18 de January de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Invasão dos EUA ao Panamá, proibida de esquecer (+Fotos)

Invasão dos EUA ao Panamá, proibida de esquecer (+Fotos)

Panamá (Prensa Latina) Com 87 anos a reboque, Aristides Salinas mantém distância de cada minuto de 20 de dezembro de 1989, quando os Estados Unidos lançaram bombas e mais de 26.000 soldados para invadir o Panamá.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

O ex-corregedor – figura que representa o povo fundado pelo ex-presidente Omar Torrijos (1968-1981) – de El Chorrillo, bairro mártir que quase desapareceu sob os estilhaços da aviação e da artilharia que mutilaram a manhã de Natal, afirma que todo panamenho tem um visão muito pessoal daquele crime hediondo.

Lentamente, ele mostra a este repórter o monumento atual: um par de lápides e uma pedra branca com uma placa modesta que perpetua a memória dos caídos e relata que toda a rua foi povoada por casas de madeira incendiadas com chamas e explosões que aterrorizou e assassinou seus habitantes, um povo indefeso.

Aqui as armas mais sofisticadas da época foram testadas e posteriormente utilizadas pelos americanos em agressões contra outras nações, diz ele.

O maior massacre de que o país se lembra, afirma, não foi capaz e não poderá apagar a memória histórica e as reivindicações por justiça. Nosso grande desafio é fazer com que as novas gerações conheçam a nossa verdade.

Devemos transmitir o que aconteceu com toda a crueza, mas também com o patriotismo daqueles dias, como demonstraram os mais jovens dos batalhões da dignidade, quando os altos chefes militares correram para se refugiar no quartel do inimigo em Howard e Clayton, condenados a Salinas.

HISTÓRIA E JUSTIÇA

Analistas asseguram que os panamenhos foram traídos naquela manhã, quando os vencedores das fraudulentas eleições de maio de 1989 – Guillermo Endara, como presidente e os vice-presidentes Ricardo Arias e Guillermo Ford – receberam dos chefes militares norte-americanos informações sobre o exato momento da invasão e eles receberam a promessa de chefiar o novo governo, o que eles aceitaram.

A chamada Causa Justa, cujos supostos objetivos eram acabar com a suposta ditadura, capturar o ex-general Manuel Antonio Noriega, restaurar a democracia e proporcionar bem-estar ao povo, na realidade trouxe a morte ao bairro mártir de El Chorrillo.

Dezenas de civis aniquilados se acumularam nas ruas, sem permitir que seus parentes resgatassem seus corpos, enquanto os tanques passavam por cima deles.

Além das perdas humanas, esta invasão causou a destruição de grande parte da infraestrutura do Panamá, deixando milhares de pessoas desabrigadas, obrigadas a se mudar de suas casas, refugiando-se em outros territórios.

Embora a capital tenha sido a mais atingida por esta operação militar, também houve vítimas na província caribenha de Colón e em Río Hato, áreas que foram indiscriminadamente bombardeadas e incendiadas.

O elevado número de residências e edifícios destruídos pela invasão mostra que as tropas do Pentágono não fizeram nenhum esforço para se limitar a alvos militares e evitar danos às vidas e propriedades da população civil panamenha.

Ainda hoje, para as milhares de vítimas desses eventos, a justiça não foi feita.

COMISSÃO 20 DE DEZEMBRO

Trinidad Ayola, presidente da Associação de Parentes e Amigos dos Caídos de 20 de dezembro, considerou que existem muitas dívidas pendentes, inclusive o conhecimento do paradeiro de milhares de desaparecidos, bem como a identificação dos restos mortais das vítimas mortais, em um processo de exumação de cadáveres que não termina.

Ele estimou que a invasão não teve a necessária condenação internacional, apesar de um relatório de 2018 da Comissão Interamericana de Direitos Humanos que julgou os Estados Unidos pelas violações perpetradas e instou seu governo a indenizar as vítimas.

Nessa luta, avançamos como a formação da Comissão de 20 de dezembro de 2016, chefiada pelo professor Juan Planells e dedicada exclusivamente à investigação desses eventos, disse o ativista.

É também nosso propósito, disse ele, que o Executivo apoie a criação de um Museu em homenagem a essas vítimas e que reúna todos os elementos da invasão e suas consequências.

Em abril deste ano, a proposta de uma obra dessa envergadura foi a tese da arquiteta recém-formada Fanny Palacios, segundo o jornal La Estrella de Panamá, embora até hoje poucos se lembrem do projeto da jovem graduada da Universidade do Istmo.

Palacios propôs o bairro Mártir de El Chorrillo na capital, no parque Amelia Denis de Icaza (1836-1911), uma poetisa panamenha com uma obra de profundo patriotismo, conteúdo político e denúncia social como sede do Museu.

Em declarações à Prensa Latina, o próprio Planells especificou que outra dívida para com as famílias das vítimas é o estudo científico e sério dos cadáveres exumados nos cemitérios Jardín de Paz, na Cidade do Panamá, e no Monte Esperanza, na província caribenha de Colón.

Para isso, agora terão um novo Laboratório de DNA doado pela Polícia Nacional que estudará os restos mortais agrupados em 38 sacos.

Especialistas panamenhos altamente qualificados, indicou, realizam esta tarefa que permitirá ao povo panamenho prestar a necessária homenagem àqueles que ofereceram suas vidas durante aquele ato brutal que não devemos esquecer.

Planells estimou que os primeiros resultados dessa pesquisa poderiam ser obtidos no início de 2022. Ele também destacou que outra das dívidas é o trabalho que está sendo feito para promover novas denúncias contra os Estados Unidos por violação dos direitos humanos dos panamenhos.

Enquanto analistas como o advogado Antonio Saldaña consideram que a operação, pouco antes das férias de Natal, foi um ato deliberado e unilateral que também causou crimes hediondos contra a humanidade e colocou em perigo o canal interoceânico.

Considera que os governos da época, então e agora, mantêm silêncio cúmplice sobre as verdadeiras causas e consequências da ação militar, mas, pior ainda, os esforços para indenizar centenas de familiares das vítimas, civis inocentes e militares que enfrentaram a violência , são insuficientes.

Víctor de Gracia, ex-deputado e analista político, argumenta que é fundamental para o país que o Governo, de uma vez, declare por lei o dia 20 de dezembro como Dia Nacional de Luto e não por decreto como agora, que só hoje institui a bandeira nacional a meio mastro e exclui o encerramento de escritórios públicos ou privados.

Apresentamos um projeto sério nesse sentido ao legislador, mas ninguém sabe por que não prospera, acrescentou.

32 anos após a invasão militar dos Estados Unidos ao Panamá, o clamor para resgatar a memória histórica daquele genocídio é renovado.

Múltiplas marchas de movimentos sociais chegaram à Presidência da República, à Assembleia Nacional (parlamento) e à Embaixada dos Estados Unidos para exigir justiça. Proibido esquecer! era seu lema de luta.

rmh / ga/bj

* Correspondente da Prensa Latina no Panamá

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.