27 de January de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Governo hondurenho faz parte da onda de esquerda latino-americana

partido-livre-e-maioria-no-congresso-nacional-de-honduras

Governo hondurenho faz parte da onda de esquerda latino-americana

Tegucigalpa, 3 dez (Prensa Latina) A chegada hoje do Partido da Liberdade e Refundação (Libre) e sua candidata Xiomara Castro à presidência de Honduras faz parte da nova onda da esquerda latino-americana e será mediada pela disputa hegemônica global.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

“Sabemos que o presidente salvadorenho Nayib Bukele, por exemplo, tem problemas com Washington por causa de suas relações com a China. Portanto, não seria do interesse da administração de Joe Biden adotar uma política de distanciamento de Honduras”, disse o analista hondurenho René Hernández à Prensa Latina.

Em 22 de novembro, o encarregado de negócios da embaixada dos EUA em San Salvador, Jean Manes, anunciou sua saída do país centro-americano, pois os Estados Unidos consideravam que as decisões supostamente antidemocráticas de Bukele tinham prejudicado os laços bilaterais.

O diplomata descreveu algumas das medidas adotadas pelo presidente de El Salvador como controversas, incluindo supostos ataques à liberdade de imprensa, limites ao acesso à informação pública, o cancelamento de projetos anticorrupção e um aumento de seus ataques ao poder do norte.

“No caso de Honduras, a relação com os Estados Unidos sempre foi de imposição e vassalagem. Entretanto, em nível regional, a correlação de forças não é a mesma. Temos a Nicarágua, que não segue os projetos de Washington, e agora as recentes posições de Bukele”, reconheceu Hernández.

Em sua opinião, Honduras enfrentou um problema de legitimidade interna e internacional com os sucessivos governos do Partido Nacional, que, embora tenham recebido o apoio dos EUA no passado, agora aparentemente estão tentando estabelecer um tipo diferente de relação com a nomeação de Laura Dogu como sua embaixadora.

O analista, ex-candidato a deputado pela Libre, advertiu que esta aparente proximidade e cordialidade, ferramentas já utilizadas por Dogu em 2015, quando chegou à Nicarágua na mesma posição, se destinam a garantir que Honduras “não saia do controle, nem perca o controle sobre a região centro-americana”.

“Mesmo antes das eleições gerais, Bukele havia mostrado seu apoio a Libre e Xiomara Castro em seu perfil no Twitter, e sua oposição ao governo de Juan Orlando Hernández era bem conhecida. Portanto, parece que estes vínculos serão formais na busca de soberania e autonomia”, disse ele. O ex-candidato do Libre enfatizou que a política externa deveria, doravante, será baseada no respeito à autodeterminação, à soberania e aos assuntos internos de cada país, embora, infelizmente, este respeito se traduza, às vezes, em um ato de rebelião.

Hernández assegurou que o processo de resistência e oposição ao governo do Partido Nacional, que surgiu após o golpe de Estado contra Manuel Zelaya (2006-2009), sempre teve o apoio da Venezuela, Cuba e Nicarágua, e estas nações estão muito próximas dos movimentos e organizações que compõem a Libre.

“Não pretendemos assumir um governo cujos vínculos com estes territórios progressistas lhe são impostos. Cada povo decide seu próprio rumo, autoridades e formas de exercer a democracia. Manteremos relações com quem quer que decidamos”, disse ele.

O objetivo, revelou, é conseguir autonomia e independência com respeito aos laços multilaterais, sem condicionamentos externos, por exemplo, dos Estados Unidos, embora tenha excluído a cessação dos acordos com o poder porque “o confronto também não seria a coisa mais sábia a fazer, pois mais de um milhão de hondurenhos vivem lá”.

jha/dgh/vmc

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.