25 de May de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Quem se beneficia com a crise na Ucrânia? (+ Foto)

Gas1-300x143

Quem se beneficia com a crise na Ucrânia? (+ Foto)

New Haven, Estados Unidos (Prensa Latina) O conflito na Ucrânia combina fatores como a tentativa de enfraquecer ou destruir a Rússia por parte das potências ocidentais lideradas pelos Estados Unidos, que querem manter um impossível mundo unipolar, a extensão da OTAN aos confins da Europa Oriental, e também elementos econômicos e lucrativos.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Por José R. Oro, engenheiro cubano residente nos EUA, colaborador da Prensa Latina

Dentro do campo da rapacidade econômica, dois componentes importantes são a contínua dedicação de imensas quantidades de dinheiro ao Complexo Industrial Militar; e o outro, que se torna cada dia mais evidente nas incessantes ameaças da administração de Joe Biden à Rússia, o desejo dos produtores de energia dos EUA de invadir os mercados europeus com gás natural proveniente do fracionamento.

A mídia desonesta satura o mundo com especulações sobre a intenção da Rússia de anexar a Ucrânia e especula muito ridiculamente sobre o suposto desejo de Moscou de congelar a Europa cortando o fornecimento de gás, mas muito poucos repórteres na mídia corporativa perguntam quem se beneficiará economicamente com o impasse na Europa Oriental.

Pois a resposta a esta pergunta revela claramente que a fonte do conflito não é a Rússia.

Juntando algumas peças do quebra-cabeça, começam a surgir alguns vencedores claros na crise da Ucrânia, seja um conflito limitado ou uma “operação especial”, como tem sido até agora, ou uma verdadeira guerra em grande escala: as corporações multinacionais de petróleo e gás.

E parece que esta indústria encontrou o porta-voz mais poderoso do mundo para representar seus interesses: o governo dos EUA e o presidente seráfico Biden, cujo filho Hunter Biden e Burisma Holdings (o maior produtor de gás ucraniano) são, como dizemos em Cuba, “unha e carne”.

Chevron, ExxonMobil, Shell e vários outros, juntamente com centenas de empreiteiros de perfuração e fornecedores de equipamentos que trabalham com eles, querem aumentar enormemente as exportações para a Europa faminta de gás, mas a Rússia e sua empresa estatal Gazprom estão no caminho.

Atualmente, o gás natural russo responde por mais de 30% de todas as importações para a União Europeia. As principais potências da UE, Alemanha e França, obtêm 40% de seu gás da Rússia, enquanto outros países, como a República Tcheca e a Romênia, utilizam apenas gás do país eurasiático.

Para desalojar a concorrência e conquistar uma fatia de mercado maior ou mais completa, as multinacionais precisam frear o fornecimento de gás do leste.

O livre mercado?

Os preços do mercado mundial de petróleo e gás natural dispararam nos últimos meses e especialmente nos últimos dias, impulsionados por vários fatores: a demanda recorde na Europa e na Ásia à medida que a indústria manufatureira se recupera um pouco da pandemia, a oferta limitada, já que algumas dessas instalações estão apenas começando a voltar a funcionar.

Reservas de produtos estocados bastante esgotadas devido a um inverno longo e frio em 2020 e agora 2021-22, e a mudança de países como a China e a Alemanha para longe de combustíveis fósseis mais sujos como o carvão e a sempre impopular energia nuclear.

Os produtores americanos querem participar e controlar essa bonança, especialmente na Europa, onde os preços do gás quintuplicaram em 2021 e agora, com as ações militares na Ucrânia, estão subindo ainda mais. Os EUA são os maiores produtores de gás do mundo e extraem mais do solo a cada dia. Este tem sido o caso desde 2005, quando a produção, que tinha sido plana durante décadas, cresceu acentuadamente.

Repletas de gás, as empresas estadunidenses hoje em dia olham cada vez mais para a Europa como um cliente, e o governo dos EUA agiu com entusiasmo e malícia como um vendedor ativo para elas.

Gas2

Graças a um acordo concluído em 2018 entre a administração Trump e a UE, as vendas de gás dos EUA para a Europa aumentaram constantemente, de 16 por cento em 2019 para 28 por cento até o final de 2021.

Entretanto, há um problema que poderia limitar o crescimento: o gás natural estadunidense é caro, significativamente mais caro do que o da Rússia. O fracionamento hidráulico aumenta substancialmente os custos de produção.

Além disso, para ser exportado para clientes internacionais, o gás americano deve ser liquefeito e carregado/descarregado em navios-tanque em terminais especializados caros.

A conversão de gás de xisto fracionado em gás natural liquefeito (GNL) pode mais do que dobrar o custo para as empresas dos EUA, colocando-as em desvantagem para o gás russo barato que viaja através de gasodutos.

