7 de December de 2021

NOTICIAS

Tensão em província argentina após assassinato de jovem mapuche

Argentina-assassinato-jovem-mapuche

Tensão em província argentina após assassinato de jovem mapuche

Buenos Aires, 23 nov (Prensa Latina) Uma grande tensão hoje em El Bolsón, na província argentina de Río Negro, após o assassinato de um jovem mapuche e outro ferido a bala, pertencente à comunidade de lof Quemquemtreu.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Ambos os jovens, junto com seus povos, ocupam terras desde setembro passado na área de Cuesta del Ternero. Elías Garay Yem, 29, foi morto a tiros, enquanto Gustavo Cabrera, 26, foi atingido por duas balas no peito e está hospitalizado.

De acordo com relatos da mídia local, duas pessoas com roupas civis portando armas de fogo entraram na área isoladas por policiais e executaram Garay Yem com balas de chumbo, enquanto Cabrera luta hoje por sua vida em um hospital.

Depois dos incidentes, as tensões aumentaram e os povos indígenas pediram justiça pelo ocorrido, enquanto o Governo de Río Negro assegurou que a polícia provincial não teve intervenção no episódio.

Em um vídeo carregado hoje nas redes sociais, a dirigente mapuche Moira Millán, do Movimento das Mulheres Indígenas pelo Bem Viver, denunciou que na véspera foram reprimidas enquanto tentavam entrar no Lof para se despedir de Elías. O direito a um funeral mapuche foi respondido com balas, disse ele.

Cercado pela polícia, o vídeo mostra Millán e outras mulheres pedindo permissão para ir se despedir de seu companheiro. “Há mais de 200 anos roubaram-nos a paz de espírito. Vamos passar porque é nosso direito, me matem, aqui estou e eu me rendo. Há um jovem cujo corpo está a decompor-se e a sua mãe está ali a chorar. Não podemos nos despedir de nosso irmão. Também somos gente “, ouve-se.

Ontem, a comunidade Mapuche ofereceu uma coletiva de imprensa virtual, na qual especificou que de Lof Quemquemtrew, um território em conflito, recebeu solicitações específicas dessa comunidade. Por fim, deixaram passar os peritos e o Ministério Público para ver o corpo e permitir a sua transferência.

Eles também pediram a todas as organizações de direitos humanos, o lamgen (irmão em língua mapuche) que está em Buenos Aires, que se concentrasse no Ministério de Segurança Nacional para nos apoiar até que este processo espiritual de despedida seja feito em conformidade, a partir dos regulamentos ancestrais Mapuche.

Por outro lado, destacaram que a saúde de Gonzalo Cabrera está estável. Continuamos atentos à sua integridade e à segurança de sua família, assim como, da família de Elías Garay Yem, especificaram.

Segundo nota divulgada nesta terça-feira pelo jornal https://www.rionegro.com.ar/ , estão sendo tratadas duas hipóteses do que poderia ter acontecido.

“O mais forte, ao qual aderem até os movimentos de apoio à comunidade ali constituídos, é a presença de pistoleiros que se dirigiram ao local com a determinação de matar em defesa da propriedade desta e de outras terras”, disse a mídia.

Em uma mensagem em sua conta oficial no Twitter Sergio Maldonado, irmão do jovem Santiago Maldonado, cujo caso ganhou as manchetes por meses após sua morte durante uma repressão policial na província de Chubut em 2017, quando foi mostrar solidariedade ao Pu Lof em Resistência de Cushamen, referiu o caso em El Bolsón.

“Em La Lof Quemquemtrew Cuesta del Calnero, quatro quilômetros adiante está o corpo de Elias, que foi morto por supostos caçadores que passaram pelos postos de controle como se nada tivesse acontecido. Os agentes do Coer (Corpo de Resgate e Operações Especiais) não usam identificação. Justiça para Elias “, escreveu ele.

Diversas organizações denunciaram o ocorrido e hoje dizem basta a perseguir o povo Mapuche e exigir o cumprimento da lei de terras agora.

mgt / may / hb

ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.