22 de January de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

EUA: Semana para Biden de mal a pior

eua-semana-para-biden-de-mal-a-pior

EUA: Semana para Biden de mal a pior

Washington, 15 jan (Prensa Latina) O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, vai de mal a pior em índices de aprovação quase um ano depois de assumir o cargo, segundo análise de pesquisas divulgadas hoje pela mídia.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Nos últimos dias, o presidente sofreu uma queda sem precedentes em sua aceitação, segundo o resultado de uma pesquisa da Universidade Quinnipiac, uma das questões de impacto na semana que termina neste sábado.

O estudo, divulgado na quarta-feira, mostrou apenas 33% de aprovação pública para o presidente, a menor desde que ele chegou à Casa Branca em 20 de janeiro do ano passado.

Naquela época, ele tinha 55% de apoio, mas o fato de 11 meses depois apenas um terço do país apoiar o presidente é ainda mais surpreendente, informou o jornal The Hill.

O jornal lembrou que, nas eleições de 3 de novembro de 2020, Biden recebeu mais votos do que qualquer outro candidato presidencial da história: 81 milhões, ou seja, mais de 10 milhões que o recordista anterior, Barack Obama.

Os números lhe deram 25% de aprovação entre os independentes; 24 entre pessoas entre 18 e 34 anos; 34 em relação à sua gestão na economia e 39 em relação ao Covid-19.

No mesmo tipo de investigação da Quinnipiac em maio de 2021, a aprovação de Biden ao lidar com a pandemia foi de 65%, um aumento de 26 pontos.

Na própria quarta-feira foi anunciado que o índice de preços ao consumidor aumentou sete por cento no ano que acaba de terminar, seu maior aumento desde 1982, enquanto a inflação está no nível mais alto das últimas quatro décadas.

As coisas pioraram na quinta-feira, quando Biden foi ao Capitólio buscando o endosso democrata da legislação de direitos de voto e falhou.

Kyrsten Sinema, senadora democrata do Arizona, se opôs à eliminação da obstrução, um procedimento parlamentar usado para atrasar ou impedir acordos, o que pode ser um obstáculo intransponível na Câmara Alta.

O presidente expressou suas dúvidas sobre o futuro das duas iniciativas de proteção ao direito de voto que querem avançar no Congresso.

Ao mesmo tempo, ele admitiu que seu esforço para aprovar mudanças nas leis de votação e na regra de obstrução do Senado pode estar “fadado ao fracasso”.

Também na quinta-feira, o STF tratou o chefe da mansão executiva um grave revés ao bloquear seu mandato de vacinação contra a Covid-19 em grandes empresas com uma decisão em que os conservadores prevaleceram (6-3).

Em uma semana de azar, alguns colunistas da mídia, como o The New York Times, pediram a Biden que não concorresse à reeleição em 2024 e outros, se o fizesse, destituíssem Kamala Harris de sua chapa presidencial.

Embora o presidente tenha marcado pontos a favor nesses 11 meses, como o pacote de ajuda de 1,9 bilhão de dólares para a Covid-19 e alcançado um acordo bipartidário em infraestrutura de 1,2 bilhão de dólares, os outros desafios eclipsaram esses feitos.

Observadores estimam que o cenário atual deve ser especialmente preocupante para Biden, já que ele tem o segundo menor índice de aprovação de todos os presidentes em seu primeiro ano.

Apenas Donald Trump, que está em torno de 30 pontos, tem um indicador mais baixo.

jha/dfm/ml

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.