22 de January de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Díaz-Canel e estudantes cubanos relembram crime de 1871

Díaz-Canel, fusilamiento, estudiantes, medicina, homenaje

Díaz-Canel e estudantes cubanos relembram crime de 1871

Havana 27 nov (Prensa Latina) O presidente cubano Miguel Díaz-Canel marchou hoje com milhares de estudantes para comemorar o 150º aniversário da execução de oito estudantes de medicina, um dos piores crimes da história nacional.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Depois de um pequeno ato de memória, os participantes fizeram uma peregrinação desde a emblemática escadaria da Universidade de Havana até o monumento que lembra os estudantes injustamente fuzilados em 1871.

Outras figuras importantes do governo, como o Partido Comunista, a União de Jovens Comunistas de Cuba (UJC), a Federação de Estudantes Universitários (FEU), representantes de organizações de massa e da sociedade civil também prestaram homenagem.

Em declarações à Prensa Latina, o primeiro secretário da UJC, Aylin Álvarez, destacou que este fato marca a juventude cubana e universitária.

“Por isso marchamos aqui em nome de toda Cuba, além das atividades que acontecem em outras províncias”, disse.

Na opinião do dirigente, o jovem é o protagonista nas principais etapas, não só na produção, economicamente, mas também em tudo relacionado à lembrança de acontecimentos como este.

“Aqui é evidente que os jovens se opõem a tudo o que querem nos semear como parte da deturpação da realidade, estamos comprometidos com a Revolução e pudemos vê-la nas ruas, na ação no confronto com Covid-19 “ele adicionou.

O vice-presidente nacional da FEU, Daniel Madina Fernández, disse à Prensa Latina que os jovens estão em constante debate em defesa da história.

“Depois de tanto tempo sem poder nos reunir assim, é muito significativo realizar esta marcha de homenagem e também defender a grande obra da Revolução”, disse.

Em 23 de novembro de 1871, um grupo de alunos do primeiro ano de medicina esperava seu professor no anfiteatro anatômico que continuava no Cemitério Espada, em Havana.

Segundo investigações históricas, os jovens se dispersaram pelo cemitério, uns andaram no carrinho de mão do local, outros puxaram uma flor e os demais brincaram uns com os outros. Posteriormente, as autoridades espanholas os acusaram sem provas de profanar o túmulo do jornalista espanhol Gonzalo Castañón.

Isso ocorre em meio a um contexto histórico tenso devido às crescentes derrotas do exército ibérico nas mãos dos líderes da guerra de independência que os lutavam desde 1868 no leste do país.

No primeiro Conselho de Guerra, foi comprovada a inocência dos jovens, porém, devido à pressão do Corpo de Voluntários Espanhóis em Havana, um segundo julgamento decidiu condenar os jovens como exemplo.

Para completar o oito, três dos alunos foram escolhidos ao acaso, sorteio em que saiu da cidade de Matanzas um estudante de 17 anos, que não estava na capital do país no dia da suposta profanação.

Em 27 de novembro, esses estudantes foram baleados, outro grupo foi condenado à prisão e posteriormente exilado.

mem/idm/glmv

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.