1 de December de 2021

NOTICIAS

Mensagem plástica camponesa para a Bienal da Havana

Bienal da Havana

Mensagem plástica camponesa para a Bienal da Havana

Por Antonio Paneque Brizuela
Havana, 23 nov (Prensa Latina) A exposição Minha Terra, Nosso Futuro é a visão crítica de um artista plástico cubano que também é agricultor sobre o sustento do homem com este recurso, expressou hoje seu autor Rogelio Fundora.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

É também um apelo a usar com respeito essa fonte de vida, disse à Prensa Latina, por ocasião da Bienal de Havana, o criador daquele conjunto de oito pinturas expostas no Centro Iberoamericano de la Décima y el Verso Improvisado (Cidvi) da capital.

O pintor, também conhecido por El Guajiro que pinta, explicou que esta visão plástica “decorre do próprio tema Futuro e Contemporaneidade, face à crise ecológica do planeta, que é o foco desta XIV edição do evento plástico internacional”.

Fundora explicou que a mostra, aberta nestes dias da Bienal de Havana, convida desde a estética pictórica “a aproximar-se do profundo, da natureza, da nossa casa planetária, para, como um todo, fazer um amanhã melhor”.

A Bienal de Havana – segundo sua presidenta, Norma Rodríguez – enfoca o tema Futuro e Contemporaneidade na tentativa de criticar construtivamente nosso presente “para encontrar novos caminhos para um futuro que inclua todos nós”.

Rogelio Fundora Ybarra (Mayabeque, 1972), considerado um artista autodidata de influência acadêmica, acumula cerca de 70 exposições pessoais e coletivas que irradiam um ambiente cromático rural cujos ícones são a enxada, o chapéu e as plantações.

A combinação entre o lado plástico e o lado agricultor que compõe este artista coloca-o -segundo outras visões- como o principal retratista das paisagens e ambientes agrários e bucólicos que ele próprio cria em seu trabalho como homem do campo.

Luis Paz, repentista e director do Cidvi, considerou que esta presença na sua instituição sublinha o vínculo do autor com a décima improvisada, cujas manifestações nacionais combinam as artes visuais com aquela expressão poética da música camponesa.

Um exemplo – argumentou – é o Clássico Nacional do Ponto Cubana, que inclui expressões autóctones concorrentes, como as controvérsias e a criação de obras pictóricas durante o próprio evento, a partir de décimas escritas in loco por outros concorrentes. Luis Paz e o também improvisador Emiliano Sardiñas também endossaram aquele pacto entre a décima como estrofe nacional e a plástica deste artista popular, cantando para uma exposição cujas raízes camponesas estão relacionadas com ambas as expressões artísticas.

mgt / apb / hb

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.