26 de January de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Poeta nicaraguense Rubén Darío conquistou a Europa pela língua

poeta-nicaraguense-ruben-dario-conquistou-a-europa-pela-lingua

Poeta nicaraguense Rubén Darío conquistou a Europa pela língua

Por Danay Galletti Hernandez
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Manágua, 14 dez(Prensa Latina) O poeta, diplomata e herói Rubén Darío tem hoje presença constante em parques, escolas, teatros e obras monumentais de sua natal León, e sua efígie e literatura também dominam outros espaços emblemáticos da Nicarágua.

O escritor e acadêmico Francisco Bautista contou à Prensa Latina como, em um dos jardins da cidade espanhola de Trujillo, também recebeu o rosto do pai do modernismo em uma tarja, adicionada à marca latino-americana do intelectual no Panamá, Guatemala e Argentina.

“Darío tem uma característica interessante: você pode amá-lo ou odiá-lo, mas não pode ser indiferente a ele. Os escritores da época não escaparam de sua influência, ou o enfrentaram por sua rebelião idiomática ou o veneraram ou se afiliavam a sua corrente”, alertou.

De seu livro “El Bardo Eterno” Ruben Dario, poeta universal da América Central, Bautista qualifica o letrado como um “empresário de sucesso”, pois, mediado pelas adversidades de um país considerado da periferia cultural e econômica, atingiu o mais alto nível literário da América Latina.

“É surpreendente porque ele nem tinha o bacharelado. Foi um autodidata que aprendeu, leu e construiu sua própria concepção de literatura, mudou as normas e se rebelou contra o dogmatismo das escolas. Disse, por exemplo, ‘das Academias, livrai-nos Senhor!’

Também não é membro da Real Academia Espanhola (RAE), porém, na opinião de Bautista, impôs novas regras e no estudo da língua há uma etapa anterior e posterior ao autor nicaraguense, faltando, no início, um extens currículo ou uma plataforma política e cultural significativa.

DISCÍPULOS DO BARDO MESTIÇO

Francisco Bautista recordou como o escritor e filósofo bilbao Miguel de Unamuno, então reitor da Universidade de Salamanca, ofendeu Darío durante uma reunião realizada em Madri em 1907, ao dizer com malícia que ao poeta mestiço que se “podia ver as penas indígenas por baixo do chapéu”.

De Paris, França, em 5 de setembro daquele ano e em resposta, o herói nicaraguense enviou-lhe uma carta: “Meu caro amigo: em primeiro lugar, para uma alusão. É com uma pena que tiro debaixo do meu chapéu que te escrevo. E a primeira coisa que faço é reclamar de não ter recebido seu último livro.”

Depois de receber a carta, Unamuno tornou-se um admirador respeitoso da obra dariana, ao lado de outros conterrâneos como Juan Ramón Jiménez (1881-1958), lembrado por seu memorável Platero y yo, embora outros acadêmicos daquelas primeiras décadas do século XX tenham se recusado a reconhecer o valor do poeta.

“Também o colombiano Gabriel García Márquez reconheceu Rubén como professor e, até mesmo, alguns de seus livros, como O Outono do Patriarca, são baseados na poesia do bardo da nação centro-americana, e Cem Anos de Solidão incorpora alguns de suas frases textuais “, especificou.

oda/dgh/cm

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.