19 de May de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Ucrânia, Palestina e o padrão duplo ocidental para os conflitos

Occidente, Rusia, doble, estándar, palestinos

Ucrânia, Palestina e o padrão duplo ocidental para os conflitos

Washington, 3 Mar(Prensa Latina) Os Estados Unidos e as potências ocidentais apoiam hoje um boicote contra a Rússia por suas operações militares na Ucrânia, enquanto há anos ignoram as exigências palestinas de promover ações contra a potência ocupante Israel.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Por que os atos contra Moscou são aceitos e promovidos pelas mesmas pessoas e entidades que ignoram, criticam ou rejeitam os pedidos de povos sob ocupação e ataque, como o palestino?, perguntam analistas e inúmeros usuários de plataformas como o Twitter.

Nesse sentido, referem-se, por exemplo, aos apelos de entidades internacionais como o Comitê Olímpico Internacional e a Federação Internacional de Associações de Futebol para excluir a Rússia dos eventos esportivos.

No entanto, Washington nunca enfrentou exclusões ou sanções após suas inúmeras invasões nos últimos anos de países como Iraque, Síria ou Afeganistão, apenas para citar alguns.

Os Estados Unidos, o Reino Unido, a União Europeia e Israel dizem que a integridade territorial e a soberania da Ucrânia são sagradas para eles, mas não aplicam o mesmo princípio quando se trata da Palestina e do seu povo, com milhares de mortos pelas agressões de Tel Aviv.

Quando ativistas e movimentos pelos direitos dos povos palestinos tentam promover um “boicote” contra produtos e serviços israelenses, são muitas vezes duramente criticados e rotulados como antissemitas.

Os palestinos têm o direito de perguntar por que os líderes ocidentais estão impondo sanções paralisantes a Moscou e ameaçando retaliações de todos os tipos se continuar suas operações militares na Ucrânia, e não tomar medidas semelhantes contra o colonialismo israelense, dizem analistas.

Enquanto isso, redes sociais como Facebook e Twitter estão apreciando campanhas com exemplos de ucranianos sendo saudados e defendidos como heróis por sua oposição às ações de Moscou.

Os palestinos que defendem sua terra são criminalizados como “terroristas” e mencionados dessa forma muitas vezes na imprensa ocidental.

Forças militares de Tel Aviv bombardearam cidades palestinas e são responsáveis pelo assassinato de civis inocentes, como denunciam numerosas organizações, mas nenhuma potência ocidental tomou medidas punitivas significativas contra aquele Estado ocupante.

De fato, quando Israel ataca casas, hospitais e escolas palestinas, os Estados Unidos e a Europa afirmam que Tel Aviv tem o “direito de se defender”.

Se é Moscou que exerce seu direito de autodefesa, é condenada com duras sanções ao seu sistema financeiro e até recebe a rejeição de associações esportivas que anteriormente diziam que a política deveria ser mantida fora dos esportes apenas quando os palestinos exigiam ações contra Israel.

Israel, cujos assentamentos ilegais no território palestino ocupado foram condenados pelas Nações Unidas, enfatizou que “apóia a integridade territorial e a soberania da Ucrânia”.

Iêmen, Iraque, Afeganistão, Síria, Líbia e Palestina são vítimas diretas ou indiretas da agressão da Organização do Tratado do Atlântico Norte, a mesma organização cuja expansão dispara alarmes em Moscou.

Atualmente, uma espécie de “febre anti-russa” está se espalhando fortemente nos Estados Unidos em meio a apelos da mídia e autoridades locais pedindo a exclusão de produtos daquele país eurasiano.

Conforme relatado pelo The Washington Post, os bartenders americanos estão removendo produtos fabricados na Rússia de suas prateleiras e vários governadores estão assinando ordens para reduzir as vendas em seus estados de bebidas e outros produtos daquele país.

O Grupo Volkswagen e o Grupo Mercedes-Benz anunciaram que não exportariam seus veículos para a Rússia e deixariam de produzi-los localmente.

A Netflix informou que não transmitirá nenhum canal russo em sua plataforma nesse território. Disney, Sony Pictures e Warner alertaram que estavam suspendendo o lançamento de seus filmes nos cinemas de todo o país.

Além disso, Apple, Nike e H&M, entre outros, interromperam suas vendas na Rússia e disseram que desistiriam, enquanto os gigantes de tecnologia Google e Meta tomam medidas para limitar o alcance dos meios de comunicação russos RT e Sputnik.

Por outro lado, essas empresas permitem propaganda anti-russa, denunciou o vice-chefe do Departamento de Informação e Imprensa do Ministério das Relações Exteriores de Moscou, Oleg Gavrilov.

A União Europeia de Radiodifusão proibiu a Rússia de participar do Eurovision Song Contest devido aos eventos na Ucrânia, mas esse evento ocorreu em 2019 em Tel Aviv, apesar da campanha internacional pedindo outro local devido aos crimes de Israel contra os palestinos.

O Estado de Israel na Palestina ainda aguarda o reconhecimento como Estado e lutam contra a expansão de Tel Aviv, que está deixando um território cada vez mais fragmentado.

No entanto, o Ocidente continua a fornecer a Israel armamento sofisticado, que seu exército usa para atacar populações palestinas e expulsá-las de suas terras.

Os mesmos países ocidentais que enviam armas de alta tecnologia à Ucrânia para lidar com o que chamam de invasão da Rússia, apesar da insistência do Kremlin de que tais operações são apenas defensivas.

car/ifb/jcfl

.

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.