18 de January de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Solidariedade com Cuba em 2021, Europa novamente presente

Solidariedade com Cuba em 2021, Europa novamente presente

* Waldo Mendiluza
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Paris, 22 dez (Prensa Latina) O pensamento de Martí “Quem se levanta hoje com Cuba, se levanta para sempre” voltou em 2021 a orientar a resposta de parlamentares, sindicatos, organizações de solidariedade e cubanos residentes na Europa diante das agressões dos Estados Unidos contra a ilha.

A condenação ao bloqueio econômico, comercial e financeiro imposto por Washington, as campanhas de envio de doações e as iniciativas para enfrentar a dominante manipulação midiática da informação sobre o país caribenho abundaram-se no ano que termina, o que motivou o agradecimento de Havana.

Em 2021 marcada pela continuidade do impacto global da pandemia Covid-19, Cuba também teve que lidar com a intensificação do cerco, já que o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, manteve cada uma das 243 medidas decretadas por seu antecessor, Donald Trump, 50 delas desencadeados em meio à crise sanitária.

Prensa Latina analisa algumas das ações de apoio desenvolvidas em nações como Bélgica, França e Suécia, e compartilha a visão de seus protagonistas, expressa em declarações exclusivas a esta agência.

A arrecadação de dinheiro para ajudas na área da saúde e o envio de equipamentos médicos e medicamentos foi uma das atividades comuns nos três países, uma solidariedade que reuniu organizações locais e residentes cubanos.

Na Bélgica, o projeto Cuba Soberana, coordenado pelo incansável Reinaldo Romero, encheu três contêineres – dois em julho e um em dezembro – com dezenas de toneladas, que incluíam mobiliário hospitalar, cadeiras de rodas, banheiras para idosos, máscaras, luvas cirúrgicas e fármacos.

É uma iniciativa motivada pelo amor à ilha e pelo compromisso de ajudar seu povo em tempos difíceis, da qual participaram associações belgas como o Cubanismo.be e os Amigos de Cuba, disse Romero, que afirmou o objetivo de manter o projeto, além o contexto atual da pandemia.

Também foram enviadas cargas da França com assistência destinadas ao setor da Saúde, pelas organizações Cuba Coopération France (CubaCoop) e Montpellier Cuba Solidarité.

CubaCoop realizou seu evento principal anual no dia 1º de outubro com a participação de mais de 500 empresários, autoridades eleitas e personalidades políticas, na qual seu presidente, Victor Fernandez, exortou que Biden acabasse com a hostilidade contra a ilha.

“Senhor Presidente Biden, Cuba não mata, Cuba cura; derrube o bloqueio econômico que assola aquele país e anule as 240 medidas adotadas por seu antecessor (Donald Trump) para fortalecê-lo”, afirmou no evento anual da associação que reúne mais de 25 anos de colaboração com a nação caribenha, onde trabalhou em dezenas de projetos de desenvolvimento local e nacional.

Diante das deficiências provocadas pelo cerco a Washington e pelo avanço da campanha de vacinação com imunógenos nacionais, a ideia de apoiar a administração de vacinas ganhou impulso na Europa, a partir da arrecadação de dinheiro para a compra de seringas e agulhas.

Na França, a associação Cuba Linda lançou em abril, com o apoio da France Cuba, a iniciativa de um milhão de seringas, que arrecadou 84 mil euros, para superar a meta fixada em junho.

“Agradecemos as muitas organizações e pessoas que deram sua contribuição, em uma arrecadação destinada a fazer frente ao infame bloqueio, que mesmo sob a pandemia continuou a se intensificar e impediu a chegada de suprimentos médicos essenciais”, disse o Presidente de Cuba Linda, Didier Lalande.

Também na Escandinávia, uma campanha semelhante foi desenvolvida no segundo semestre do ano, promovida pela Associação de Solidariedade Sueco-Cubana, com mais de um milhão de coroas arrecadadas, perto de 100.000 euros.

Uma coroa sueca equivale a uma seringa, disse seu presidente, Zoltan Tiroler, que especificou que o dinheiro arrecadado foi transferido para a MediCuba Suíça, entidade responsável pelo processamento da compra.

Observou que a meta de um milhão de seringas parecia um grande desafio, “mas conseguimos duas semanas antes do final do ano, o que nos deixa orgulhosos e mostra que a solidariedade com a ilha da Suécia é muito mais forte do que a mídia em nosso país quer reconhecer “.

NAS RUAS CONTRA O BLOQUEIO

O ano que se encerra foi palco de mobilizações nas ruas de cidades da França, Bélgica e Suécia para exigir em comícios, marchas e caravanas o fim imediato e incondicional do bloqueio norte-americano.

