20 de January de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Bulgária entre o mau governo e a Covid-19 em 2021

Bulgaria-elecciones

Bulgária entre o mau governo e a Covid-19 em 2021

Por Ernesto Hernández Lacher (*) Havana (Prensa Latina) A Bulgária aposta no fim de um período de instabilidade política, que durou quase todo o ano de 2021, com a recente aprovação de um novo governo de coalizão.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

A Assembleia Nacional (Parlamento) aprovou em meados de dezembro o nascente executivo quadripartidário liderado pelo primeiro-ministro Kiril Petkov.

Os 134 deputados da coligação votaram a favor do novo chefe de governo, 104 parlamentares manifestaram-se contra e dois não compareceram ao plebiscito.

As prioridades de Petkov incluem a anunciada tolerância zero para a corrupção, a luta contra a pobreza, o crescimento econômico e o desenvolvimento do país mais pobre da União Europeia (UE).

O partido Vamos Continuar a Mudança (PP), do qual é membro e vencedor das eleições de 14 de novembro, lidera a coalizão, também formada pelos socialistas do BSP, bem como Existe Tal Povo e a Bulgária Democrática, esta última com um maioria, em 134 dos 240 lugares no Parlamento.

Os deputados do conservador e populista Cidadãos para o Desenvolvimento Europeu da Bulgária (GERB), o ex-chefe de governo de saída e polêmico Boiko Borisov, o protagonista dos protestos que mergulharam esta nação no caos, votaram contra.

O novo executivo também foi combatido pela força política chamada Movimento pelos Direitos e Liberdades, assim como pelo ultranacionalista Vazrazdane recém-criado.

DÉCADA DE BORISOV

Desde o verão de 2020, o país mergulhou na estagnação social e eclodiram protestos contra Borisov, acusando-o de corrupção e laços com a máfia.

Nas eleições parlamentares de abril, seu partido político obteve 26% dos votos, mas não conseguiu formar um novo governo.

Em meio a esta situação ingovernável, o presidente Rumen Radev falou da dissolução da Assembleia Nacional, da realização de eleições antecipadas e alertou que a situação política pode levar a uma crise constitucional.

Radev disse então que o país precisava de uma “alternativa”, pediu a todas as forças políticas que reconsiderassem seu comportamento e pediu uma atuação responsável para evitar o caos.

O presidente se opõe às políticas que Borisov aplicou e que também impactaram o setor saúde e o confronto com a Covid-19.

Este país é o mais lento a implementar o programa de vacinação do bloco regional e apresenta uma das taxas de mortalidade pela doença mais elevadas da UE.

Alguns cidadãos consultados pela imprensa nacional mostram medo da vacinação por diversos motivos, enquanto outros negam a pandemia, apesar das evidências científicas.

A isso se soma a desconfiança quase total da população no Estado e no sistema político, que consideram atormentado pela corrupção.

PROMESSAS DE PETKOV

Em consonância com as prioridades anunciadas, Petkov prometeu aos seus eleitores “transparência absoluta de cada moeda pública gasta”, bem como a supremacia da lei sobre a imunidade, que os analistas viram como uma referência clara a Borisov.

Somente em equipe poderemos atingir esses objetivos e trabalharemos junto com a oposição que peço para acompanhar cada passo e cada erro nosso, disse Petkov, empresário e economista de 41 anos formado no Canadá e nos Estados Unidos.

O novo chefe de governo exortou a população a se vacinar contra a Covid-19 e descreveu esta opção como a única forma de evitar o confinamento de crianças e adultos e para a economia do país.

A estratégia inclui a contratação de empresas de marketing para organizar grupos de foco sobre imunizantes e possíveis incentivos financeiros para que maiores de 65 anos recebam as doses, disse o próprio Petkov em uma entrevista durante sua primeira viagem oficial a Bruxelas.

Para superar a desconfiança que a população tem nas instituições de saúde, o primeiro-ministro escolheu a professora de virologia Radka Argirova para supervisionar o programa de imunização. Petkov se considera um homem próximo da população e, nesse sentido, anuncia passeios frequentes por Sofia, a capital.

Pretendo mudar a cultura do que significa ser primeiro-ministro. Vou andar pelas ruas e falar diretamente com as pessoas, disse ele após assumir o cargo perante o Parlamento.

Analistas como o cientista político búlgaro Antoaneta Hristova acreditam que Petkov deveria enfrentar imediatamente a crise sanitária, econômica e social que o país atravessa, mas previu uma vida curta para o novo executivo devido às diferenças ideológicas entre os quatro sócios.

No que diz respeito às questões de política externa, o novo chefe do governo búlgaro salientou em Bruxelas que a posição do seu país “está totalmente alinhada” com as posições da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) e da UE.

No entanto, ele afirmou que a abordagem diplomática e pacifica diante de potenciais conflitos é a melhor maneira de avançar e declarou que as estruturas da aliança militar e do bloco integracionista devem funcionar “em sinergia e de forma conjunta”.

arb / to / ehl / ls

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.