20 de January de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Solidariedade chega a Cuba através do ciberespaço, ar e mar

Solidariedade chega a Cuba através do ciberespaço, ar e mar

* Claudia González Corrales
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Havana, 28 dez (Prensa Latina) Os impactos da pandemia Covid-19 e o bloqueio econômico, comercial e financeiro imposto pelos Estados Unidos levaram vários países a estenderem um braço de solidariedade a Cuba, que chegou através do ciberespaço, ar e mar.

Este pequeno Estado, que logo após o triunfo revolucionário de 1º de janeiro de 1959 deu exemplos de ajuda internacional e consolidou essa prática, recebeu do mundo remédios, alimentos e outros insumos que demonstravam a rejeição ao cerco de Washington, aplicado por quase seis décadas e com danos superiores a 147,853 bilhões de dólares.

Nos últimos meses, dois aviões da Rússia com 88 toneladas de assistência humanitária, um avião da Bolívia, dois navios que partiam do México e outros carregamentos tocaram em terras cubanas, com materiais de biossegurança, seringas descartáveis, combustível e oxigênio médico.

Uma doação de 12 mil toneladas de arroz saiu do Vietnã, enquanto a Nicarágua doou 30 contêineres com alimentos e, em um segundo carregamento, feijão vermelho e 28.812 galões de óleo vegetal.

Ventiladores pulmonares da China, produtos alimentícios da Venezuela, Belize e São Vicente e Granadinas, bem como suprimentos médicos da Jamaica e da Austrália, são outros sinais de solidariedade a esta nação caribenha.

CONTRIBUIÇÕES ALÉM DOS GOVERNOS

Além da contribuição dos governos, no contexto marcado pelo pior surto da emergência sanitária em Cuba, diversas organizações, grupos de amizade e cubanos no exterior arrecadaram fundos e enviaram recursos.

Entre eles estão, por exemplo, a Associação José Martí de Residentes Cubanos no México e o movimento de solidariedade nessa nação asteca, que arrecadou mais de US $ 26.124, posteriormente investidos em remédios e insumos para a saúde pública.

Ativistas e cidadãos nascidos na ilha que vivem na Itália coordenaram a chegada a Havana de um avião com mais de 200 metros cúbicos ocupados por cilindros de oxigênio, máscaras, antibióticos e testes rápidos para detectar o coronavírus SARS-CoV-2, destinado a centros hospitais no país.

Recentemente, a Associação Sueco-Cubana de Solidariedade atingiu sua meta de arrecadar fundos equivalentes a um milhão de seringas para apoiar a vacinação contra a Covid-19.

Cuba agradeceu os meios de proteção, bolsas de diálise, dispositivos para infusão, entre outros produtos disponibilizados pelo Chile, Panamá, República Dominicana, Brasil, Equador, Haiti, Uruguai e Guiana, em campanha coordenada por uma rede continental latino-americana e caribenha.

Também membros do partido alemão La Izquierda organizaram a chegada de um contêiner com máscaras de ventilação especiais, aparelhos de ultrassom, suturas cirúrgicas, sondas, mobiliário clínico, material descartável e kits de higiene pessoal para o combate à Covid-19.

A partir das cobranças recebidas, foi aqui articulado um mecanismo de distribuição equitativa e gratuita de módulos com produtos como arroz, macarrão, grãos e açúcar aos 3,8 milhões de domicílios existentes no país.

SUPORTE ATRAVÉS DO CYBERESPAÇO

Essa solidariedade também encontrou eco no ciberespaço, lugar de confronto com a máquina subversiva que tentou novamente este ano derrubar a ordem socioeconômica e política em Cuba.

Lá, amigos de todo o mundo compartilharam mensagens em apoio a este país caribenho e rejeitaram a interferência em seus assuntos internos por meio de uma operação política e de comunicação instigada e financiada pelos Estados Unidos com táticas típicas da guerra não convencional.

Durante grande parte do ano, especificamente no último fim de semana de cada mês, centenas de cidades no mundo testemunharam caravanas pela paz, pelo amor e pela solidariedade, que incluíram manifestações em carros, bicicletas, ralis, encontros culturais e debates nas redes sociais.

PONTES DE AMOR DOS EUA E DA EUROPA

Em julho, a caminhada de 2.000 quilômetros do projeto Puentes de Amor, liderado pelo ativista Carlos Lazo, chegou à capital dos Estados Unidos para exigir que a Casa Branca cessasse as medidas coercitivas contra Havana e o estabelecimento de relações bilaterais respeitosas e civilizadas.

A iniciativa, que começou sua peregrinação em 27 de junho na cidade de Miami, Flórida, com destino a Washington, teve como objetivo chamar a atenção para a necessidade do presidente Joe Biden derrubar o bloqueio, aplicado há quase seis décadas.

Segundo o professor Lazo, tal política de sufocamento é “uma gigantesca violação dos direitos humanos”, não só do povo cubano, mas de todas as “famílias que querem ajudar os seus a partir daqui e são impedidas de fazê-lo”.

Por isso, ao longo do caminho, o grupo de cubano-estadunidenses uniu forças e criou alianças a favor da reaproximação entre os Estados Unidos e Cuba e o fim do cerco unilateral.

Em dezembro, integrantes do Puentes de Amor chegaram à Itália para também protagonizar uma caminhada de quase 200 quilômetros contra a hostilidade de Washington, da cidade de Assis a Roma.

A marcha contou com a participação do presidente da Associação para o Intercâmbio Econômico e Cultural com a nação europeia, Michele Curto, e a coordenadora das Associações de Cubanos residentes, Ada Galano, e se soma a outras atividades, inclusive encontros com grupos de solidariedade.

O ponto de convergência entre as diferentes iniciativas de apoio à nação caribenha foi o Instituto Cubano de Amizade com os Povos, que no dia 17 de cada mês organizou eventos virtuais contra o bloqueio, com a participação de ativistas de diferentes partes do mundo.

ESTADUNIDENSES VISITAM CUBA

Outro exemplo de solidariedade com o território insular foi a visita em novembro da XXXI Caravana de Pastores pela Paz, organização inter-religiosa estadunidense, que teve duas semanas de intercâmbios com associações de mulheres, operárias, passeios por instituições educacionais e centros de interesse histórico e cultural.

Foram “dias surpreendentes, nos quais sentimos amor, compaixão, humanidade e finalmente vimos uma nação que prioriza seu povo e sua vida”, disse à Prensa Latina David Chung, membro do Fórum Popular de Nova York, do grupo que reafirmou seu repúdio às agressões de Washington contra Havana.

Enquanto em 2021 o mundo decidia oxigenar Cuba com suas ações, os Estados Unidos optaram por promover a subversão e manter a asfixia econômica derivada do bloqueio e das 243 medidas coercitivas aplicadas pelo o governo Donald Trump (2017-2021).

No entanto, a Casa Branca faz ouvidos surdos à reivindicação internacional que exige o fim do bloqueio (considerado o principal obstáculo ao desenvolvimento cubano), e lhe é difícil compreender essa solidariedade que, através da Internet, do mar e do ar desafia a suposta lógica de sua hostilidade.

rmh/cgc/cm

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.