pechblenda em seu laboratório em Paris.

Aconteceu quatro anos depois que ambos descobriram o elemento junto com outro atualmente conhecido como polônio e que a cientista nomeou em homenagem à sua Polônia natal.

Muito em breve a descoberta do rádio teve consequências importantes, tanto na medicina prática quanto na física teórica.

O que hoje chamamos de “radioterapia”, ou seja, a aplicação de radioatividade no corpo humano doente, através do elemento rádio, permite o combate a certos tumores malignos e alterações inflamatórias ou degenerativas na pele, alguns órgãos internos e articulações.

Ao contrário do urânio e do polônio, o rádio não ocorre livremente na natureza, e Marie Curie e seu assistente Andre Debierne refinaram meticulosamente várias toneladas de pechblenda para isolar um décimo de cloreto de rádio puro em 1902.

Com os resultados dessas investigações, Marie recebeu um doutorado em ciências em junho de 1903 e mais tarde naquele ano dividiu o Prêmio Nobel de Física com seu marido e seu colega francês A. Henri Becquerel. Ela foi a primeira mulher a ganhar um Prêmio Nobel.

Em 1910, a especialista finalmente conseguiu isolar o rádio puro e metálico, descoberta pela qual recebeu outro Nobel em 1911, mas de Química, tornando-se assim a primeira pessoa a ganhar dois desses prêmios.

A paixão pelos laboratórios e a descoberta de novas substâncias pareciam ter sido transmitidas geneticamente.

A filha mais velha dos Curie (Irène) e seu marido Frédéric Joliot, na década de 30, conduziram à obtenção de um grande número de isótopos artificiais: os radioisótopos.

No plano teórico, os avanços no estudo da radioatividade possibilitaram o trabalho de identificação das radiações alfa, beta e gama produzidas espontaneamente em corpos radioativos e a concepção de modelos atômicos.

No entanto, as notas de Curie são tão relevantes e quase inacessíveis quanto perigosas.

Até hoje, os cadernos estão nos porões da Biblioteca Nacional Francesa sob várias camadas de chumbo e estima-se que permanecerão assim por pelo menos 1.500 anos, o tempo médio que leva para os átomos de rádio se desintegrarem.

Curie morreu em 1934 de anemia aplástica, provavelmente resultado de sua frequente exposição ao rádio e ao polônio, amostras das quais muitas vezes carregava no bolso, e assim tudo relacionado a ela que ainda está preservado deve ser guardado com precauções extras e em caixas especiais de chumbo.

Seu próprio corpo, o primeiro de uma mulher a ser enterrado por seus próprios méritos no Panteão de Paris, o famoso túmulo das glórias da França, precisava de um sarcófago de chumbo com quase uma polegada de espessura para evitar que os átomos escapassem para o meio ambiente emanando do corpo da chamada “mãe da física moderna”.

oda/cdg/cm

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.