15 de August de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Gabriel Boric e o desafio de um novo pacto social para o Chile

Gabriel Boric e o desafio de um novo pacto social para o Chile


Alain Valdés Sierra*

Havana, 2 fev (Prensa Latina) Quando Gabriel Boric tomar posse como presidente do Chile em 11 de março , assumirá o desafio de defender soluções para vários dos problemas mais urgentes que o país vive desde o fim da ditadura de Augusto Pinochet (1973 -1990).
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

O primeiro e mais desafiador será conciliar um novo pacto social para uma nação fraturada em decorrência de décadas de políticas neoliberais, meta possível com o apoio do processo constituinte que dará vida a uma nova Carta Magna, inclusiva e respeitosa ao direito e a vontade de todos os chilenos.

O gatilho foi acionado pela juventude do sul do país quando, em outubro de 2019, foram às ruas de Santiago do Chile para protestar contra o aumento da tarifa do metrô.

Reivindicação popular

No entanto, a natureza da demanda foi evoluindo para expor mais uma vez os problemas urgentes de uma sociedade muito desigual como resultado das práticas neoliberais.

Então o governo do presidente Sebastián Piñera reprimiu duramente o que a multidão defendia como uma reivindicação justa.

Quase 30 mortos, milhares de feridos e 460 pessoas com lesões oculares foram resultado dos tiros de borracha ou gás lacrimogêneo pelos Carabineiros e da mobilização do Exército decretada pelo presidente.

Uma das principais demandas dos manifestantes era mudar a atual Constituição, herdada da época da ditadura de Pinochet, e fortalecer o papel do Estado na prestação de serviços básicos.

A convocação para a criação de uma Convenção Constituinte foi uma das grandes vitórias deixadas pelos dias de protestos, instância eleita pelo voto popular que atualmente elabora a nova lei fundamental, que deve entrar em vigor após ser submetida a referendo na Câmara no segundo semestre do ano.

– Cargos eleitos

A este respeito, Boric foi muito claro: “Quero que saiba que tem todo o nosso apoio (…). Estou tremendamente orgulhoso do trabalho que está a fazer”, disse o presidente eleito a presidenta da Convenção, Elisa Loncon.

O jovem político, que alcançou relevância nacional como um dos líderes estudantis das manifestações de 2019, insistiu na importância da competência daquele órgão e lembrou que a nova constituição deve ser aprovada pelos chilenos em plebiscito previsto para 2022.

“Não tenho dúvidas de que agirão com sabedoria no melhor sentido e pensando no melhor para todos os chilenos e na estabilidade e continuidade de nossa república e país que tanto amamos”, disse o esquerdista de 35 anos, vencedor das eleições como candidato da aliança Aprovo Dignidade.

Outro grande desafio para o novo governo, que terá 14 pastas chefiadas por mulheres, incluindo Defesa e Relações Exteriores, será fortalecer o papel do Estado como entidade reguladora da dinâmica nacional, especialmente na econômica, em defesa dos interesses da sociedade sobre os privados.

Nessa área, o presidente eleito também deve trabalhar para reformar o atual sistema previdenciário, aumentar o salário mínimo, reduzir a jornada de trabalho, aumentar os impostos sobre os mais ricos e conseguir uma melhor redistribuição da riqueza.

Todos esses propósitos estão incluídos nos objetivos de campanha que ele defendeu e foi apoiado pela maioria de seus compatriotas nas urnas.

O assessor econômico de Boric naquela cruzada, Fernando Carmona, declarou que o programa do governo também estava comprometido com as transformações nos sistemas educacional e de saúde e com a esperada reativação econômica após dois anos de danos causados pela pandemia de Covid-19.

Este último ponto é onde o novo governo tem um de seus cenários mais complexos, já que, segundo especialistas nacionais e o Banco Mundial, a economia do Chile crescerá cerca de 2% em 2022, valor inferior ao registrado em 2021.

Confiança no futuro

No entanto, o nível de confiança na gestão do futuro executivo permite notas otimistas além da estimativa anterior, que, embora baixa, supera o desempenho de 2020, quando o Produto Interno Bruto do Chile registrou uma tendência de queda de menos 5,8%.

O plano de reativação econômica influenciará tanto o setor público quanto o privado, com ênfase na melhoria das pequenas e médias empresas e na criação de empregos para as mulheres.

Tudo, claro, deve ter o consenso de ambas as câmaras do Congresso Nacional (parlamento), onde a aliança que trouxe Boric ao Palácio de la Moneda (sede do executivo) é minoritária, o que segundo analistas pode ser um obstáculo à sua gestão.

De qualquer forma, abre-se um caminho de esperança para os chilenos, já que Boric não é apenas o presidente eleito mais jovem da história republicana do país, mas também o mais votado, com 4,6 milhões de votos a seu favor.

rmh/avs/cm

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.