28 de May de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Manifesto de Montecristi vencendo a guerra de pensamento

Manifiesto-de-Montecristi-300x200

Manifesto de Montecristi vencendo a guerra de pensamento

Havana, 23 mar (Prensa Latina) O Delegado do Partido Revolucionário Cubano (PRC) e o General em Chefe do Exército de Libertação assinaram em Montecristi, cidade da costa norte da República Dominicana, um texto transcendente de conteúdo político-ideológico sobre a guerra iniciada em Cuba e o personagem que lhe é atribuído.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Martha Denis Valle

Historiador, jornalista e colaborador da Prensa Latina

Antes de partir para o que qualificou de guerra necessária, José Martí fez escala na República Dominicana, onde escreveu na humilde casa do major-general Máximo Gómez, o documento assinado por ambos, intitulado O Partido Revolucionário Cubano a Cuba, que foi para a história com o nome de Manifesto de Montecristi.

Assinado em 25 de março de 1895, foi cuidadosamente elaborado, a ponto de nas Obras Completas de Martí constar a versão impressa e, entre colchetes, as rasuras que o autor fez nos rascunhos do original para obter clareza e precisão. (1)

“A revolução da independência, iniciada em Yara após uma preparação gloriosa e sangrenta, entrou em um novo período de guerra em Cuba, em virtude da ordem e dos acordos do Partido Revolucionário no exterior e na Ilha, e da exemplar congregação nele de todos os elementos consagrados ao saneamento e emancipação do país, para o bem da América e do mundo”, começa assim.

Em carta a seus amigos e colaboradores Gonzalo de Quesada e Benjamín Guerra, datada de 28 de março no mesmo local, Martí garante que você ficará satisfeito em saber que, depois que o Manifesto foi escrito, não houve nenhuma mudança nele; e que suas ideias envolvem ao mesmo tempo, embora provenientes de campos de experiência diferentes, o conceito atual do General Gómez e o do Delegado.

Na opinião de Martí, no início do conflito, a primeira campanha política espanhola seria reduzir a guerra, subtrair dela o que pudesse favorecê-la.

Tratava-se de iniciar uma feroz batalha ideológica, em que sairia vencedor quem conseguisse convencer, com argumentos lógicos e historicamente fundamentados, os setores majoritários da população e os elementos politicamente vacilantes.

DIVULGAÇÃO DO MANIFESTO

Envia -lhes o documento de cerca de 15 páginas para ser publicado “numa tipografia que não é nossa” e com o maior sigilo dada a urgência de introduzi-lo em Cuba; imprima -diz-, um número considerável, 5.000 pelo menos; Deve haver 10.000 ou mais: “todo espanhol deve receber um, e todas as sociedades e grupos de cubanos negros”, acrescenta.

“Aos jornais, nossos ou americanos, o manifesto não deve ser entregue até que haja razão para supô-lo em Cuba”, aponta.

Recomenda também, em envelopes especiais e papel de marca, enviá-lo a todas as presidências da república, aos presidentes em envelope particular, bem como aos secretários e subsecretários de relações exteriores, e a todos os jornais hispano-americanos.

Às vésperas de sua chegada em solo cubano, escreveu em 10 de abril de 1895, de Cap Haitien, a seus colaboradores Gonzalo e Benjamín: “…não poupe o esforço de difundi-lo em Cuba. De pensamento é a guerra maior que é travada contra nós. Ganhemos-la pelo pensamento”.

CONTEÚDO

O Manifesto expõe o caráter e o propósito da guerra emancipatória que eclodiu em Cuba em 24 de fevereiro de 1895; a atitude da Revolução e da futura república em relação aos espanhóis; como a República deve ser constituída, organizada e desenvolvida, com a mesma participação e igualdade de direitos e deveres, de brancos e negros.

A guerra de independência de Cuba, -destaca- nó do grupo de ilhas onde o comércio dos continentes tem que atravessar, em poucos anos, é um evento de grande alcance humano, e serviço oportuno que o judicioso heroísmo das Antilhas lhe presta-se à firmeza e ao tratamento justo das nações americanas e ao equilíbrio ainda vacilante do mundo.

“É honroso e comovente pensar que quando um guerreiro da independência cai em terra de Cuba , talvez abandonado pelos povos incautos ou indiferentes aos quais se sacrifica, cai pelo bem maior do homem, a confirmação da república moral em América, e a criação de um arquipélago livre onde nações respeitosas derramem a riqueza que em seu caminho hão de cruzar”, ele sentencia.

No parágrafo final afirma: “E assim declarando em nome do país, e depondo perante ele e perante o seu livre poder de constituição, a idêntica obra de duas gerações, assinam a declaração conjuntamente, pela responsabilidade comum da sua representação, e como sinal de unidade e solidez da revolução cubana, o Delegado do Partido Revolucionário Cubano, criado para ordenar e ajudar a guerra atual, e o General em Chefe eleito nela por todos os membros ativos do Exército de Libertação.

Montecristi, 25 de março de 1895.

(1) José Martí. Obras completas. Volume 4 (Editora de Ciências Sociais, Havana, 1975)

rmh/mdv/cm

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.