28 de May de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Senegal: sem descanso em Casamansa

senegal-sem-descanso-em-casamansa

Senegal: sem descanso em Casamansa

Por Julio Morejón Tartabull Havana, 28 jan (Prensa Latina) O mais longo conflito armado da história da África – entre o Senegal e a guerrilha separatista de Casamansa – ceifou recentemente a vida de dois soldados, enquanto nove permanecem desaparecidos, de acordo com o exército.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

O relatório militar dizia que membros do Movimento das Forças Democráticas de Casamansa (MFDC) atacaram uma patrulha realizando uma operação de segurança contra o comércio ilícito na cidade gambiana do sul do Bwiam.

Os rebeldes mataram dois soldados senegaleses da missão da Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (Ecowas) e, de acordo com a Diretoria de Informação e Relações Públicas do exército, acredita-se que nove soldados estejam detidos pelos insurgentes.

A fonte acrescentou que um atacante foi morto e três foram capturados e detalhou que os indivíduos estavam viajando em um caminhão com o qual contrabandeavam mercadorias, uma atividade processada na fronteira com a Gâmbia.

“Durante os últimos cinco meses, 77 caminhões transportando ilegalmente madeira do Senegal foram imobilizados pelo quinto destacamento senegalês assinalado como parte da força internacional na Gâmbia”, disse uma declaração do exército.

O conflito de Casamansa de 1982 tem 40 anos e ainda aguarda uma solução definitiva, enquanto os confrontos armados envolvem, em geral, soldados senegaleses e guerrilheiros do sul do país, embora outros componentes estivessem envolvidos na guerra de baixa intensidade.

As fontes do conflito centram-se no vasto mosaico de riquezas naturais do país, principalmente seu tesouro madeireiro, mas também em sua peculiaridade como território senegalês dentro da Gâmbia, o que também o torna um problema geoestratégico.

Os historiadores lembram que as demandas secessionistas da área começaram a tomar forma mais plena em 1947, quando o MFDC, formado principalmente por indivíduos da comunidade Diola, proclamou pela primeira vez a independência de Casamansa.

Mas 35 anos depois – em 1982 – centenas de separatistas, organizados pelo Movimento, manifestaram-se na capital regional, Ziguinchor, a favor da dissociação do Senegal, uma manifestação que terminou em confrontos que resultaram em ferimentos e na prisão, entre outros, do líder Augustin Djamakoun Senghor.

No ano seguinte, outro protesto semelhante terminou com 25 mortes, e desde então o número de mortos aumentou para cerca de 5.000 em um conflito com raízes políticas, econômicas e culturais, em vez de étnicas, de acordo com o blog pazcondignidad.org.

Casamansa é uma região potencialmente rica, mas o conflito armado está impedindo seu desenvolvimento, agora baseado significativamente na agricultura e na pesca, e é considerada uma opção turística importante e pouco explorada; de acordo com os operadores turísticos, a área está entre aquelas com as praias mais bonitas da África.

Entretanto, tudo isso se torna inútil devido à situação “sem paz, sem guerra”, que está corroendo a segurança ali, e a possibilidade de finalmente parar a luta, que agora envolve um contingente militar da Ecowas, está sendo gradualmente removida da agenda política, destacando a complexidade do assunto.

Por sua vez, o MFDC não é política e ideologicamente homogêneo, e uma de suas facções negociou com Dakar em 2020 sob os auspícios da Comunidade de Sant’Egidio.

A delegação dos rebeldes foi liderada por Salif Sadio, chefe dos destacamentos que operam onde ocorreu o ataque mais recente aos soldados senegaleses, enquanto a opinião de que há ambiguidade na solução do problema se tornou proeminente nas redes sociais.

jha/to/mt/vmc

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.