28 de May de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Xiomara Castro e seu plano imediato para reconstruir Honduras

xiomara-castro-e-seu-plano-imediato-para-reconstruir-honduras

Xiomara Castro e seu plano imediato para reconstruir Honduras

Tegucigalpa, 28 jan (Prensa Latina) Desde o juramento da primeira mulher presidente na história de Honduras, Xiomara Castro, em 27 de janeiro, seus mais de 1,7 milhão de eleitores esperam que suas promessas eleitorais sejam cumpridas.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

A representante do partido Libertad y Refundación (Libre) é a décima mulher a ocupar este cargo após o retorno à democracia nos anos 80, e também a primeira neste período que não pertence às tradicionais forças políticas bipartidárias liberais e nacionais.

Durante seu primeiro discurso como Chefe de Estado, ela anunciou como temas transversais de seu executivo: educação, saúde, segurança e emprego; assim como a aprovação de leis sobre participação e consulta cidadã, a isenção de um milhão de famílias de pagar pelo consumo de eletricidade, e uma redução no preço dos combustíveis.

Depois de aludir a números como o aumento de 700 por cento da dívida externa e o aumento de 74 por cento da pobreza, ele estabeleceu uma pontuação para a refundação de valores soberanos, entre eles a proibição de licenças para a exploração de minerais, rios, parques naturais e florestas.

Castro também anunciou que seu governo adotaria um socialismo democrático e uma política latino-americana de soberania e solidariedade; ele garantiu que lutaria com todas as suas forças para fechar a brecha da desigualdade, pôr fim à violência de gênero e promover a defesa dos direitos da mulher.

Diante de 57 delegações internacionais e mais de 12.000 pessoas presentes no Estádio Nacional de Tegucigalpa, ela concluiu seu discurso com a frase emblemática “Hasta la victoria siempre!”, popularizada pelo líder cubano Fidel Castro e pelo médico argentino Ernesto Che Guevara.

PRIORIDADES NA AGENDA

Honduras tem problemas de falta de institucionalismo, sequestro do executivo e pilhagem de recursos públicos para fins pessoais ou corporativos, ou para manter o nacionalismo no poder, disse o educador popular Luis Méndez ao Prensa Latina.

“Corrupção e impunidade são as características mais perceptíveis do regime de Juan Orlando Hernández. Mais do que isso, a relação de sua administração com o crime organizado e o tráfico de drogas por oito anos”, reconheceu o representante dos movimentos sociais.

Em sua opinião, durante pouco mais de uma década, o sistema de justiça foi capturado, controlado e manipulado pelos grupos de poder; ao mesmo tempo, a política adotada pelo Partido Nacional, com a promoção das Zonas de Emprego e Desenvolvimento Econômico (ZEDE), levou à perda da soberania.

“Seu regime foi sustentado por meio de acordos com as lideranças militares e policiais e concessões, privilégios e o aumento do orçamento de segurança sobre os orçamentos de saúde e educação, em benefício das forças da lei e da ordem. Hoje temos um país remilitarizado e várias instituições controladas por ex-militares”, disse ele.

Méndez reconheceu que outro desafio é “limpar a casa”, sacudir as instituições públicas daqueles grupos que são benfeitores do nacionalismo e resolver os conflitos provocados pelas políticas extrativistas, além da reativação urgente da economia, que atualmente está em profunda dívida.

Segundo o educador, as demandas populares sobre questões de soberania, terra, água, meio ambiente, autonomia dos povos indígenas, diversidade, juventude, mulheres, migração, camponeses, crianças, arte e cultura, com necessidades urgentes para os primeiros 100 dias de governo, são essenciais.

Por sua vez, Ricardo Salgado, escritor, analista e conselheiro do Libre, descreveu como fundamental a criação de condições para a organização da sociedade hondurenha: “passar da ficção da democracia eleitoral à participação na tomada de decisões, com uma cidadania devidamente informada”.

“Recordemos que tudo foi roubado de nós aqui: nossas raízes, nosso senso de pátria e a ideia de nação. Os símbolos nos foram tirados e fomos sugados para dentro da máquina criminosa do consumismo. Temos que reverter esta tendência desastrosa e abrir caminho para a construção de um bloco histórico e de uma mudança permanente”, argumentou o analista.

PRIMEIROS CEM DIAS NO CARGO

De acordo com Méndez, antes da posse em 27 de janeiro, o novo executivo desenvolveu uma dinâmica extremamente interessante: os núcleos organizados do partido Libre, setores sociais e populares e atores econômicos apresentaram suas propostas para os primeiros cem dias do governo de Xiomara Castro.

Embora a nova presidenta esteja recebendo estruturas herdadas do golpe, ela argumentou que há um compromisso de implementar políticas públicas de saúde, educação e emprego em um país ainda afetado pela pandemia da Covid-19 e pelos danos causados pelos furacões Eta e Iota.

A deterioração da situação econômica, política e social promove a emigração do campo para a cidade ou para o exterior, especialmente para os Estados Unidos e Espanha, disse José Ramón Ávila, diretor executivo da Associação de Organizações Não-Governamentais de Honduras, ao Prensa Latina.

“Nas últimas décadas também percebemos um clima de insegurança, polarização política e ingovernabilidade desde 2009; o assassinato de manifestantes após a fraude eleitoral de 2017 e a perseguição e criminalização de defensores dos direitos humanos, populações indígenas ou líderes locais”, disse ele.

A presidenta eleita de Honduras, Xiomara Castro, falou sobre todas essas linhas de trabalho. Por enquanto, tudo o que falta fazer é superar a crise política interna após a posse de duas diretorias no Congresso Nacional, presididas pelos deputados Luis Redondo e Jorge Cálix.

jha/dgh/vmc

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.