18 de January de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

2021, ano de Cuba no México

Cuba, México, 2021, relaciones

2021, ano de Cuba no México

Por Luis Manuel Arce (*)
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

México (Prensa Latina) 2021 será lembrado como o ano de Cuba no México pelas importantes atividades de solidariedade, mas em particular pelas manifestações de apoio à Revolução na ilha do Presidente Andrés Manuel López Obrador.

O tema Cuba estava no centro dos debates do Fórum Social Mundial organizado pelo México no início do ano de forma virtual, e realizado com grande sucesso, como foi reconhecido pelos participantes em suas intervenções.

Entre as resoluções finais, a de apoio a Cuba e a exigência do governo dos Estados Unidos de levantar imediata e incondicionalmente o bloqueio à ilha foi uma das mais populares do evento e estimulou as caravanas mundiais de apoio ao povo da maior das Antilhas.

Da mesma forma, o México destacou a presença de uma brigada de médicos cubanos do contingente Henry Reeve que chegou ao país nos momentos mais urgentes e dramáticos da terceira etapa da pandemia de Covid-19, a mais feroz e perigosa de todas as que sofreram o povo mexicano.

O apelo de López Obrador em julho ao mundo, para que considere Cuba Patrimônio da Humanidade e lhe outorgue o Prêmio de Dignidade pelos 62 anos que enfrenta as agressões dos Estados Unidos sem desistir, especialmente do bloqueio econômico, comercial e financeiro, foi estendido a todos os cantos do planeta onde encontrou grande apoio universal.

Em homenagem ao 238º aniversário do nascimento do Libertador Simón Bolívar, no Bosque de Chapultepec e perante os ministros das relações exteriores da América Latina e do Caribe, o presidente López Obrador proclamou que podemos concordar ou não com a Revolução cubana, mas ela é uma façanha ter resistido à política agressiva dos EUA por 62 anos.

Essa afirmação, alertou, pode provocar indignação, mas sua luta em defesa da soberania merece o Prêmio da Dignidade. Essa ilha, acrescentou, é a nova Numancia por seu exemplo de resistência e por isso mesmo Cuba deve ser declarada Patrimônio da Humanidade.

VISITA OFICIAL DO PRESIDENTE CUBANO

Sem dúvida, o ponto culminante deste ano tão significativamente dedicado a Cuba foi a visita oficial do Presidente Miguel Díaz-Canel Bermúdez como convidado especial da parada militar pela entrada do Exército Trigarante na Cidade do México, com a qual a independência foi consumada em 1810 pelo padre Miguel Hidalgo, conhecido como Grito de Dolores.

O líder cubano dividiu palco no Zócalo da capital com seu anfitrião López Obrador e parte de seu gabinete no dia 16 de setembro, e foi o único orador estrangeiro no ato mais importante e solene do Estado do México, na celebração da proclamação da independência.

Díaz-Canel permaneceu mais alguns dias no México para participar da VI Cúpula de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac), considerada histórica pelo fortalecimento daquela organização como interlocutor dos Estados Unidos.

Celac é a principal referência de unidade e integração regional perante a desacreditada Organização dos Estados Americanos (OEA).

Esta cúpula foi mais um palco da batalha de ideias revelada na contundente resposta do presidente cubano aos presidentes do Uruguai e do Paraguai, que tentaram em vão desviar a cúpula da Celac de seu canal de unidade e identidade regional.

As ações do México a favor de Cuba não se encerraram com a reunião da Celac, apesar da importância desse encontro para a ilha, e especialmente das resoluções de apoio ao povo cubano e seu governo, e apelos à oposição ao bloqueio criminoso.

EM OUTROS ENCONTROS

Outubro foi um mês muito importante pois Cuba foi escolhida como a convidada de honra para o aniversário 49 do Festival Cervantino Guanajuato, com estrelas e orquestras no palco, como José María Vitier e orquestra Van Van, entre outros.

Eles encantaram dezenas de milhares de mexicanos no estado anfitrião e na Cidade do México.

Em outro evento não menos importante, como o XXV Seminário Internacional do Partido do Trabalho, a presença de Cuba foi como um sinal à esquerda continental e do mundo.

A reunião endossou as demandas a favor da eliminação do bloqueio dos Estados Unidos a Cuba e a cessação de todo tipo de agressões que o presidente Joe Biden mantém à ilha, ao contrário do que foi prometido em sua campanha eleitoral.

O México foi o país que acolheu tão calorosamente o Herói Nacional José Martí (1853-1895), que aqui escreveu grande parte de seu estudo Nuestra América, fez amizade inquebrantável com Manuel Mercado, casou, escreveu obras como Amor con amor se paga e conspirou para a independência de Cuba.

E foi também um refúgio para Fidel Castro (1926-2016), que se encontrou com Che na casa de María Antonia e organizou a expedição do iate Granma para iniciar a necessária guerra proclamada por Martí.

O México provou mais uma vez, neste ano dramático, ser o grande irmão dos cubanos.

arb / lma / hb

(*) Correspondente-chefe da Prensa Latina no México

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.