28 de November de 2021

NOTICIAS

Inflação nos EUA pode complicar agenda de Biden

EEUU, inflación, preocupaciones

Inflação nos EUA pode complicar agenda de Biden

Washington, 24 de nov (Prensa Latina) Os assessores econômicos do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, erraram ao calcular o aumento da inflação no país, informou hoje o jornal The New York Times.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Os principais economistas da Casa Branca preocuparam-se desde o início que o aumento da inflação pudesse prejudicar a recuperação da economia da recessão, junto com a presidência de Biden, disse o jornal.

No entanto, observou ele, na primavera passada, eles cometeram um erro de previsão que ajudou a transformar seus temores em realidade, um cálculo que se estendeu à decisão desta semana de renomear o presidente do Federal Reserve.

Autoridades do governo superestimaram a rapidez com que os americanos começariam a gastar dinheiro em restaurantes e parques temáticos e subestimaram o número de pessoas que queriam comprar carros e sofás novos, acrescentou o jornal.

Os conselheiros de Biden, junto com economistas e alguns cientistas, acreditavam que a ampla disponibilidade de vacinas contra o coronavírus aceleraria o retorno à vida pré-pandêmica, na qual as pessoas jantavam fora e lotavam quartos de hotel para participar de conferências, casamentos e outros eventos pessoais, ele disse.

Em vez disso, apontou o Times, o surgimento da variante Delta do vírus durante o verão e o outono retardou o retorno à normalidade. Os americanos ficaram em casa, onde continuaram a comprar produtos online, sobrecarregando as cadeias de suprimentos globais e disparando o preço de quase tudo na economia.

“Graças à força de nossa recuperação econômica, as famílias americanas puderam comprar mais produtos”, disse Biden este mês no porto de Baltimore, mas não foi o caso.

Esse ponto de vista é a coisa mais próxima de uma explicação que o governo ofereceu para relatar por que a Casa Branca ficou surpresa com a magnitude e a duração de um aumento de preços que afetou os números das pesquisas de Biden e colocou parte dele em risco.

Do ponto de vista do governo, o problema não é que haja muito dinheiro circulando, como os republicanos e alguns economistas insistem, mas que os consumidores estão alocando uma quantia inesperada desse dinheiro para um pequeno conjunto de coisas para comprar, disse ele.

A inflação subiu em todas as nações ricas no ano passado, mas aumentou mais rapidamente nos Estados Unidos, onde os preços saltaram 6,2 por cento em outubro em relação ao ano anterior.

O jornal de Nova York apontou que o aumento foi exacerbado, em parte, pelo fato de Biden e seu antecessor, Donald Trump, emprestar mais apoio fiscal à economia dos Estados Unidos do que seus homólogos em outros lugares, em um momento em que os padrões de consumo de negócios mudaram. não voltar rapidamente ao normal.

Como resultado da crise inflacionária, o índice de preços ao consumidor de serviços aumentou 3,6% em comparação com o ano anterior. No caso dos bens duráveis, o aumento foi de 13,2%.

mem / lb / fav

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.