A associação Cuba Sí France e os sindicatos da Confederação Geral do Trabalho (CGT) levaram esta reivindicação em Paris durante a mobilização para o 1º de maio, na qual dezenas de manifestantes marcharam atrás de um caminhão com bandeiras cubanas e a reivindicação “Parem o bloqueio, Viva Cuba. “

Estiveram presentes Haydeline Díaz e Patricia Pérez, da Coordenadora de Moradores Cubanos na França, que destacou o repúdio ao cerco imposto à sua pátria durante o percurso que partiu da Praça da República.

Em Bruxelas, a emblemática esplanada do Atomium foi por várias vezes palco de mobilizações de cidadãos solidários e residentes cubanos, enquanto o Coordenador Belga contra o Bloqueio de Cuba desenvolveu uma iniciativa peculiar em novembro.

As cidades de Liège e Ghent foram as protagonistas da denúncia da cumplicidade dos bancos belgas com a postura agressiva de Washington em relação à maior das Antilhas, ao impedir as transferências de dinheiro, mesmo as realizadas a título humanitário.

Os participantes dos eventos ergueram uma parede de papelão para ilustrar o cerco financeiro a Cuba e, simbolicamente, golpearam-na com uma marreta, nas proximidades dos bancos ING e BNP-Paribas-Fortis.

O que essas instituições estão fazendo é inaceitável, com uma postura que viola as leis nacionais e europeias, que proíbem o alcance extraterritorial das regulamentações estrangeiras, neste caso dos Estados Unidos, alertou o membro da Secretaria do Coordenador Wim Leysens.

A iniciativa de solidariedade incluiu o envio de e-mails aos ministros da Fazenda e da Economia, para lembrá-los de que os bancos não devem ignorar as leis e exortá-los a agir.

Por sua vez, a bela e fria Estocolmo foi palco de caravanas de automóveis para exigir o fim do bloqueio, convocado pela Associação de Solidariedade Sueco-Cubana, com o apoio de moradores cubanos.

REJEIÇÃO A DESTABILIZAÇÃO

A nova campanha estimulada e financiada pelos Estados Unidos para desestabilizar o país caribenho por meio de manifestações antigovernamentais, encontrou forte repúdio no velho continente, onde se celebrou a derrota da cruzada subversiva em meados do ano.

Na ilha, foram os revolucionários que saíram às ruas, destacou a associação francesa Cuba Linda, enquanto Cuba Sí France organizou um ato de apoio à Revolução na Praça da República, no qual mais de uma centena de pessoas participaram.

As forças políticas La Francia Insoumise, o Partido Comunista Francês, o Pólo do Renascimento Comunista e os sindicatos somaram sua voz à denúncia dos planos desestabilizadores e defenderam o direito do povo cubano de escolher seu próprio caminho.

Por sua vez, o presidente do Grupo de Amizade França-Cuba da Assembleia Nacional Francesa, François-Michel Lambert, ratificou a cruzada de urgência para acabar com o bloqueio de caráter extraterritorial, política que considerava responsável pela difícil situação econômica na ilha.

O deputado ambiental do departamento sul de Bocas del Ródano descreveu como uma boa notícia a reabertura socioeconômica iniciada em 15 de novembro, dia escolhido para estimular a desestabilização.

Sob o lema Cuba Vive, membros de associações como Cubanismo.be e Amigos de Cuba na Bélgica, juntamente com indivíduos, publicaram mensagens nas redes sociais contra a violência e o caos promovidas para impor uma mudança de regime naquela nação antilhana. “Chega de pressão” e “Cuba vive no coração de homens e mulheres de boa vontade” foram algumas das expressões veiculadas em vídeo-mensagens.

A Esquerda Europeia, que está presente no Parlamento Europeu, também exigiu que Washington acabasse com os ataques ao país caribenho, que descreveu como exemplo de resistência e determinação.

O canal Europa por Cuba transmitiu um programa especial para desmascarar a nova campanha subversiva e o papel de Washington em seu incentivo e financiamento.

A plataforma de solidariedade completou um ano de transmissões dominicais no YouTube em outubro, e entre suas iniciativas estava o lançamento de uma petição online para promover o respeito à soberania da ilha e repudiar os apelos por uma intervenção militar dos EUA disfarçada de ação humanitária.

Lembrou que em Cuba seu povo optou pelo modelo social vigente, que permitiu criar e desenvolver vacinas contra Covid-19 e manter níveis mínimos de letalidade diante da pandemia, em comparação com outras nações latino-americanas e do planeta, incluindo os mais rico.

rmh/wmr/cm

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.