20 de January de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

O ocaso do reinado de Alejandro Giammattei na Guatemala

Guatemala, presidente, reinado, ocaso

O ocaso do reinado de Alejandro Giammattei na Guatemala

Guatemala, 14 jan (Prensa Latina) O segundo ano do mandato do Presidente da Guatemala Alejandro Giammattei é marcado hoje por dois pontos de vista diferentes, um complacente com sua administração e o outro muito crítico por parte dos cidadãos.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Como em 2020, a Covid-19 estava na base de tudo e não deu descanso; pelo contrário, mostrou a face oculta de um executivo para além da euforia de seus primeiros discursos, outro 14 de janeiro no Centro Cultural Miguel Ángel Astúrias.

Sucessivos estados de calamidade ou cerco, protestos sociais, crises hospitalares e má administração da pandemia e dos recursos aprovados pelo Congresso para combatê-la e comprar vacinas colocaram o chefe de Estado em xeque e suas promessas de unidade em dúvida.

Durante os meses de junho, julho e agosto, os diretores dos principais hospitais que tratavam a Covid-19 chegaram ao ponto de dizer que a pandemia os havia colocado de joelhos diante da avalanche de infecções no empobrecido sistema de saúde pública, que recebeu toques cosméticos.

Em dezembro passado, o país teve mais de 16.000 mortes, o maior número da América Central, e, em contraste, apenas 4,9 milhões de pessoas foram totalmente imunizadas de uma meta de mais de 12 milhões, agora com a adição da variante Ômicron.

Passo a passo, a aceitação popular do presidente caiu de 80%, quando ele chegou ao poder, para 21%, de acordo com um recente ranking de pesquisa Gallup dos líderes americanos (19º de 20).

Os atrasos nas entregas de vacinas compradas da Rússia e a dependência de lotes doados atrasaram o plano de imunização para o segundo semestre do ano, e a pergunta das mídias sociais e de manifestações “Onde está o dinheiro e as vacinas?” ficaram sem resposta.

A partir de exigências tépidas, no final de julho o chamado para uma greve plurinacional decolou nos departamentos com bloqueios contínuos em estradas-chave como pressão contra o executivo com o slogan “Até cair! para exigir a partida de Giammattei e sua equipe”.

Outra característica chave do executivo foi a intimidação aberta dos jornalistas e da mídia, ao ponto de a Associação de Imprensa ter denunciado em novembro um cerco incomum.

A criminalização também se estendeu aos líderes comunitários e juízes independentes, que se sentiram desconfortáveis e estão encarregados dos julgamentos anticorrupção de alto impacto, segundo a Coordenação de ONGs e Cooperativas (Congcoop).

Em sua opinião, foram feitos esforços mínimos para reduzir a desigualdade, a pobreza e a pobreza extrema nas áreas rurais e urbanas, como demonstrado pela baixa qualidade dos gastos.

“O governo está novamente falhando diante de uma população sitiada pela corrupção, pandemias, desemprego, falta de oportunidades e cuja única chance é migrar”, menos de um mês após o trágico acidente rodoviário no México, no qual 53 guatemaltecos morreram e cem ficaram feridos.

Talvez o não cumprimento mais óbvio seja a luta contra a desnutrição, que com a pandemia era quase inexistente, enquanto a prevalência da desnutrição crônica atingiu 49,8%, o primeiro lugar na América Latina e sexto no mundo, de acordo com a UNICEF.

Duas questões tiveram melhor desempenho para ser justo, a implementação do seguro de saúde escolar e a garantia de alimentação sem aulas presenciais na maioria das escolas.

Outra bandeira acenada por Giammattei foi a conquista da reativação macroeconômica (fechamento de 7,5% do PIB) e um número recorde de atração de investimentos estrangeiros, um mérito reconhecido pela elite empresarial, que sempre o apoiou como setores históricos beneficiários.

Agora imerso em um ano pré-eleitoral, ele será testado em sua capacidade de estender sua autoridade concedendo projetos públicos e outras vantagens como moeda de troca, especialmente no Congresso, que em grande parte o aconchegou e ouvirá seu relatório hoje.

O novo Conselho de Administração estará novamente nas mãos do partido oficial Vamos, mas a tendência, alertam os analistas, não mudará; seu reinado definhará prematuramente para 2023 diante de um gigantesco déficit de capital político e uma rejeição esmagadora dos cidadãos.

acl/mmc/vmc

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.