19 de May de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Violência assola o norte da Nigéria

Nigeria, violencia, norte, muertos

Violência assola o norte da Nigéria

Por Julio Morejon Tartabull Havana, 30 mar (Prensa Latina) A questão seria por que o principal produtor de petróleo africano não erradica a violência, tendo potencial para fazê-lo? E se isso deixar de ser uma pergunta retórica, precisaria de uma resposta bem argumentada.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Nigéria, o país mais populoso da África, é uma locomotiva econômica para o continente, mas é difícil acelerar sua marcha para sair do terrorismo ligado ao radicalismo religioso e ao banditismo, males que a desgastam e o obrigam a dispersar sua atenção para erradicá-los principalmente em sua região norte.

Tudo isso pressupõe que a persistência de tais fenômenos possa fazer parte de um roteiro rival para erodir os fundamentos do Estado, enfraquecê-lo e comprometer seu desenvolvimento, estabilidade política e convivência social para desmantelar os processos em desenvolvimento e distorcer seus projetos em geral.

De qualquer forma, a análise fica aquém da realidade: a violência escala e diversifica sua forma de agir, as manifestações de terrorismo contidas no Jamā’at Ahl as-Sunnah lid-Da’wah wa’l-Jihād, – comumente conhecido como Boko Haram – já não se referem apenas à imposição rigorosa da lei islâmica.

Após a morte de seu criador, Mohamed Yusuf, em 2009, e de seu sucessor Abubakar Shekau, em 2021, estudiosos consideraram que essa facção que havia se tornado terrorista e executora de operações transfronteiriças perderia sua trajetória devido às duas baixas, porém, essas mortes foram mais simbólicas, de forma contrária, o problema persiste.

A morte de Yusuf em 2009 durante um levante armado contra as forças de segurança na cidade de Maiduguri, capital do estado de Borno, revelou a natureza criminosa do Boko Haram, disseram observadores nigerianos e europeus na época.

Por sua parte, Shekau foi morto no ano passado por uma ex-facção aliada, o Estado Islâmico na África Ocidental (Iswap) em um acerto de contas, outro exemplo de agressividade e lutas internas para comandar grupos extremistas, pensava-se que a ausência do líder arrefeceria as contradições, mas isso não aconteceu.

Ambas as formações de filiação islâmica distorcida continuam operando além do território nigeriano, atacando estados fronteiriços, entre outros objetivos contra pessoas deslocadas e campos de refugiados, além de tomar posse de áreas estratégicas do Lago Chade.

Além da Nigéria, Camarões e Níger foram vítimas de suas atrocidades às quais Abuja está disposto a pôr fim, e para provar isso as autoridades relataram a rendição de sete mil membros do Boko Haram e Iswap em operações nas últimas semanas, informou o general da Divisão Christopher Musa.

“Isso é evidente (a reação dos insurgentes), já que milhares deles, incluindo combatentes, não combatentes, soldados de infantaria e suas famílias, continuaram a depor as armas em diferentes partes do estado de Borno para aceitar a paz”, afirmaram os militares.

Além disso, este mês foi confirmado que o número de vítimas de violência na Nigéria foi de 7.691 civis em 2020 e 2021 devido a ataques armados de elementos extremistas e criminosos, publicou um relatório oficial reproduzido pelo jornal Vanguard.

Durante este período, numerosas mulheres e meninas também sofreram abusos sexuais; Além disso, o documento apontou que do total de óbitos relatados, 3.457 foram em 2020, enquanto entre janeiro e setembro de 2021, 4.234 cidadãos morreram.

A região norte da Nigéria é profusamente afetada por outro flagelo contra a segurança da população, o banditismo – núcleo do crime organizado, e que se alimenta de roubos e sequestros entre outros crimes – ao mesmo tempo que integra redes capazes de minar as bases da autoridade.

No sábado, 26 de março, bandos armados atacaram o aeroporto da cidade de Kaduna e fontes dos serviços de segurança afirmaram que os assaltantes tentaram tomar o terminal aéreo em várias ocasiões. Após essa agressão, os voos foram interrompidos, embora posteriormente tenham sido restabelecidos.

Também naquela região noroeste da Nigéria, um grupo de criminosos atacou na segunda-feira um trem que liga a capital à estação de Rijana, onde os criminosos usaram explosivos, segundo fontes policiais.

As autoridades ampliaram as medidas judiciais contra o banditismo, que no contexto do país africano é identificado com terror.

Assim, sobre esta ação, a comunicação social sintetizou que “terroristas assaltaram um comboio que partiu de Abuja com mais de 970 passageiros a bordo (…)repelidos por soldados destacados no local para fins de segurança”, uma resposta condizente com os tempos atuais.

A Nigéria está preparada para enfrentar grandes desafios de segurança em todo o seu território, mas na direção norte, onde a pobreza e o fanatismo criaram condições para o florescimento do radicalismo associado ao banditismo, o esforço hoje visa necessariamente destruir as bases desse “casamento”.

Jha/to/mt/cm

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.