O projeto internacional de gasodutos, conhecido como Nord Stream 2, é particularmente ameaçador para as vendas dessas multinacionais. Construído conjuntamente pela Alemanha e pela Rússia sob o Mar Báltico, proporcionaria acesso fácil e acessível ao gás para a UE. Para a Rússia, é um meio garantido de acesso a seus maiores compradores.

Tanto para a UE quanto para a Rússia, Nord Stream 2 significa fornecer e receber grandes quantidades de gás a baixo custo. Uma vez operacional, transportará mais do dobro da quantidade de gás russo que flui atualmente para a Europa. É por isso que esta imensa obra de engenharia teve que ser interrompida a qualquer custo. A guerra para os imperialistas é sempre a primeira opção.

Uma crise conveniente para o grande capital

Que conveniente então que as tensões entre os EUA e seu aliado ucraniano, por um lado, e a Rússia, por outro, se intensificaram exatamente quando os retoques finais estavam sendo dados ao Nord Stream 2, no final de 2021.

Com suas próprias receitas por oleodutos em dificuldades, o governo ucraniano pressionou Washington durante todo o verão do ano passado a impor sanções à Nord Stream 2 e às empresas alemãs e russas por trás dela.

O Congresso dos Estados Unidos, dominado pelos democratas, apoiou os governantes da Ucrânia, introduzindo as sanções desejadas no projeto de lei de gastos da defesa (orçamento militar).

O Presidente Biden, sabendo que seus aliados europeus se opunham com firmeza a qualquer coisa que ameaçasse seu abastecimento energético e que a infraestrutura simplesmente não estava instalada em ambos os lados do Atlântico para preencher o vácuo deixado por uma queda repentina no abastecimento de gás russo, disse que não aprovaria sanções contra o Nord Stream 2.

Tanto os legisladores republicanos quanto os democratas no Congresso recuaram, retratando as sanções como uma forma de “deter a agressão russa contra a Ucrânia”.

O senador cubano-americano ultraconservador Ted Cruz, do Texas, que representa o principal estado produtor de gás nos EUA e é o principal destinatário de doações de campanha da indústria de fracking, tem sido um dos mais fortes defensores de sanções contra a Rússia.

Os avisos intermináveis de uma “iminente” invasão russa e o envio de tropas e armas da OTAN para a Europa Oriental finalmente entregaram o “resultado desejado” para os EUA e a OTAN.

Com a segurança energética da Europa ameaçada pela ação militar russa, quem está pronto para ajudar? Nada mais e nada menos que a indústria de gás dos EUA, é claro.

Estratégia de lucro?

Então, todo o caso da Ucrânia é simplesmente um esquema para proteger e aumentar os lucros dos produtores de gás natural dos EUA?

A crise não foi causada apenas pela venda de gás. Isso seria uma simplificação excessiva de uma situação muito complexa com raízes históricas que remontam muito antes do início do boom de fracionamento dos EUA.

Os Estados Unidos e a OTAN estão engajados em uma campanha contra a Rússia desde a década de 1940. A OTAN foi fundada como uma aliança militar para atacar a União Soviética, um instrumento para promover os interesses imperiais de Washington na Europa e para conter o crescimento do socialismo no continente.

Quando a URSS caiu e a causa anticomunista perdeu sua razão de ser, o Ocidente se aproveitou da fraqueza da Rússia para implantar seu poder armado nas fronteiras da Rússia. Ao se reconstruir, a nova lógica se tornou “contenção” de uma Rússia supostamente agressiva.

O esforço para colocar a Ucrânia, a segunda maior das 15 antigas repúblicas da URSS, sob controle militar dos EUA, e para instalar mísseis nucleares em um voo de cinco a seis minutos de Moscou, permanece no centro da crise na Europa Oriental.

As exigências de segurança fundamentais e inexpugnáveis da Rússia ainda giram em torno dessa questão. A Ucrânia tornar-se um país nuclear também é completamente inaceitável.

Mas os desejos da poderosa indústria de petróleo e gás nos Estados Unidos acrescentaram um fator complicador importante à equação. Há uma conveniente confluência de objetivos geopolíticos imperialistas e interesses econômicos capitalistas em ação.

E, exceto por um Armagedom nuclear entre os EUA e a Rússia, algumas pessoas sairão vitoriosas, não importa o que aconteça. Não esqueçamos o nome de Hunter Biden, e não esqueçamos outros “pejes” como Rudy Giuliani et al.

A aposta dos gigantes do gás dos EUA é que a Europa Ocidental se unirá imediatamente a Washington para impor as sanções mais severas à Rússia, e que a Alemanha puxará o plugue “para sempre” no Nord Stream 2.

Durante a noite, as vendas de gás nos EUA teriam que aumentar para que a Europa não congele. Ainda mais navios norte-americanos navegariam para portos europeus transportando GNL e retornariam carregados de lucros. Para os produtores americanos de petróleo e gás, a situação é benéfica enquanto houver guerra.

arb/jro/vmc

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.