26 de May de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Panamá aposta em maior transparência financeira

Panamá, ministro, economía, transparencia, financiera

Panamá aposta em maior transparência financeira

Por Mario Hubert Garrido
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Cidade do Panamá, 14 Abr(Prensa Latina) Com o programa de orçamento aberto para seus cidadãos, o Panamá está promovendo uma maior transparência no uso das finanças públicas a partir de hoje.

Segundo o ministro da Economia e Finanças, Héctor Alexander, a iniciativa estimula a participação cidadã e é apresentada em seu site por meio de um documento com informações básicas e em linguagem clara e compreensível para todas as pessoas.

O orçamento aberto é uma versão simplificada do Orçamento Geral do Estado e a sua publicação marca um marco nos compromissos do Executivo, acrescentou.

Conforme o governante disse à imprensa, o que se busca é oferecer pedagogia sobre como esse instrumento, o principal de política pública, é elaborado, quais são as fontes de renda e como os recursos são gastos.

“O orçamento aberto visa também fazer com que os cidadãos se sintam identificados, através da participação na sua estruturação e da qualidade da sua execução”, sublinhou.

Na opinião da diretora da Autoridade Nacional de Transparência e

Acesso à Informação (Antai), Elsa Fernández, as contas públicas são a base que dá origem à prestação de contas, por isso a abertura do orçamento é vital para fortalecer a confiança e preservar o quadro institucional , garantindo o acesso à informação, a paz social e, assim, uma melhor governação.

“Esse compromisso é exigido pela metodologia de orçamento aberto para a aliança internacional”, lembrou.

Sobre o assunto, a diretora-executiva da Fundação para o Desenvolvimento da Liberdade Cidadã – Capítulo panamenho da Transparência Internacional, Olga de Obaldía, disse ao jornal La Estrella de Panamá que a iniciativa faz parte da visão da gestão orçamentária contemporânea, e seu principal objetivo é que o Panamá se torne parte da Parceria de Governo Aberto.

Por sua vez, o coordenador regional da Aliança para o Governo Aberto, José García, considerou que a abertura fiscal é a mãe da transparência. É uma ferramenta contra a corrupção, que aumenta a confiança nas compras públicas, bem como o acompanhamento da execução orçamentária do Legislativo e do Executivo.

Em março passado, o ministro Alexander admitiu que o Panamá está acelerando as medidas para sair das listas cinzentas da Força-Tarefa de Ação Financeira (GAFI) que questionam a transparência desses sistemas.

Em encontro com a mídia, ao ser questionado pela Prensa Latina sobre o chamado programa “cara a cara” com os setores público e privado para verificar ações e enfrentar a lavagem de dinheiro antes de junho deste ano, o funcionário destacou que este e outras iniciativas buscam mostrar eficácia.

Especificou que as medidas que são adotadas para sair das listas são aquelas em que as ações devem ser aprofundadas, e uma delas, disse, é o sistema de informação associado aos beneficiários finais das corporações.

De acordo com o Executivo, oito das 15 ações exigidas estão sendo trabalhadas e reconhece que ainda faltam sete, como cadastros de beneficiários, reformas legislativas e investigações aprofundadas sobre crimes financeiros, entre outros.

Sobre o mesmo assunto, perante a mídia, o então presidente da Câmara de Comércio, Indústria e Agricultura do Panamá, José Ramón Icaza, indicou que se deve mudar o modelo de Orçamento Aberto, no qual o Estado, por meio do MEF, se compromete a melhorar a transparência das informações e a prestação de contas.

É um problema de todos os atores em torno do marco regulatório e a estratégia está voltada para a valorização da imagem do país; por isso, é fundamental oferecer relatórios periódicos ao corpo diplomático e a todas as representações panamenhas no exterior.

Para 2023 é fundamental, acrescentou, permitir a participação dos cidadãos na preparação e controlo da execução do orçamento.

Na opinião de Icaza, os panamenhos têm o dever de pagar impostos, mas também o direito de exigir que o Executivo respeite os compromissos assumidos para dotar o istmo de um governo aberto.

mem/ga/jcfl

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.