27 de June de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Expectativas e desafios da reunião Macron-Putin em Moscou

Macron, Putin, Rusia, visita

Expectativas e desafios da reunião Macron-Putin em Moscou

Paris, 7 fev (Prensa Latina) O presidente francês Emmanuel Macron viajará hoje a Moscou para discutir a crise da Ucrânia com seu homólogo russo Vladimir Putin, uma reunião que Paris considera um passo importante para reduzir as tensões.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

O termo desescalada domina a imprensa francesa como um objetivo citado por fontes próximas ao presidente, que em casa está a apenas dois meses das eleições presidenciais, para as quais ele ainda não oficializou sua candidatura, embora ninguém em solo francês duvide que ele o fará, impulsionado por uma ampla liderança nas pesquisas de intenção de voto.

Macron garantiu ao jornal La Voix du Nord há alguns dias que suas prioridades agora são superar a fase aguda da pandemia de Covid-19 e o auge da crise geopolítica, na qual a França está tentando assumir o papel de poder conciliador, favorecido por sua presidência rotativa do Conselho da União Europeia (UE).

Além das preocupações com o complexo cenário relacionado à Ucrânia e ao contexto eleitoral e os benefícios do protagonismo na busca de sua solução, um elemento de enorme peso define o encontro no Kremlin como uma mistura de esperança e desafio: a postura agressiva dos Estados Unidos diante das tensões.

Washington vem alimentando o conflito há semanas, e cada esforço diplomático, próprio ou alheio, parece ser arruinado pela “divulgação” pela Casa Branca ou pelo Departamento de Estado de supostas informações de inteligência desclassificadas sobre uma determinação russa de invadir seu vizinho.

O envio de tropas estadunidenses para a Europa Oriental e o envio de meios de guerra modernos pelo Ocidente para a Ucrânia sugerem que mais uma vez os Estados Unidos estão impondo uma crise no tabuleiro de xadrez internacional, e estes muitas vezes têm como pano de fundo dificuldades internas do partido governante, e neste momento Joe Biden tem muitas delas.

Macron sabe que unilateralmente conseguirá muito pouco, e está acompanhando seus esforços, que incluem três conversas telefônicas com Putin e uma reunião em Paris sob o formato da Normandia, com trabalho com “parceiros”, incluindo Biden e o primeiro-ministro britânico Boris Johnson, que também desempenha um papel ativo na cruzada antirrussa.

A crise em torno da Ucrânia, por mais complicada que possa parecer, é fácil de entender; a Rússia vê sua segurança ameaçada pela expansão da OTAN na Europa Oriental, chegando a países que já foram membros da União Soviética, e Kiev representa um ponto-chave nesse tabuleiro de xadrez geopolítico, e um mapa seria suficiente para provar isso.

Em declarações publicadas ontem pelo semanário Le Journal du Dimanche, o líder francês insistiu no objetivo da desescalada, o que parece lógico tendo em vista as repetidas campanhas da mídia de Washington sobre a agressão “iminente” contra a Ucrânia pelas dezenas de milhares de tropas concentradas pela Rússia na fronteira comum.

“Embora não obtenhamos gestos unilaterais, é essencial evitar uma deterioração da situação”, frisou ele.

Poucas horas antes da reunião Macron-Putin, o Palácio do Eliseu confirmou sua vontade de discutir com Putin, que em uma das conversas telefônicas, alegadamente propôs a seu interlocutor “ir ao fundo das coisas”.

Alguns são otimistas, outros pessimistas, mas o tempo nos permitirá avaliar os resultados das conversações, que continuarão amanhã com a visita do Chefe de Estado francês a Kiev para conversações com o Presidente Volodymyr Zelenski.

Enquanto essas medidas diplomáticas estão em andamento, Washington reiterou a política de “porta aberta” da adesão à OTAN para “países elegíveis”, expressa ontem no Jake Sullivan da NBC, Conselheiro de Segurança Nacional de Biden.

A Europa poderia atuar como um mediador eficaz e desanuviar as tensões através da desativação dos cantos belicosos – afinal, o velho continente conhece muito bem as consequências devastadoras do conflito para seu povo, e nesse sentido as duas guerras mundiais não parecem tão distantes no tempo.

No entanto, a UE ainda não conseguiu se desamarrar dos grilhões políticos, econômicos e militares construídos pelos Estados Unidos durante décadas, que o candidato presidencial francês e líder comunista Fabien Roussel chamou ontem para abandonar, no interesse da paz na Europa e no mundo.

Deixemos de estar alinhados com as políticas de guerra dos EUA e encontremos nossa própria voz, disse Roussel em seu primeiro comício de campanha na cidade de Marselha, no sul do país. Para a esperança presidencial, o mais importante é apostar na paz, porque “mais tarde poderemos descobrir quem disparou primeiro, mas depois será tarde demais”.

jf/wmr/vmc

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.