28 de November de 2021

NOTICIAS

Brasil estende investigação contra Bolsonaro sobre vacina indiana

Bolsonaro, investigación, vacuna, india

Brasil estende investigação contra Bolsonaro sobre vacina indiana

Brasília, 24 de nov (Prensa Latina) A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal do Brasil, estendeu por mais 45 dias a investigação contra o presidente Jair Bolsonaro por irregularidades na compra da vacina indiana Covaxin, foi confirmada hoje.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

A decisão atendeu ao pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR), no dia 5 de novembro, para defender a ampliação das investigações contra o governante por prevaricação no caso.

A PGR argumentou que a investigação deveria ser estendida por 45 dias para concluir a investigação.

Nos termos da lei, a prevaricação consiste em “atrasar indevidamente ou omitir um ato oficial, ou praticá-lo em violação do disposto na lei expressa, para satisfazer interesses ou sentimentos pessoais”.

O ponto de partida é o que foi divulgado no dia 25 de junho, na comissão do Senado que avaliou a gestão do governo diante da pandemia Covid-19 pelo funcionário do Ministério da Saúde Ricardo Miranda, chefe do departamento de logística de importação, e seu irmão, o deputado Luis Miranda.

Ambos afirmaram ter alertado Bolsonaro, em março, sobre suspeitas de corrupção na negociação para aquisição da Covaxin, droga anti-Covid-19.

Entre as irregularidades apontadas pelos irmãos estava a fatura internacional com perspectiva de um adiantamento de 45 milhões de dólares, o que não estava previsto no contrato original.

Da mesma forma, outras contas com previsão de doses inferiores às anunciadas em contrato e por conta de uma empresa com sede em Cingapura, o que não constava do contrato original.

A investigação busca esclarecer se houve ou não omissão do Bolsonaro em relação às alegadas anomalias no processo de contratação de antígenos e também se o presidente, de alguma forma, se beneficiaria pessoalmente com isso.

Durante três meses, o governo não comunicou nada abertamente sobre as acusações em torno de Covaxin.

Depois que os irmãos Miranda tornaram isso público, o governo federal apresentou três versões.

O escândalo desencadeou a impopularidade do ex-militar nas urnas, e o Ministério Público Federal, assim como a Controladoria-Geral da União, investigam o caso notório separadamente, em meio a uma doença que já causou 613.066 mortes e 22.030.182 até hoje contágios.

rgh / ocs / fav

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.