26 de January de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Fuzilamento de estudantes de medicina: 150 anos de um crime

Cuba, fusilamiento, estudiantes, medicina, conmemoración

Fuzilamento de estudantes de medicina: 150 anos de um crime

Havana, 27 nov (Prensa Latina) A memória histórica de Cuba ainda mantém intacta a memória de um dos crimes mais horrendos cometidos pelo regime colonial espanhol, a execução de oito inocentes estudantes de medicina há 150 anos.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Os eventos ocorreram em meio às tensões sobre as crescentes derrotas do exército ibérico nas mãos dos líderes da guerra de independência e o clima de terror que a Espanha criou em resposta em todo o campo e cidades do país.

Em 23 de novembro de 1871, um grupo de jovens estudantes de primeiro ano de medicina, movidos pela paixão e inocência de sua idade, vagueou pelo Cemitério Espada da capital, enquanto aguardava a chegada de um de seus professores.

Alguns circulavam o carrinho de mão carregando os cadáveres, outros brincavam entre si, e um arrancou uma flor dos jardins da necrópole, de acordo com pesquisas históricas.

Mas nenhum deles poderia ter previsto o que se seguiria: a acusação de ter profanado a sepultura de um jornalista espanhol que defendeu o colonialismo, as horas de prisão e incerteza, e a morte.

Uma das injustiças em torno do caso foi a prisão de 45 estudantes que foram levados a dois tribunais marciais.

Num primeiro julgamento, que não encontrou motivos para incriminá-los, alguns foram absolvidos e outros receberam penas menores, mas a rejeição do Corpo de Voluntários Espanhol levou a uma segunda audiência com um novo tribunal, que decidiu acusar cinco deles como punição.

Mais três estudantes foram escolhidos ao acaso para levar o total para oito, incluindo um que nem estava na capital no dia dos eventos, todos os quais foram condenados à morte por fuzilamento imediato.

Os capitães espanhóis Nicolás Estévanez e Federico Capdevila, o último dos quais foi o advogado indicado pelo tribunal para os jovens, renunciaram a seus postos.

Os detalhes do incidente também chegaram ao jornalista e escritor José Martí, que na época estava em Madri como deportado, através de seu amigo de infância, Fermín Valdés, um dos estudantes condenados à prisão.

Desde então, ao longo de sua carreira, vários escritos do Apóstolo de Cuba têm se referido ao crime, incluindo o poema Aos meus irmãos que morreram em 27 de novembro de 1871, no qual ele escreveu: “Quando alguém morre// Nos braços da pátria agradecida// A morte termina, a prisão é quebrada;/ A vida começa, finalmente, com a morte”.

150 anos após o crime, e como é tradição a cada ano, os jovens comemoram hoje o evento com atividades em toda a ilha de Cuba.

Na Universidade de Havana, será realizado o ato de lembrança, que se concluirá com uma marcha ao monumento erguido na ilha para os oito estudantes de medicina.

msm/lrg/vmc

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.