3 de July de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Nepal e o controverso acordo de subvenção com os EUA

Nepal e o controverso acordo de subvenção com os EUA

Kathmandu, 4 mar (Prensa Latina) Apesar dos protestos dos partidos políticos, o Parlamento do Nepal ratificou um controverso acordo de subvenção de 500 milhões de dólares financiado pelos Estados Unidos, considerado hoje pelos opositores como uma ameaça à soberania nacional.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Washington estabeleceu o dia 28 de fevereiro como data limite para a aprovação do projeto de lei, o que foi fortemente oposto pelo principal partido de oposição, o Partido Comunista do Nepal – Marxista Leninista Unificado (CPN-UML).

O Ministro das Finanças Janardhan Sharma votou aprovação do pacto, que envolverá a participação da agência estadunidense Millennium Challenge Corporation (MCC), após deliberações na Câmara dos Deputados.

O Presidente da Câmara, Agni Prasad Sapkota, declarou o MCC aprovado após uma votação de voz, apesar dos protestos do CPN-UML na Câmara dos Deputados.

Anteriormente, o Primeiro Ministro Sher Bahadur Deuba, líder do Congresso nepalês no poder, realizou consultas políticas agitadas com outros partidos sobre o apoio parlamentar ao projeto de lei, que o governo de coalizão nepalês, liderado por Deuba, apresentou para debate na Assembleia.

O Congresso nepalês lidera atualmente a coalizão governista em Katmandu, que inclui entre outros o Partido Comunista do Nepal (Socialista Unificado) e o Partido Comunista do Nepal (Centro Maoísta).

Os partidos políticos nepaleses estavam fortemente divididos sobre a aceitação deste acordo com Washington, assinado pelo Nepal e pelos EUA em 2017 e destinado a construir infraestrutura na pequena nação do Himalaia, como linhas de transmissão de energia e modernização das estradas nacionais.

O líder do CPN (Centro Maoísta) Dev Prasad Gurung advertiu que o acordo de subvenção deveria ser realizado apenas como uma ideia puramente econômica, sem violar a soberania ou a Constituição ou as leis do Nepal.

Enquanto isso, o líder do CPN-UML Bhim Rawal pediu aos legisladores que rejeitassem o tratado como uma traição ao país e ao povo nepalês.

Rawal disse que a independência, a nacionalidade e a soberania do Nepal seriam prejudicadas após a aprovação de tal subsídio em meio a protestos.

Em Katmandu, as manifestações contra o acordo com a agência americana Millennium Challenge Corporation continuam a crescer mesmo após sua ratificação pelo legislador em 27 de fevereiro.

Organizações como a União de Estudantes Independentes do Nepal (Revolucionária) e a Federação de Camponeses do Nepal aderiram a partidos políticos contrários ao acordo, incluindo o Partido Comunista do Nepal – Socialista Unificado, o CPN – Maoísta Revolucionário, o Centro CPN-Maoísta e o Partido Rastriya Prajatantra.

Esta oposição acredita que aceitar tal ajuda afetará a soberania do Nepal como uma entidade política independente no sul da Ásia.

Balram Banskota, membro do comitê permanente NPC-US e secretário geral adjunto da Anfpa, disse ao site do Peoples Dispatch que as regras e regulamentos vagos do acordo representam uma ameaça direta à segurança e soberania do Nepal.

Os investimentos da subvenção são enquadrados em torno da manutenção da qualidade das estradas e do aumento da disponibilidade de eletricidade através de uma linha de transmissão de energia elétrica de 187 milhas no Nepal.

Nepal gera atualmente dois mil megawatts (MW) de energia hidrelétrica, com outros 2.500 MW em construção, e este número subirá para 7.300 MW até 2025, de acordo com estimativas da Autoridade de Eletricidade do Nepal.

O debate em torno do acordo da MCC é visto em termos da rivalidade geopolítica entre os EUA e a República Popular da China e é visto como parte da estratégia para a região do Indo-Pacífico da Casa Branca no Sul da Ásia.

Para muitos especialistas, com eleições gerais programadas para novembro de 2022, a controvérsia sobre este tratado continuará a desempenhar um papel decisivo na política interna e nas relações do Nepal com a região.

A decisão do Parlamento de ratificar o acordo veio depois de uma reunião da coalizão de cinco partidos, que finalmente decidiu apoiar o acordo depois de meses de volta e meia.

O Katmandu Post informou que as deliberações culminaram quando o Partido Comunista do Nepal (Centro Maoísta), o CPN (Socialista Unificado) e o Partido Janata Samajbadi (JSP) – parceiros do governo de Deuba – concordaram em votar a favor do acordo, mas com a condição de uma “declaração interpretativa”, mantendo suas preocupações.

oda/abm/vmc

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.