19 de May de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Contribuição da mulher na cultura cubana no século XIX em Camagüey

Contribuição da mulher na cultura cubana no século XIX em Camagüey

Camagüey, Cuba, 7 de março (Prensa Latina) Na véspera do Dia Internacional da Mulher, é oportuno destacar hoje o papel das mulheres, particularmente nesta região, e sua transcendental contribuição para a cultura e formação da nacionalidade cubana.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Notas da revista Senderos, do Gabinete do Historiador da Cidade de Camagüey, a cargo da renomada ensaísta e doutora em Ciências Filológicas, Olga García, testemunham que, apesar de ter lhe dado um papel subordinado durante séculos, sempre foi crucial ao critério e transcendência das mulheres.

O desfecho dos acontecimentos históricos na maior das Antilhas “permite-nos descobrir toda essa meada de factos e o som de vozes que emergem de um suposto silêncio, e que também tecem a história de uma região e de um país”, diz o especialista.

O sentimento de independência total no século XIX traz exemplos louváveis como o de Ana Betancourt de Mora (1832-1901). De comprovada linhagem patriótica, ela conseguiu que sua pretensão de protagonismo em favor das mulheres cubanas, viesse a ter voz na Assembleia de Guáimaro, a primeira constituinte da República em Armas, em abril de 1869, justamente na mais oriental das cidades de Camaguey.

Outra das grandes da história regional, esposa de alma e luta, do prefeito Ignacio Agramonte (1841-1873), responde pelo nome de Amalia Simoni (1842-1918). Somam-se à extensa lista a notável poetisa Gertrudis Gómez de Avellaneda (1814-1873), autora do romance Sab, que descrevia as aventuras do período colonial sob a metrópole espanhola e a escravidão, e Aurelia Castillo, que granjeou a admiração e a respeito de importantes pensadores de seu tempo.

Avellaneda também é reconhecida pelo mérito de ter sido fundadora da revista Álbum de lo bien y lo bello, em 1860, a primeira revista feita por e para mulheres em Cuba. Pouco mais de cinco anos depois, foi também na antiga Villa del Puerto del Príncipe que nasceu El Céfiro, o primeiro periódico publicado por mãos femininas.

No século XIX, apenas as potencialidades do parentesco nas famílias burguesas ampliaram o espectro da mulher na sociedade, muito distante da realidade atual da ilha caribenha. Foram justamente essas relações sociais que permitiram que mulheres como Eloísa Agüero, amada no México pelo Herói Nacional de Cuba, José Martí, tivessem acesso a espaços públicos mais visíveis.

E foi também com outra mulher de Camagüey, Carmen Zayas Bazán (1853-1928), com quem o Apóstolo contraiu seu segundo casamento, que mais tarde deu à luz o primogênito de Martí em 1882. Mas eles não levam todos os méritos na contribuição mesmo da nacionalidade deste país, as mulheres mais reconhecidas por sua ascendência e sobrenomes.

As que foram para a selva em apoio aos maridos, às negras e às escravas também deram um passo transcendente em uma das zonas insurgentes mais importantes, a ligação entre o leste e o centro do país.

A própria Yero, em seu artigo La mujer camagüeyana perante a Constituinte de 1869, reconhece que “as análises e avaliações realizadas por boa parte dos historiadores tiveram uma visão essencialmente patriarcal dos acontecimentos, das batalhas e da vida no campo insurgente” . Embora a historiografia não lhes dê o destaque que mereciam, foram as suas próprias experiências que os tornaram merecedores de uma secção mais do que especial, e não foi só nos campos de guerrilha, pois muitos de bandeiras bordadas clandestinamente, transportavam mensagens ou espiavam os inimigo.

Entre os eventos mais emblemáticos da mulher camagüeiana está o apoio aos eventos de São Francisco de Jucaral em 1851, o primeiro levante armado contra o colonialismo espanhol, liderado por Joaquín de Agüero.

A execução dos combatentes da independência na região, após o fracasso da operação, foi lembrada pelo apoio às mulheres que cortaram o cabelo como sinal de solidariedade e rebeldia ao movimento insurgente, marca que caracterizou as mulheres até hoje As mulheres antilhanas, arquitetas da revolução cubana no século XX.

rgh/fam/glmv

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.